Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

16.10.21 | asal
FRANCISCO CHAMA POR SI... NÓS TAMBÉM!...

1.jpg

É verdade que não estamos em jejum! Tal como outras Dioceses, também nós fizemos um Sínodo diocesano e batalhamos com tais dinâmicas. No entanto, apesar de tanto esforço e trabalho durante alguns anos, se não estamos em jejum, acho que ainda não merecemos o almoço, muito menos com jantar e/ou ceia. Pastoralmente falando, muito se experienciou, se propôs e ofereceu para elaborar um manjar melhorado e mais delicioso, mas todos gostaríamos que a coisa se tivesse enraizado melhor em prol duma ementa diária, mais capaz, geral e inclusiva, como exigência cristã e eclesial! Para chegar aí, à mesa de todos, exige-se muito trabalho e persistência, confiança no Espírito, do qual ninguém tem o monopólio, e confiança nos outros. Exige-se despojamento de certezas e de preconceitos, distribuição de tarefas sem centralizar nem manipular, que os órgãos de corresponsabilidade e participação funcionem, que o entusiasmo e o alegre compromisso se cheguem à frente, dando as mãos, e os pés também!... Estes ingredientes, porém, não se importam diretamente da Tailândia, não se dão nem se vendem nos hipermercados embora estes possam ter “tudo e mais não sei quê”. Adquirem-se com humildade e dedicação, com verdadeiro sentido de Igreja e treino, muito treino, faça frio ou calor, sopre o vento ou caia a chuva...

