Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Solidão - um drama

João Antunes2.jpg

 Considerações pessoais...

 

Lamentam-se as pessoas idosas e não só, da solidão que vivem no seu dia a dia, uma tragédia, cada um desabafa à sua maneira, conforme sente esses momentos.

E as causas são muitas: uns é porque se reformam, outros ficam viúvos, outros são abandonados pelas famílias e estas causas torna-os vulneráveis, afecta-lhes a saúde e ficam desnorteados. Pensam que já ninguém quer saber deles.

Mas há formas de regenerar a situação, pensem na velha oliveira de tronco carcomido, que ainda tem ramos verdes e produz bons frutos.

Com a reforma vem um novo padrão de vida, temos a sensação que perdemos tudo, sim alguma coisa perdemos como por exemplo a perda de rendimento, de prestígio, de competência, de utilidade e algum afastamento dos contactos sociais.

E isto favorece a inatividade, o isolamento, a solidão e a depressão, consequências que podem causar falta de autoestima e perda do bem-estar. Mas esta solidão sobressai mais nas pessoas que não foram casadas porque as casadas só quando perdem o seu cônjuge se sentem desamparadas. Depois isolam-se, privam-se de actividades sociais e ficam entregues a elas próprias.

Os amigos têm um papel preponderante na criação de laços de convívio, de desabafo e partilha de experiências de vida.

No caso do abandono pelas famílias, trata-se de uma crueldade, elas não estão preparadas para suportar encargos com os seus progenitores ou orientá-los para locais onde recebam um tratamento digno e a solução é abandoná-los nos hospitais, lares e asilos.

A saúde ressente-se fisica, mental e socialmente, falta-lhe o bem-estar, o que compromete o estado emocional. Logo aparecem as doenças ligadas à solidão: infecções, hipertensão arterial, depressão e ansiedade, um catálogo que nunca mais pára.

Sentimos o envelhecimento da população por todo o país, com tendência a aumentar  porque não é compensada com a taxa da natalidade. Os meios que proporcionem à população idosa uma boa qualidade de vida e um envelhecimento bem-sucedido são diminutos, há que fazer um grande esforço.

É necessário combater a solidão, escolham um envelhecimento activo, fazer o que mais gostam, façam o que nunca fizeram.

Solidão.jpg

Fazer amizades é uma forma de combater o isolamento e a solidão ou então  dedicar-se ao voluntariado por uma causa que acredite trazer benefícios para si e para a sociedade. Conhecer novas pessoas e partilhar novos ideais.

Dê atenção aos seus amigos, organize refeições que estimulem conversas alegres e divertidas e um saudável convívio social.

E se frequentar um curso, é uma boa ocasião para se integrar num grupo de pessoas que partilham os mesmos interesses e estimulam a criatividade.

Não querendo, poderá adoptar um animal de estimação, que traz vários benefícios e previne a solidão, pois é uma companhia e um convite ao passeio. A mobilidade faz falta e é preciso fazer um esforço para não ficarmos dependentes de terceiros. Este é outro problema que agrava a solidão, embora haja já veículos eléctricos que estão preparados para inverter esta situação.

Por isso vamos tentar ser felizes.

 

João Antunes