Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

28.01.22 | asal
JÁ SABE A MÚSICA?... NÃO?!... OH!...

Antonino Dias.jpg

Vamos a isso! Sente-se lá ao piano ou puxe pela guitarra, pelo adufe, pelo pífaro, pelo instrumento que tiver mais à mão. Perfile-se, respire fundo. O maestro já está com a batuta na mão. Está junto ao metrónomo e a saltar de bolso em bolso à procura do lamiré ou diapasão. Se o leitor não tem qualquer instrumento nem unhas para tocar viola, mesmo assim, salte do sofá e aceite o convite para o ensaio. Aprender o Hino da Jornada Mundial em Lisboa é uma necessidade urgente.
Não há ensaio?!... Quem é que disse?... Mas como pode não haver ensaio?!... Se, na sua terra, as pessoas, embora muito respeitáveis e sabidas, vivem assim tão distraídas; se vivem debruçadas à janela a ver passar os zabumbas, a banda e a procissão; se apenas olham para dentro e vivem de costas voltadas para o mundo e sobretudo para o mundo juvenil; se não entendem estas dinâmicas para ajudar a viver e a cimentar a vida em valores estruturantes; se são incapazes de sonhar e de fazerem sonhar, ligue-se à net, amigo leitor, investigue, procure. O “Há Pressa no Ar” está lá. Ouça uma vez, duas, três, as vezes que for preciso. Por fim, ao ouvirem-no cantar muito melhor que um rouxinol, até os seus vizinhos lhe vão pedir que os ensine a cantar tão bela e sonora melodia. Como sabe, os símbolos das Jornadas Mundiais da Juventude estão aí, à porta, e todos precisamos de si e dos outros, para ajudar, animar, estimular, cantar e rezar com os jovens e pelos jovens. Será que pensa que não há pressa no ar? Pois há mesmo. “Há pressa no ar, há pressa de viver bem, há pressa de viver, há pressa de viver este amor de Deus, há pressa de continuar a caminhar”. Não para fazer tudo de uma vez, angustiadamente. Mas para crescer com alegria, animar, estimular e não passar pela triste figura de ser apanhado pelo carro vassoura. Sacuda-se, venha daí, a juventude jovem e idosa agradece.
Já falei do Tema da Jornada, da Cruz dos Jovens e do ícone Salus Populi Romani que acompanha a Cruz. Hoje vou tornar presente outros dois elementos de cada Jornada Mundial. Trata-se do Hino e do logótipo ou logotipo, conforme queiram acentuar, ambas as formas são corretas. O logotipo e o hino são considerados de muito interesse pelo que envolvem de participação, reflexão, sentimento, imaginação e fé. Também eles, pela sua beleza e arte, têm de fazer com que, em consonância com o tema geral, os objetivos da Jornada Mundial comecem a ser atingidos pela empatia que eles são capazes de gerar. Em Portugal, a sua seleção passou por concursos muito alargados. Para o Hino, fez-se um concurso nacional, aberto à participação de portugueses maiores de idade no qual participaram mais de uma centena de candidaturas. A letra e a música tinham de se desenvolver à volta do ‘sim’ de Maria e da sua pressa para ir ao encontro da prima Isabel. O ‘sim’ desta Jovem revolucionou o mundo. Por causa desse ‘sim’, Jesus revolucionou a História, elevou o homem à sua mais alta dignidade, desafiou-o a metas que transcendem o tempo.
O Hino selecionado tem música de Pedro Ferreira, de 41 anos, professor e músico, da Diocese de Coimbra. A música é agora “de todo o mundo”. E o desejo do autor é que seja tocada por todos, mas “principalmente por cada guitarra que esteja parada em casa”, por “cada teclado a que é preciso tirar o pó”. Disse ele que a sua caminhada de vida está muito ligada às JMJ. Participou em várias, viveu-as intensamente. E confessa: “Quando compus o tema foi mesmo a pensar de como é que eu o interpretaria, de como é que, no meio de tantas pessoas ao meu lado, gostaria de festejar, gostaria de aplaudir, gostaria de repetir vezes sem conta o refrão que creio e temos fé que aconteça em todo o mundo”. E assim, sentado ao piano, sozinho, em finais de 2019, tudo foi surgindo com naturalidade, disse ele. Depois partilhou a música com uns amigos, os da ‘Banda da Paróquia’, da qual faz parte.
A letra do Hino, ao qual deram o título de “Há pressa no Ar”, é do Padre João Paulo Vaz, de 51 anos, Pároco de Pombal, também Diocese de Coimbra. Segundo conta João Paulo Vaz, a letra também tem a sua história. “Tinha um tema ao qual me tinha de cingir, com uma ou outra indicação também que fosse algo leve, jovem, ligeiro. Lembrei-me naturalmente que seria muito importante não só pegar no tema da jornada mas fazer o caminho. É uma ideia que me agradou de início fazer o caminho desde o Panamá até Lisboa passando também pelas jornadas intermédias em cada ano”. Com estes propósitos, “não alterando em nada a melodia, e com a guitarra na mão, fui escrevendo, como costumo fazer”, disse ele. Quando lhe telefonaram a comunicar a canção selecionada, ele estava fora do país. “As jornadas mundiais da juventude são um marco na minha vida. Perceber que a letra que fiz ia ser cantada pelo undo inteiro foi uma enorme alegria”, referiu ele.
Os arranjos musicais do Hino são da autoria do músico Carlos Garcia, de Lisboa. O autor da melodia disse que o Carlos Garcia, ao ouvir o tema, “acaba por se apropriar da melodia e, num trabalho notável, não lhe mexe na estrutura, na forma, enriquece-a de uma forma única”. Finalmente, o Hino foi gravado em várias línguas, como se desejava: em jeito popular, alegre, juvenil, fácil de aprender e de fácil tradução e adaptação. Esta gravação final envolveu jovens de todo o país, sobretudo aqueles que participaram no concurso nacional mas não foram selecionados. Letra e Música constituem um convite aos jovens de todo o mundo para se identificarem com Maria, saindo, sem demora, ao encontro de todos, dispondo-se ao serviço, à missão e à transformação do mundo, evocando a festa da Jornada Mundial e a alegria centrada na relação com Deus.
Por sua vez, o logótipo da Jornada Mundial de Lisboa foi encontrado através dum concurso internacional promovido pelo Comité Organizador Local, no qual participaram 30 países dos cinco continentes. A primeira triagem foi feita por uma equipa de académicos da Universidade Católica Portuguesa que selecionou 21 das melhores propostas. Estas foram depois avaliadas por profissionais da área do marketing e da comunicação, provenientes de agências de comunicação presentes em Portugal, que elegeram três finalistas. Destas três propostas finalistas, foi a Congregação Romana para os Leigos, Família e Vida, que selecionou a vencedora. A proposta da jovem portuguesa Beatriz Roque Antunes, de 24 anos, de Lisboa, diretora de Arte e Design, foi a selecionada. A autora explica como, juntando todos os elementos que foi pensando, chegou ao resultado final, e cuja mensagem principal é apelar aos jovens “que não se acomodem, que se levantem, que façam acontecer, que construam, e que não deixem o destino do mundo na mão dos outros”.
Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 28-01-2022.