Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Sidonismo, 100 anos depois (2)

Florentino2.jpgMeu bom Amigo

Aí te envie a segunda dose sobre o malogrado Sidónio Pais. Sei que é um assunto triste nesta Quadra Natalícia. Mas não tenho culpa de o terem liquidado em vésperas de Natal. O criminoso não escolhe a altura do ano. Ataca quando menos se espera. Para não desligar os dois artigos, aqui vai a continuação do assunto. Votos de Boas Festas para ti, família e para os nossos companheiros de jornada. Para todos, um abraço festivo e solidário. Cristus natus es nobis....venite adoremus. f. Beirão

 

O tiro e a queda de um messias

Como verificámos, um ano do governo messiânico de Sidónio Pais não conseguiu melhorar, de um modo significativo, a situação social, política e económica do país. Num volte face, logo em abril de 1918, regressou a censura à imprensa, os alimentos permaneceram controlados, os presos políticos multiplicaram-se e os bandos armados procuravam intimidar os opositores a Sidónio. Colocado um ponto final na 1.ª Guerra – Mundial, em 11.11.1918, a paz social do país, com 30.000 militares ainda em França, longe de melhorar, foi alvo dos radicais anarquistas que ameaçaram o governo, com uma greve geral.

Face a este mal-estar dos trabalhadores com o Governo, o espantalho comunista, recentemente vitorioso na Rússia, foi arvorado, como o principal inimigo a abater. Entretanto, na rua, Sidónio continuava a seduzir a populaça em Lisboa, com marchas militares na avenida da Liberdade. Se a ligação às multidões continuava a somar êxitos, por outro lado, muitos políticos monárquicos começavam a desertar da companhia do Presidente-Rei. Sidónio, magoado e só, ia ficando cada vez mais isolado, chegando mesmo a confidenciar: “eu tenho hoje a hostilidade clara das esquerdas e, ao mesmo tempo, que a falta de apoio das direitas”.

Esta conjuntura política acabou por provocar, no outono de 1918, reuniões de alguns oficiais do exército que se reuniram para responderem a alguma possível “emergência” de mudança política. Na verdade, recorde-se, Sidónio já tinha sido alvo de um atentado no palácio de Belém, em dezembro de 1917. Para adensar ainda mais o ambiente político, começaram a correr boatos no Porto, que proclamavam que alguns conjurados militares monárquicos conspiravam, para restaurar a realeza, num pós-sidonismo.

Face a este ambiente político podre, Sidónio Pais, a residir em Belém, decidiu enfrentar este movimento conspirativo monárquico, colocando-lhe um ponto final. Para tal, preparou uma sua deslocação ao Porto. O meio de transporte escolhido para viajar até à cidade invicta, foi um combóio especial que teria que ser apanhado na estação do Rossio, em Lisboa. Aqui chegado, Sidónio admirou-se com o volumoso aparato policial ali instalado. Criticando tal manifestação de força, argumentou que “ele não se considerava o czar das Rússias”. Aos polícias se juntava ainda todo o Governo, bem como as autoridades civis. Para maior segurança, dentro do combóio presidencial, encontravam-se 30 polícias, como escolta presidencial. Portanto, tudo se encontrava devidamente planeado, para esta viagem.

Os primeiros passos que o Presidente deu na estação, ladeado de polícias, foram tranquilos, com segurança absoluta. Quando este se dirigia, finalmente, para a porta de entrada dos passageiros na estação, ”um indivíduo que estava na fila dos espectadores, logo atrás do cordão policial, arredou subitamente os guardas e precipitou-se em direção a Sidónio Pais”, escreveu o historiador João Medina. José Júlio, puxando o gatilho do revólver que empunhava na sua mão direita, disparou certeiramente contra o presidente da “República Nova”. Atingido com dois tiros, um no fígado e outro num pulmão, acabou por cair junto do porteiro da estação, Anastácio Trindade. Entretanto, os polícias agarraram o criminoso assassino, retirando-lhe a arma. No meio do alvoroço gerado, Sidónio foi levado de automóvel para o hospital de S. José, à meia-noite, mas já sem vida, em 14.12.1918. Declarado o óbito, o cadáver foi transportado para o palácio de Belém onde o vestiram com o seu fato de general de cinco estrelas de ouro. A partir desta altura, o povo de Lisboa numa “plangente e furiosa idolatria fúnebre”, como “o momento de maior idolatria e delírio público”, no testemunho de alguns jornalistas, faria de Sidónio, o “Grande Morto” ou o “Herói Mártir”.

Sidónio Pais.jpg

Os dias seguintes ao funeral foram de uma autêntica caça às bruxas, tentando-se descobrir o nome dos possíveis conspiradores envolvidos neste assassinato. Entretanto, alguns militares católicos monárquicos iam-se preparando para uma possível restauração da realeza, enquanto os mais fanáticos clamavam por “Vingança, Vingança”, não descartando uma possível reposição da pena de morte, para o criminoso e seus prováveis apaniguados conspiradores. Tal não viria a acontecer. O criminoso sofreria apenas pena de prisão. Do mito sebastianista de Sidónio, ficaria o belo poema de Fernando Pessoa (1920), dedicado à memória do Presidente – Rei. “Quem ele foi sabe-o a sorte/Sabe-o o mistério e a sua Lei./ A vida fê-lo herói, e a morte/ o sagrou Rei!” (…) “Nele uma hora encarnou El Rei / Dom Sebastião”.

florentinobeirao@hotmail.com

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D