Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

SILÊNCIO

09.05.19 | asal

O PORTEIRO DA VIDA INTERIOR

João Antunes.jpg

 

Nestes tempos modernos, o barulho generalizado e aquele que arrasta multidões, incomoda-me. A falta de silêncio interior e exterior faz falta para o recolhimento pessoal, para tomar decisões e escutar-se a si próprio.

Quando passamos por lugares de culto lemos em qualquer coluna o apelo ao “silêncio”, porque o silêncio também é oração.

E nos meios em que vivemos, nos tempos de hoje, as pessoas não respeitam porque temos muita informação e pouca comunicação. Não se educa para ouvir.

Diz-se que é preciso escutar, calar e ouvir e quando dialogamos é importante seguir esta regra, escutar bem para falar bem e na hora certa.

Mas também há silêncio que incomoda, foge à regra e pode interferir na nossa vida e na nossa saúde, como o recolhimento profundo. 

Nas grandes cidades, o barulho é um problema de saúde pública e quantas famílias procuram já residências afastadas dos grandes centros pela necessidade de sossego e para descansar o corpo e a alma.

Porque o silêncio interior é necessário e indispensável às pessoas, para o seu equilíbrio e até para ouvir a consciência. E desenvolvemos este estado de espírito em nós quando temos paz.

Uma paz completa que atinge o corpo e a alma de cada homem e  mulher, que ultrapassa tudo o que é externo e nasce de uma experiência interior, de uma forma de encarar a vida e escutarmos as vozes de dentro e de fora.

SILÊNCIO.jpg

Jesus, ao ver os apóstolos aterrorizados, com medo e se escondiam depois de verem a experiência traumatizante da cruz, disse-lhes: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração”.

Quando aceitamos o nosso Deus, no interior do nosso coração, nasce a paz, o silêncio e a coragem.

Não basta colocar o dedo na boca e produzir um “psiu” que às vezes até irrita e nada resolve, mas na verdade o “shalom” é a verdadeira paz e a mãe do silêncio.

Não nos deixemos sufocar pelo barulho, entremos no mundo desconhecido da nossa alma, façamos a viagem da mente ao coração e de certeza que encontraremos surpresas agradáveis.

João Antunes