Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Perto de Óbidos

12.10.20 | asal

IMG_20201013_102726.jpg

Alguns amigos já sabem que viemos passar uns dias no Oeste, mais propriamente no Cadaval, terra de agricultura verdejante e dinâmica, onde a fruticultura prepondera. A pera rocha e a maçã enchem os campos, todos bem tratados, com as culturas bem alinhadas e sujeitas a rega por gotejamento, que implica muito trabalho de início mas é eficaz e reduz o consumo de água. 

Temos andado por aqui a olhar para todos os verdes, alguns já a desmaiar nos locais onde dominam as vinhas. E até já experimentámos ir ao rabusco, colhendo saborosas maçãs vermelhas que ficaram na árvore por não terem o calibre desejado.

O Covid por aqui ainda não atingiu números alarmantes, o que muito nos agrada. Mas notamos que as pessoas estão a respeitar as regras profiláticas, o que mais nos deixa descansados.

Nós também fugimos de todos os ajuntamentos e temos escolhido ocupar as horas deambulando por lugares mais isolados. Ontem subimos ao alto da serra de Montejunto e na sexta-feira visitámos Óbidos.

Nesta "vila das rainhas", estivemos uma hora com poucos visitantes, em que pudemos beber a ginjinha em copo de chocolate e gastar mais algum dinheiro para ajudar o comércio, que continua a definhar. Simpatia não falta, como também se notam as muitas vendedeiras em conversa umas com as outras à porta, por falta de trabalho. As lojas, por dentro e por fora, estão muito bem decoradas e bem organizadas, talvez resultado do tempo que a pandemia lhes deu.

De Óbidos não digo mais, para além das fotos que aqui deixo. Todo o mundo conhece.

Mas fomos ainda, ali ao lado, visitar o Santuário do Senhor da Pedra, que apreciámos deveras. Aquele barroco rural impressiona ali no meio do campo. Uma igreja monumental, em hexágono por dentro e circular por fora, espaçosa, apresenta um púlpito que se alonga para o meio da assembleia longe das colunas. A foto explica.  

A história desta santuário reporta-se ao achado de uma pedra em forma de cruz com pequenos braços que tem ao meio a imagem de um menino gravada na pedra. A lenda ligou logo esta cruz à proteção divina, e os crentes recorriam ao Senhor da Pedra pedindo ajuda para as colheitas, as doenças e até aos resgates em alto mar (!!!).

A construção data de meados do séc. XVIII (1747) e teve como grandes mecenas o 1.º Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José de Almeida, e o rei D. João V, ele próprio "mui devoto do Senhor da Pedra". Saliente-se ainda a riqueza da talha dourada e policromada, as imagens em madeira e as muitas telas no interior da igreja. E, ali ao lado, podemos ainda admirar um chafariz "rocaille" da mesma época.

Vale a pena uma visita. E deixem um donativo para a manutenção do templo...

António Henriques