Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Salazar e a Escola Primária - 2

J.Lopes.jpg4 - Estrutura do Livro:

 

1.ª Parte:   do 1.º ao 3.º caps:  

- a biografia breve de Salazar de 60 páginas de densa informação.   Sintetizar uma vida, recheada de peripécias,  pessoais e políticas, em tão curto espaço textual, afigura-se-me quase um milagre de escrita, mau grado as inevitáveis lacunas e elipses que um discurso deste tipo apresenta  e que o leitor poderá completar com as obras da bibliografia. Mas na obra do Florentino está o essencial, sem esquecer “ As paixonetas de Oliveira Salazar ( pp. 79-80),  caindo assim por terra o mito da renúncia ao casamento  para se dedicar total e  exclusivamente  ao serviço da Pátria querida - um mito forjado pela imaginação surrealista de António Ferro,  o responsável-mor  do Secretariado da Propaganda Nacional (SPN, 1933), agente principal do processo de mitificação da pessoa do Chefe e da salazarização da sociedade que, ajoelhada, participava na liturgia secularizante do culto da personalidade do homem que, em certos momentos celebrativos, se esquecia das suas origens humildes. Por  alguma razão, a Igreja não conseguiu pôr o nome de “Deus na Constitução”  apesar de Salazar e o seu regime declararem  a fé do Povo como o baluarte da civilização cristã.

O 3.º capítulo merece uma leitura atenta. É talvez um dos mais bem conseguidos, a par de outros como o 14  o 15, se bem que em todos eles podemos respigar elementos novos que muito nos ajudam a formar uma ideia mais exata e fidedigna da ideologia e realizações do Estado Novo, graças ao espírito crítico  e à fina interpretação dos factos  de que o autor dá sobejas provas.  Vou apenas anunciar uns tantos  dos 12 ou 13 pilares que podem explicar a longevidade do regime:

SalazarAntonioFerro.jpg

a) - O apoio da Igreja, que desde a 1.ª hora, o acarinhou como o seu Salvador contra os excessos jacobinos do período afonsista;

b) - A União Nacional (1930), movimento  e não tanto um partido, muito ativo em períodos eleitorais, e criado justamente para legitimar eleitoralmente um regime que carecia de reconhecimento internacional;

 c) - A mocidade portuguesa e a legião, milícias paramilitares  que,  a partir de 1936, formaram a falange dos Viriatos, combatendo ao lado de Franco;

d) - O prestígio internacional de Salazar na forma como conseguiu uma neutralidade colaborante com a Inglaterra e Alemanha na 2.ª Guerra Mundial;

e) - E outros que o simpático leitor procurará deslindar…    António Ferro bate palmas a Salazar

 

Fernando-Pessoafoto.jpg

Entre o 1º e o 3º caps. intercala-se um que pessoalmente mais me apraz. Refiro-me a Fernando Pessoa (1888-1935) e Salazar, feito de SAL+AZAR. E que é um feliz corolário da biografia  do  nosso herói, agora transformado num  ilusionista  e um jogador maquiavélico na visão satírica de um poeta realista e visionário, de olhar rápido e percuciente  retratado aqui com a mesma finura do Padre Mateo em 1928.

 Salazar não foi a única vítima da  verve irónica e satírica do nosso poeta, que não poupou Afonso Costa e Bernardino Machado  nas suas Quadras e Outros cantares.  O grande Estadista de Santa Comba sai literalmente desfeito e enxovalhado nestes dichotes certeiros:  Coitadinho/ do tiraninho/ Não bebe vinho. Nem sequer sozinho…/ Bebe a verdade/ e a liberdade…” Note-se o equívoco verbal no uso do verbo “Beber” em sentido literal e figurado.  Bebe a verdade e a  liberdade, no sentido de “sugar” e que define, desde logo o seu despotismo narcisista e auto-iluminado.

(continua) 

João Lopes