Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

06.06.20 | asal

ATITUDES QUE INTERPELAM E EMPOBRECEM

1.jpg

Admita o amigo leitor que foi convidado para um banquete, um opíparo banquete!... Sei que merece isso e muito mais, até pela paciência que tem manifestado em ler estes meus escritos de perna longa. Sabendo embora que não há almoços grátis - como diz quem sabe!-, suponha que o amigo leitor aceitou o convite para esse tal vitamínico, sentindo-se muito honrado, vindo ele de quem vinha. A contento de todos, marcaram o dia e a hora. Quem o convidou, caprichou na preparação do manjar, colocou na mesa a mais artística toalha de linho mui caprichada por mãozinhas de ouro na arte da renda e do tricô, sacou da cristaleira a melhor baixela, procurou os melhores vinhos, convidou os parentes e amigos para fazer sala, não esqueceu até um pequeno grupo de animação musical. No dia marcado e à hora combinada, janotamente enfardelado, lá aparece, cheio de nove horas por ter sido distinguido por tão respeitado anfitrião. Cumprimenta todos os presentes, puxa conversa de ocasião em aperitivos de acolhimento, e todos se abancam à mesa. O pitéu, do melhor e zelosamente preparado, é servido com todos os requintes, mesuras e protocolos. O amigo leitor, porém, ilustre convidado, já instalado e de guardanapo estendido, aprecia as beldades que o rodeiam e tudo o mais que se passa à sua volta, mas recusa comer, não toca na comida!... Ao notarem o facto, todos se olham, todos estranham, todos se interrogam: será que não gosta? Será que está doente? Será que nos quer ofender? Será que ficou pírulas e já não fecha bem a gaveta? Será que... será que... Ora, isto seria uma atitude muito estranha que, por certo, ninguém faria, mesmo que o ambiente fosse de cortar à faca e a refeição intragável, a dar vontade de chamar pelo gregório...

