Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

15.11.19 | asal

SANTARÉM FALARÁ DO QUE POUCO SE FALA

IMG_0590.jpg

 

Depois de Coimbra, Porto, Évora e Viseu, o V Encontro Nacional de Leigos vai ter lugar na cidade de Santarém, em 23 do corrente mês. O Encontro tem como tema «viver a vida, em pleno e até ao fim» e será abordado por uma diversidade de mestres na matéria. Haverá comunicações e reflexões, conversas e testemunhos, workshops, visitas culturais guiadas, concertos de órgão e musical. O pano de fundo do encontro é a Exortação Apostólica ‘Alegrai-vos e Exultai’, do Papa Francisco, sobre a santidade no mundo atual e da qual realço alguns pensamentos. Com essa Exortação, Francisco faz “ressoar mais uma vez o chamamento à santidade” como um caminho para todos, indicando “os seus riscos, desafios e oportunidades”, pois não nos podemos resignar a “uma vida medíocre, superficial e indecisa”. Há um caminho de perfeição para cada um de nós e não faz sentido desencorajar-nos ao contemplar “modelos de santidade” que nos “parecem inatingíveis” ou procurar “imitar algo que não foi pensado” para nós. A santidade não está “reservada apenas àqueles que têm possibilidade de se afastar das ocupações comuns, para dedicar muito tempo à oração. Não é assim. Todos somos chamados a ser santos, vivendo com amor e oferecendo o próprio testemunho nas ocupações de cada dia, onde cada um se encontra. És uma consagrada ou um consagrado? Sê santo, vivendo com alegria a tua doação. Estás casado? Sê santo, amando e cuidando do teu marido ou da tua esposa, como Cristo fez com a Igreja. És um trabalhador? Sê santo, cumprindo com honestidade e competência o teu trabalho ao serviço dos irmãos. És progenitor, avó ou avô? Sê santo, ensinando com paciência as crianças a seguirem Jesus. Estás investido em autoridade? Sê santo, lutando pelo bem comum e renunciando aos teus interesses pessoais". A santidade não tira “forças, nem vida nem alegria. Muito pelo contrário”, “liberta-nos das escravidões e leva-nos a reconhecer a nossa dignidade”. Mas há falsificações da santidade que dão origem “a um elitismo narcisista e autoritário, onde, em vez de evangelizar, se analisam e classificam os demais e, em vez de facilitar o acesso à graça, consomem-se as energias a controlar”. Se falta a humildade, alguém pode sentir-se “superior aos outros por cumprir determinadas normas” ou por ser fiel “a um certo estilo católico”. Ou pode “com as suas explicações”, querer “tornar perfeitamente compreensível toda a fé e todo o Evangelho”. É uma “vaidosa superficialidade” que pretende “reduzir o ensinamento de Jesus a uma lógica fria e dura que procura dominar tudo”. Julgam “um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja, uma Igreja sem povo”. Também “a obsessão pela lei”, “o fascínio de exibir conquistas sociais e políticas” ou “a ostentação no cuidado da liturgia, da doutrina e do prestígio da Igreja” são alguns traços típicos de cristãos que “não se deixam guiar pelo Espírito no caminho do amor”. Às vezes, constata o Papa, “complicamos o Evangelho e tornamo-nos escravos de um esquema”. Quando alguém “tem resposta para todas as perguntas, demonstra que não está no bom caminho e é possível que seja um falso profeta, que usa a religião para seu benefício, ao serviço das próprias lucubrações psicológicas e mentais”. Deus supera-nos infinitamente, e quem “quer tudo claro e seguro, pretende dominar a transcendência de Deus”.
Também há quem entenda que tudo pode “com a vontade humana, como se esta fosse algo puro, perfeito, omnipotente, a que se acrescenta a graça”. No fundo, “a falta de reconhecimento sincero, pesaroso e orante dos nossos limites é que impede a graça de atuar melhor em nós”.
Falando de “uma hierarquia das virtudes” em que “no centro, está a caridade”, o Papa apresenta as Bem-aventuranças como “a carteira de identidade do cristão”. E dá pistas para viver estas recomendações de Jesus nos dias de hoje. Ser santo “não significa revirar os olhos num suposto êxtase”, mas viver Deus por meio do amor aos últimos. Há ideologias que “mutilam o Evangelho”, há cristãos que transformam o cristianismo “numa espécie de ONG”, há quem suspeite “do compromisso social dos outros”.
Francisco considera “indispensáveis” e “particularmente importantes” algumas caraterísticas da santidade no mundo atual, “devido a alguns riscos e limites da cultura de hoje”. São elas: firmeza, paciência e mansidão; alegria e o sentido de humor; audácia e ardor; a comunidade; a oração constante. A construção da santidade “não implica um espírito retraído, tristonho, amargo, melancólico ou um perfil sumido, sem energia. O santo é capaz de viver com alegria e sentido de humor”. Permanece centrado e firme em Deus para “aguentar, suportar as contrariedades, as vicissitudes da vida e também as agressões dos outros, as suas infidelidades e defeitos”. Tem ousadia, impulso evangelizador. Sente-se impelido a sair de si em direção às periferias, não sozinho ou isolado, mas reforçado e apoiado na comunidade e na abertura “à transcendência, que se expressa na oração e na adoração”.
A vida cristã é “uma luta permanente”, uma “luta constante” contra a “mentalidade mundana” que “nos engana, atordoa e torna medíocres” e perante a qual tem de haver verdadeiro discernimento para vivermos as bem-aventuranças e sermos santos.
(Se desejar participar no V Encontro Nacional de Leigos, poderá fazer a sua inscrição online, em cnal.pt).

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 15-11-2019.