Em abril de 2021, o Papa Francisco deu início a um caminho sinodal em toda a Igreja, e de forma diferente. Não é sobre um tema como tantos outros, é sobre a identidade mais profunda da Igreja, a sinodalidade. Se em dois mil anos de história da Igreja “é a primeira vez que um evento destes é chamado a envolver todo o Povo de Deus”, não falta quem diga que “este é o evento eclesial mais importante e estratégico depois do Concílio Vaticano II”.
A primeira fase deste Processo Sinodal decorre, em cada diocese de todo o mundo católico, até fins do primeiro trimestre de 2022. Em Roma, a abertura aconteceu no sábado, dia 9 de outubro de 2021. A fase diocesana inicia-se no Domingo, dia 17 de outubro. Entre nós acontecerá em Castelo Branco, o programa está divulgado. Porque não é possível grande aglomeração, esperamos que todos os Sacerdotes, Diáconos, Ministros Extraordinários da Palavra, Secretariados diocesanos, Movimentos Apostólicos, Confrarias e Irmandades, todos os Agentes da pastoral, falem nos lugares que lhes compete, esclareçam, divulguem, estimulem à participação e se organizem. Depois desta fase em todas as dioceses do mundo, elaborar-se-á o primeiro ‘Instrumento de Trabalho’ sobre o qual se irão debruçar as sete reuniões continentais: África, Oceânia, Ásia, Médio Oriente, América Latina, Europa e América do Norte. Cada uma destas sete regiões elaborará um ‘Documento Final’. A partir destes sete documentos, será produzido o segundo ‘Instrumento de Trabalho’ sobre o qual se debruçará a Assembleia Sinodal de outubro de 2023, no Vaticano.
Com palavras dos documentos e afirmações do Santo Padre, e doutros, que, por este motivo do Sínodo nos fizeram chegar às mãos e temos divulgado, recordo que um Sínodo não é um faz de conta, um “parlatório” ou “um parlamento”. Não é “um jogo de maiorias”, onde, para “alcançar um consenso ou um acordo comum, se recorre à negociação, a pactos ou a compromissos”, a maioria parlamentares. Não se trata de “uma espécie de democratização”, pois a Igreja “é um evento do Espírito Santo, seu verdadeiro protagonista que harmoniza as diferenças, as reconcilia, converge-as na unidade que é o próprio Cristo vivo e presente na Igreja”. Não é uma "convenção" eclesial, uma "conferência de estudos", um "congresso político". Tampouco é para convencer os que não pensam como nós, ou para provocar uma série de reuniões e debates insonsos sobre o que nos é proposto refletir em clima do tem que ser. Também “não é um exercício mecânico de recolha de dados” para produzir mais documentos ou para mostrar trabalho. É o “Povo de Deus a caminho, uma sinfonia de diversidades que convergem na unidade para servir ao mundo”. É um “evento de graça”, um "processo de cura conduzido pelo Espírito", “um espaço protegido no qual a Igreja experimenta a ação do Espírito Santo”. E o Espírito Santo “fala através da língua de todas as pessoas que se deixam guiar pelo Deus que surpreende sempre, pelo Deus que revela aos pequeninos aquilo que esconde aos sábios e aos entendidos, pelo Deus que criou a lei e o sábado para o homem e não o contrário, pelo Deus que deixa as noventa e nove ovelhas para ir procurar a única ovelha tresmalhada, pelo Deus que é sempre maior do que as nossas lógicas e cálculos”.
O Sínodo agora em processo, orienta-se pelos princípios de comunhão, participação e missão, e concentra-se no tema da sinodalidade em si mesma. A sinodalidade é parte integrante da Igreja. Deve ser assumida “como forma, como estilo e como estrutura da Igreja”. Esta forma de estar e participar conduz as pessoas “a sonhar com a Igreja que somos chamados a ser, a fazer florescer as esperanças das pessoas, a estimular a confiança, a vendar as feridas, a tecer relações novas e mais profundas, a aprender uns com os outros, a construir pontes, a iluminar mentes, a aquecer corações e a dar força de novo às nossas mãos para a nossa missão comum”.
Neste sentido, a Igreja, que somos todos os batizados, “caminha unida para ler a realidade com os olhos da fé e com o coração de Deus”. Questiona-se “sobre a sua fidelidade ao depósito da fé, que para ela não representa um museu para visitar ou para salvaguardar, mas é uma fonte viva na qual a Igreja se dessedenta para matar a sede e iluminar o depósito da vida”. É o Espírito Santo quem, neste caminho e busca, nos guia, ilumina e faz com que ponhamos diante dos nossos olhos não os nossos pareceres pessoais por mais importantes que possam ser, mas “a fé em Deus, a fidelidade ao magistério, o bem da Igreja, a salvação das almas que é a lei suprema da Igreja”. Por isso, é preciso escutar “Deus, até ouvir, com Ele, o grito do povo”, é preciso escutar o “povo, até respirar, nele, a vontade a que Deus nos chama”. Este foi o caminho que o Povo de Deus sempre percorreu e percorre conjuntamente. Também Jesus se apresentou entre nós como «o caminho, a verdade e a vida» (Jo 14,6), e os cristãos da primeira hora eram chamados «os discípulos do caminho» (cf. At 9,2).
O método do Sínodo, segundo Francisco, só pode ser, de facto, um: abrir-se ao Espírito Santo, com coragem apostólica, com humildade evangélica, com oração confiante. A coragem apostólica “não se deixa amedrontar diante das seduções do mundo”, nem sequer “diante do empedernimento de alguns corações”. A humildade evangélica “sabe esvaziar-se das próprias convicções e preconceitos para ouvir”, sabe que não pode “apontar o dedo contra os outros para os julgar”, sabe dar-lhes a mão “para os ajudar a levantar-se sem nunca se sentir superior a eles”. A oração confiante é a ação do coração que nos silencia “para ouvir a suave voz de Deus que fala no silêncio. Sem ouvir Deus, todas as nossas palavras serão unicamente «palavras» que não saciam nem servem. Sem nos deixarmos guiar pelo Espírito todas as nossas decisões serão apenas «decorações» que em vez de exaltar o Evangelho o encobrem e escondem”.
Esta consulta que nos está confiada pelo Santo Padre, nesta primeira fase destina-se, em toda a Igreja, a cada Diocese e às pessoas de boa vontade que nela residam, mesmo que se sintam ao lado, mas se queiram inserir, dizendo o que têm a dizer para saber como é que este “caminho em conjunto” está a acontecer hoje na nossa Igreja diocesana. E que passos é que o Espírito Santo nos convida a dar para crescermos no nosso “caminhar juntos”.
Caro leitor, mesmo que tenha de esticar os braços e abrir a boca em jeito de ginástica preguiçosa, que tantas vezes sabe bem, com o Papa Francisco pedimos-lhe o favor de tirar as pantufas, saltar do sofá, calçar os sapatos e não ficar à janela a ver passar a banda. Mas, desafiando outros, vir daí para dar a sua cota parte de participação, formando um pequeno grupo de reflexão, por exemplo. Caminhando juntos, é muito mais bonito e proveitoso. Participar, afirma Francisco, é "uma exigência de fé e não de estilo". Não se trata duma “cosmética eclesial”, para mostrar que somos "politicamente corretos", capazes de um certo grau de partilha. Trata-se de uma questão de identidade verdadeiramente eclesial.
Vamos a isso!
Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 15-10-2021.