Já reparou que essa é a atitude que muitos tomam quando participam na Missa? “Felizes os convidados para a Ceia do Senhor”! Tantos quantos se encontram na Assembleia sentem-se felizes, foram convidados, não por um bípede humano qualquer por mais importante que fosse, mas pelo próprio Senhor do Universo, pelo Filho de Deus, por aquele que deu a vida por todos, gratuitamente, por amor, sem passar fatura! Também os membros da Assembleia aceitaram o honroso convite que Ele lhes fez. Também eles marcaram o dia e a hora, geralmente ao Domingo, e apareceram à hora determinada. À chegada, todos se saúdam com alegria e alimentam agradável conversa uns com os outros até se acomodarem à volta da mesa do Altar. O Pão da Vida é colocado sobre a mesa e servido gentilmente. Mas... eis que os felizes convidados não comem!... Será que não gostam deste alimento? Será que estão doentes? Será que querem ofender quem os convidou? Será que endoidaram? Ou será que, na sua indignidade de braço dado com a preguiça, estão à espera que o Senhor diga uma só palavra e faça um milagre? “Senhor, eu não sou digno que entreis em minha morada, mas dizei uma só palavra e serei salvo”.
Não acredito que não gostem do pão eucarístico. Não acredito que queiram ofender quem os convidou. Também não acredito que estejam pírulas. Ficam-nos, então, duas hipóteses: ou estão doentes, ou estão mesmo à espera de um milagre. Isto é: ou estão, de facto, em pecado, ou então, por não quererem mudar de vida, estão à espera que o Senhor diga a tal palavra mágica, sem qualquer esforço da sua parte! Dizem-se indignos na oração que fazem, mas são pretensiosos na vida, querem milagres, querem ser diferentes, reclamam exceção.
No primeiro caso, se estão doentes, devem, na verdade, respeitar a dieta. Ninguém deve comer aquilo que lhe vai agravar o estado de saúde, morrerá mais depressa. Sim, se está espiritualmente doente, em pecado grave, não deverá comungar, seria pior. Deve, sim, alimentar-se do Pão da Palavra para espicaçar a vontade de recuperar a vida saudável. Mas então a Eucaristia não é um remédio para quem está doente? Sim, é, é verdade. A Igreja ensina que a Eucaristia é “o remédio pelo qual somos livres das falhas cotidianas e preservados dos pecados mortais”, e são os doentes que precisam de médico. Mas nem todos os medicamentos são bons para todas as situações de doença. Podem até ser contraproducentes, ter efeitos letais. Medicamentos há, que, para serem tomados, exigem antecipada preparação do organismo, para que, depois, se possam ingerir de forma curativa. Também aqui é o caso, há que antecipar alguns cuidados! Há que reconhecer o pecado e pedir perdão na Reconciliação, para que, depois, pela receção da Eucaristia, se tenha vida e vida em abundância!
No segundo caso, se estão à espera que o Senhor faça um milagre nas suas vidas, a coisa é mais problemática. É verdade que todos somos indignos dessa mesa e desse pão, mas nessa indignidade, temos de fazer a nossa parte. Também é certo que, de quando em vez, acontecem milagres que nos fazem abrir a boca até às orelhas, e agradecemos. No entanto, não é muito provável que o Senhor faça um milagre quando as pessoas, por preguiça, preconceitos ou maleitas autorreferenciais, se acomodam às situações, gerando até escândalo nas comunidades, não fazendo nem querendo fazer o que está ao seu alcance. Por vezes, podem as situações ser difíceis de resolver, irreversíveis até, e com grande desgosto para quem as vive. No entanto, mesmo nesses casos, há sempre um caminho possível a trilhar. A Igreja é mãe, embora não possa aceitar tudo, acolhe a todos e a todos ajuda a caminhar, ainda que não lhes possa dizer o que, nessas circunstâncias, as pessoas gostariam de ouvir. E quem, por consequência da sua situação, se sente impossibilitado de participar na Comunhão, e aceita o que lhe diz a Igreja, pode demonstrar muito mais amor à Eucaristia do que muitos daqueles que lá vão todos os dias.
Também pode haver uma terceira e uma quarta situação que nos interpelam. A primeira, será a daquelas pessoas que, embora sem pecado, tanto lhes faz ir como não ir à Comunhão. E se porventura vão, não pensam bem no que vão fazer, fazem-no de forma indiferente, fria, rotineira, em jeito de maria vai com as outras. Isto se pode constatar, por exemplo, quando, apesar de frequentarem a Comunhão, jamais deixam de fomentar a “cultura” da maledicência, fantasiando, caluniando, espalhando boatos, criando divisões e mal estar nas comunidades, numa espécie de contra apostolado bisbilhoteiro e contagiante no qual o Papa Francisco tanto tem zurzido. A segunda situação, poderá ser a de quem, sabendo que não está em condições de o fazer, sempre que participa na Eucaristia, vai à Sagrada Comunhão, como se de um direito ou de um mero gesto social se tratasse, afrontando a misericórdia do Senhor, prejudicando-se a si próprio e ao testemunho que deve dar.
O Senhor apresentou-se como o Pão da Vida e disse-nos que quem comesse desse pão viveria eternamente e o ressuscitaria no último dia. Prometeu que a pessoa que comesse desse pão, permaneceria nele, em Jesus, e Jesus nele, no comungante. E que assim como o Pai o enviara e ele vivia pelo Pai, também aquele que dele se alimentasse viveria por ele, por Jesus (cf. Jo 6, 48-58). São Paulo, por sua vez, recorda-nos que sempre que comemos desse pão, anunciamos a morte do Senhor, e alerta para que cada um se examine a si próprio antes de comungar, pois aquele que o faz sem discernir o Corpo do Senhor, come a sua própria condenação (cf. 1Cor 11, 26-29).
A Solenidade do Corpo de Deus que iremos celebrar, é uma boa ocasião para cada um de nós se interrogar sobre se a Eucaristia é, para si, na verdade, uma necessidade vital, uma trave mestra e estruturante da sua vida espiritual e da sua atividade apostólica, ou se é outra coisa qualquer, vivida na indiferença. Se, realmente, é importante, então, a própria vida será pautada pelo ensinamento do lava-pés. Dará frutos abundantes e saborosos, todo o mundo beneficiará.

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 05-06-2020.