Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

01.01.21 | asal
A CULTURA DO CUIDADO E O DOM DA PAZ

D. Antonino (2).jpg

 
Ano novo vida nova, para todos e em toda a parte, sem exceção, com muita saúde, alegria e paz! O ano 2020 causou muitos estragos e dissabores. Embora a ciência esteja a indicar a porta de saída a essa coisa a que se deu o nome de Covid-19, é de prever que, enquanto não a obrigarem a fazer as malas e a partir definitivamente, ainda vá continuar a esgotar quem a combate, a fazer perder mais vidas, a forçar a porta para entrar e fazer sofrer, a prejudicar a economia, a cultura, o emprego, a alegria, a liberdade, o convívio, a vida. Todos alimentamos a esperança de que a vacina a consiga vencer e varrer, e que, quem de direito, garanta o acesso de todos à vacina, promovendo a cultura do cuidado por esse mundo além, sem exceção de pessoa e lugar.
Para este primeiro dia do ano, Dia Litúrgico de Santa Maria Mãe de Deus e Dia Mundial da Paz, o Papa Francisco escolheu como tema «a cultura do cuidado como percurso de paz». Entende que a cultura do cuidado, “enquanto compromisso comum, solidário e participativo para proteger e promover a dignidade e o bem de todos, enquanto disposição a interessar-se, a prestar atenção, disposição à compaixão, à reconciliação e à cura, ao respeito mútuo e ao acolhimento recíproco, constitui uma via privilegiada para a construção da paz”. É mais um contributo do Papa “para erradicar a cultura da indiferença, do descarte e do conflito, que hoje muitas vezes parece prevalecer”. Se em todas as tradições religiosas há referências à origem do homem, “à sua relação com o Criador, com a natureza e com os seus semelhantes”, também na Bíblia, desde o início, “já estava contida a convicção atual de que tudo está inter-relacionado e o cuidado autêntico da nossa própria vida e das nossas relações com a natureza é inseparável da fraternidade, da justiça e da fidelidade aos outros», acentua o Papa, para quem “a paz e a violência não podem habitar na mesma morada” e “o auge da compreensão bíblica da justiça se manifesta na forma como uma comunidade trata os mais frágeis no seu seio”.
A própria vida e o ministério de Jesus foram pautados pelo gosto de cuidar e ensinar a cuidar dos outros, sobretudo dos mais frágeis, até culminar na doação de si próprio, por todos, na Cruz. Cumpriu plenamente a missão que o amor do Pai pela humanidade lhe confiou e abriu-nos “o caminho do amor e disse a cada um: ‘Segue-Me! Faz tu também o mesmo’ (cf. Lc 10, 37).
As obras de misericórdia espirituais e corporais e o serviço social da Igreja, que existe desde as origens e tem sido enriquecido ao longo dos tempos, proporcionam “a todas as pessoas de boa vontade um precioso património de princípios, critérios e indicações, donde se pode haurir a ‘gramática’ do cuidado: a promoção da dignidade de toda a pessoa humana, a solidariedade com os pobres e indefesos, a solicitude pelo bem comum e a salvaguarda da criação”.
Além disso, “o conceito de pessoa, que surgiu e amadureceu no cristianismo, ajuda a promover um desenvolvimento plenamente humano. Porque a pessoa exige sempre a relação e não o individualismo, afirma a inclusão e não a exclusão, a dignidade singular, inviolável e não a exploração”. Da dignidade da pessoa “derivam os direitos humanos, bem como os deveres, que recordam, por exemplo, a responsabilidade de acolher e socorrer os pobres, os doentes, os marginalizados, o nosso ‘próximo, vizinho ou distante no espaço e no tempo’.
Francisco fala, pois, de Deus como modelo do cuidado, do cuidado no ministério de Jesus, da cultura do cuidado na vida dos seguidores de Jesus, dos princípios da doutrina social da Igreja como base da cultura do cuidado, do cuidado como promoção da dignidade e dos direitos da pessoa, do cuidado pelo bem comum, do cuidado através da solidariedade, do cuidado e da salvaguarda da criação. E desafia “os responsáveis das Organizações internacionais e dos Governos, dos mundos económico e científico, da comunicação social e das instituições educativas a pegarem nesta ‘bússola’ dos princípios acima lembrados para dar um rumo comum ao processo de globalização, ‘um rumo verdadeiramente humano’. Este rumo “permitiria estimar o valor e a dignidade de cada pessoa, agir conjunta e solidariamente em prol do bem comum, aliviando quantos padecem por causa da pobreza, da doença, da escravidão, da discriminação e dos conflitos”.
Através desta bússola, Francisco encoraja “todos a tornarem-se profetas e testemunhas da cultura do cuidado, a fim de preencher tantas desigualdades sociais”, coisa que só será possível “com um forte e generalizado protagonismo das mulheres na família e em todas as esferas sociais, políticas e institucionais”.
Mas esta bússola dos princípios sociais, necessária para promover a cultura do cuidado, “vale também para as relações entre as nações, que deveriam ser inspiradas pela fraternidade, o respeito mútuo, a solidariedade e a observância do direito internacional”, reafirmando “a proteção e a promoção dos direitos humanos fundamentais, que são inalienáveis, universais e indivisíveis”.
A promoção da cultura do cuidado requer um processo educativo que nasce na família e se prolonga na escola, na universidade, nos meios da comunicação social, no papel das religiões na medida em que transmitem aos fiéis e à sociedade os “valores da solidariedade, do respeito pelas diferenças, do acolhimento e do cuidado dos irmãos mais frágeis”.
Para todos os leitores, ao iniciarmos o Novo Ano, torno presente a bênção da primeira leitura da Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus: “O Senhor te abençoe e proteja. O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e te seja favorável. O Senhor volte para ti os seus olhos e te conceda a paz”.
Que a Sagrada Família de Nazaré proteja todas as famílias e a todas ajude a compreender o verdadeiro valor e beleza da família, o seu caráter sagrado e inviolável, o seu valor como berço da vida e primeira instância educativa na cultura do cuidado, bem como o seu importante papel no âmbito da solidariedade social.
Por iniciativa do Papa Francisco, desde o dia 8 de dezembro passado, Dia da Imaculada Conceição, até 8 de dezembro de 2021, estamos a viver um especial Ano dedicado a São José, comemorando os 150 anos desde que foi proclamado Patrono da Igreja Católica. De 19 de março de 2021, Dia de São José, até 26 de junho de 2022, acumularemos a vivência de um Ano “Família Amoris Laetitia”, para avaliar e continuar a promover a receção da Carta Apostólica Amoris Laetitia, publicada por Francisco há cinco anos.
Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 31-12-2020.

1 comentário

Comentar post