Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

12.07.19 | asal

UM BELO SERVIÇO À COMUNIDADE HUMANA

IMG_0590.jpg

 

O Diácono André Beato, de Nisa, Alto Alentejo, vai ser Ordenado Presbítero para esta Diocese de Portalegre-Castelo Branco. É amanhã, na Catedral de Portalegre. Este amanhã é um HOJE feliz para toda a Igreja, para ele, para a sua família, para toda a comunidade diocesana, para o Seminário do Patriarcado de Lisboa, onde ele se formou e a quem estamos imensamente gratos. É um grande Dia de Ação de Graças!... 
Parabéns André! Partilhamos a tua alegria e auguramos-te, com muita esperança, um futuro feliz nesta “comunidade do tornar-se pequenino” no seguimento do Senhor que lavou os pés aos discípulos. Ele serviu com amor e dedicação total, até ao fim, na Cruz, fazendo o bem e perdoando, usando de misericórdia para com todos! E disse-nos: assim como Eu fiz, fazeis vós também...
No mês passado, falando à Ordem Trinitária, o Papa Francisco alertava para um erro no qual facilmente se pode cair. O erro de se pensar, devido à cultura do vazio, do pensamento débil e do relativismo, que as novas gerações não abrem espaço para uma proposta vocacional na fé. Pois, dizia ele, “também hoje há jovens que procuram fervorosamente o sentido pleno da própria vida; jovens que são capazes de dedicação incondicional às grandes causas; jovens que amam apaixonadamente Jesus e demonstram uma enorme compaixão pela humanidade. Há jovens que talvez não falem de significado nem de sentido da vida, mas o que é que pretendem quando procuram com ansiedade a felicidade, o amor, o sucesso, a realização pessoal? Tudo isto faz parte do mundo das aspirações dos nossos jovens, as quais têm necessidade de ser ordenadas, como fez o Criador no início dos tempos, passando do caos para a ordem do cosmo (cf. Gn 1, 1-31)”. 
Sabendo que os jovens não suportam outros métodos que não sejam o de serem protagonistas e “protagonistas em movimento”, é precisamente aqui onde se pode “intervir a fim de ajudar os jovens a harmonizar as suas aspirações, a pô-las em ordem”, referiu o Papa. É o espaço da pastoral juvenil e vocacional, nada fácil, é verdade, mas tão importante quão necessária, sem proselitismos. O mundo dos jovens é o seu mundo, um mundo bonito e cheio de esperança, mas sempre a reclamar nova linguagem e novos métodos para despertar atenção e interesse. A juventude é “um dom que podemos desbaratar inutilmente, ou então que podemos receber agradecidos e vivê-lo em plenitude” (CV134). 
Francisco apontou algumas pistas a ter em conta neste trabalho pastoral, pistas que passo a sintetizar e também se encontram na Exortação Apostólica Cristo Vive, a Exortação final do Sínodo dos Jovens:

1-- A pastoral juvenil e vocacional exige acompanhamento, proximidade. Os jovens querem companheiros de caminho, para procurarem juntos os “poços de água viva” nos quais podem saciar a sede de plenitude que muitos deles sentem. É importante que eles se sintam amados pelo que são, pelo modo como são. Quem trabalha nesta pastoral tem de ser para os jovens como um irmão mais velho com o qual possam falar, no qual possam confiar, que os escute, dialogue com eles, façam discernimento juntos. Alguém que os faça sentir verdadeiramente amados para que lhes possa propor a medida alta do amor: a santidade, um caminho contra a corrente.

2—A pastoral juvenil e vocacional é uma pastoral em saída. É preciso ir ao encontro dos jovens, não só dos próximos, também dos distantes. Não se pode acolher apenas os que vêm ter connosco. Deve-se ir ao encontro dos que se afastaram, acolhê-los tal como são, nunca desprezar os seus limites, apoiá-los e ajudá-los na medida do possível. Encontrando-se com eles, é preciso ouvi-los, chamá-los, despertar o desejo de ir além dos confortos em que descansam. É preciso ter «a coragem, o afeto e a delicadeza necessários para ajudar o outro a reconhecer a verdade e os enganos ou as desculpas».

3—A pastoral juvenil não funciona com esquemas pré-fabricados. Francisco encoraja a caminhar com os jovens, saindo dos esquemas pré-fabricados. Com os jovens é necessário ser perseverante, semear e esperar com paciência que a semente cresça e um dia, quando o Senhor quiser, dê frutos. A nossa tarefa é semear, Deus fará com que cresça e talvez outros colham os frutos. A pastoral juvenil deve ser dinâmica, participativa, alegre, rica de esperança, capaz de arriscar, confiante. E sempre cheia de Deus, que é aquilo de que os jovens mais precisam para preencher os seus anseios de plenitude. Uma pastoral cheia de Jesus, que é o único Caminho que os leva ao Pai, a única Verdade que sacia a sua sede, a única Vida pela qual vale a pena deixar tudo.

4-- E tudo isto para que sejam santos. Esta é a motivação, a força de toda a nossa vida e da nossa ação com os jovens: levá-los a Deus. Diante da tentação da resignação, à pastoral juvenil e vocacional é exigida audácia evangélica para lançar as redes, mesmo que pareça não ser o tempo nem o momento mais oportuno. Face a uma vida sonolenta, adormecida e cansada, é preciso permanecer acordado para poder despertar. É preciso ser profetas de esperança e de novidade, profetas da alegria com a própria vida, sabendo que a melhor pastoral juvenil e vocacional consiste em viver a alegria da própria vocação (cf. Francisco, 15/06/2019).

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 12-07-2019.