Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Perguntas

31.01.22 | asal

Meu Caro António

João Ol. Lopes.jpg

Julgava eu poder estimular uma graciosa discussão  em torno do "borrego" cego-nato, mas os nossos convivas não ligaram peva, assoberbados que andam por assuntos mais elevados.
Juro que não me motivaram razões partidárias. Gosto  de touradas e só tenho pena de não ter sido um caçador como o meu avô materno, conhecido em Alcains pelo "tio Nicolau", o dono de um forno comunitário.
 Mudemos um pouco de agulha.   
Como se diz em bom Português: "o deputado falou mal e porcamente" ou "o deputado falou mal e parcamente?" E haverá erro na  frase: "nas ruas devem haver raparigas vistosas" ou "nas ruas deve haver raparigas vistosas?"  Ou ainda "os candidatos devem ter ganhado muito com as campanhas" ou "devem ter ganho muito com as campanhas?" 
 Incomoda-me ver o nosso Ânimus vazio que nem um deserto.  Eu percebo que as redes sociais sejam mais coloridas e atrativas pelo exibicionismo  mundano que proporcionam. Não quero, porém, alinhar nessa vaga  de impressões que nos atiram para o caos do saber e das emoções.  UM grande abraço do
João Lopes
 
NOTAS 
1 - Ó João, só tu consegues deitar água fresca nas areias deste deserto que é o ANIMUS SEMPER. É verdade que estes últimos 15 dias foram intensos no chamamento que nos fizeram aos debates das legislativas. Por mim falo, eu que  gostava de me sentir mais informado, sobretudo para descobrir razões por que isto em Portugal não anda para a frente... E a verdade é que os esclarecimentos foram poucos... Resta-me a consolação de agora ter um partido responsável pelo bem e pelo mal que acontecer, com esta absoluta maioria...
2 - Mas este deserto faz-me mossa e não é a primeira vez que eu penso em desistir. Nunca fui homem a levar a carga sozinho. Sempre trabalhei em equipa e, se ela falta, também eu vou faltar.
3 - Quanto às questões do "português", tenho falado e escrito muito sobre isso. Até já disse que, como a língua é feita pelas pessoas, as próprias regras vão sendo alteradas pela oralidade, a ponto de já ninguém achar erro em certas práticas. Incomoda-me ouvir continuamente "ter ganho", "ter gasto", "ter limpo", como me ferem o ouvido palavras com acento tónico na quarta (?!) sílaba a contar do fim (para todos entenderem bem!) como sÉniores, jÚniores, que eu oiço em pessoas que são distintas personalidades - reitores, ex-ministras, etc... No singular, estas palavras já são esdrúxulas...
Se tiverem vontade ou gosto de ler mais sobre este assunto, abram o link abaixo, com o texto escrito há meses.
 
http://oficinaportugues.unisseixal.org/2021/05/03/erros-ou-regra-geral/ 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.