Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Um novo catolicismo social

Saiu hoje em "7 Margens" esta notícia, que é também um apelo à modificação das estruturas sociais e a um novo catolicismo social, com empenhamento pessoal a favor dos que vivem na periferia e já não suportam tantas diferenças de vida e condições sociais. E isto não é só em França... AH

 

«Como estabelecer um diálogo social quando já não há qualquer linguagem comum entre a esfera financeira das grandes cidades e as periferias, entre os desenraizados e os que pertencem a algum lugar? Em que realidade institucional se pode um tal diálogo apoiar quando os corpos intermédios foram minados e a representação política desacreditada? Como encontrar um caminho comum quando a “cultura urbana” globalizada se opõe à cultura popular? As três interrogações são apresentadas como “os contornos da questão social contemporânea” no “Apelo por um novo catolicismo social”, lançado em França por cerca de vinte intelectuais católicos de diversas sensibilidades, agora mobilizados para reclamar a edificação de comunidades solidárias.

Para os subscritores, a questão social, hoje, “ultrapassa largamente as condições específicas de uma classe social. Ela atinge a própria natureza do vínculo colectivo, em todas as suas dimensões: familiar, cultural, económica, ecológica, geográfica; dimensões que a ideologia da economia ‘financeirizada’ nega”. Em causa, dizem, fica a coesão de um povo e de uma nação.

O diagnóstico da situação francesa apresentado no documento é dramático. Recordando que há uma França periférica, cujo futuro inquieta a maioria da população, os subscritores verificam que o país afastado das grandes cidades ameaça tornar-se “um deserto sem correios, sem maternidades, sem médicos, sem fábricas, sem quintas e sem comboios”. Acrescenta o apelo que esse país periférico, que não pode pagar cada vez mais impostos, ao mesmo tempo que os serviços públicos são desmantelados, recusa a marcha forçada em direcção à mundialização económica ultraliberal e à globalização cultural, sem sobre isso ter uma palavra a dizer. “Há fogo. A nossa casa comum, a França, arde. Esta atmosfera possivelmente insurrecional é perturbadora. Para o governo, a equação parece insolúvel: não se pode levar à força as pessoas em direcção a um ‘mundo novo’ que as rejeita. Neste contexto, a situação pode ficar fora de controlo. Mas na revolução, é sempre o mais forte que impõe a sua lei, não o mais justo.”

A nova questão social, segundo os subscritores do apelo, ultrapassa as fronteiras francesas. “Em muitos países, na Europa e no mundo, o valor do trabalho, a dignidade dos trabalhadores, o direito a um salário justo e a um ambiente saudável são diariamente desrespeitados”. Se esta situação diz respeito às estruturas económicas, ela também é responsabilidade de cada um, “enquanto a cultura de ‘sempre mais barato’ nos fizer esquecer que, por trás de cada produto e de cada serviço, há trabalhadores e respectivas famílias”.

Lembrando que, Caravaggio.jpegno passado, os católicos sociais se levantaram para defender a classe trabalhadora, o apelo enfatiza um desafio: “Hoje, os católicos devem-se levantar para apoiar o povo da França e lutar por um sistema económico mundial e uma Europa ao serviço do desenvolvimento humano integral. Devemos estar conscientes de que as fracturas francesas não serão resolvidas apenas através de leis, mas pelo empenhamento de cada um.” Os católicos devem, por isso, mobilizar-se “para construir comunidades solidárias, baseadas num vínculo de responsabilidade comum, que possa dar ao nosso país uma perspectiva, um destino partilhado, um trabalho, um espaço para a cultura popular, uma história continuada, um novo impulso familiar, educativo, ecológico, espiritual e verdadeiras solidariedades”.

Entre os subscritores do apelo divulgado por La Vieestão Joseph Thouvenel, sindicalista; Patrice de Plunkett, ensaísta; Denis Moreau e Emmanuel Gabellieri, filósofos; Antoine Renard, presidente das Associações Familiares Católicas da Europa; Gérard Leclerc, jornalista; Diane de Bourguesdon, consultora em estratégia; e Marie-Joëlle Guillaume, escritora.»

 

Ilustração: Caravaggio, As sete obras de misericórdia; igreja de Pio Monte della Misericordia, Nápoles.

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D