Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

EH, PÁ!... COMO A VIDA ESTÁ DIFÍCIL, PÁ!...

1.jpg

 

O texto base duma formação que teve lugar entre nós, recordava a pedagogia das perguntas como pedagogia também de Deus. De facto, Deus, na Sua proximidade e condescendência, usa uma pedagogia insuperável. As perguntas que faz ao homem, embora algumas já venham das origens, são perguntas sempre novas, atuais e atuantes. O homem precisa constantemente de ser alertado e chamado à razão, é frágil, deixa endurecer o coração e mete-se por vielas que não conduzem a bom porto. Lá nos princípios, Deus pergunta pelo homem. Não porque, por descuido ou esquecimento, o tivesse perdido em qualquer festa ou praia deste globo terráqueo ou o tivesse deixado cair por um qualquer buraco negro de alguma galáxia. Mas porque o homem, puxando pelos seus galões e insignificâncias, saiu da casca e sentiu-se perdido no meio das suas ambições de grandeza. “Onde estás?”, perguntou Deus ao homem e o homem respondeu: “Ouvi os Teus passos no jardim: tive medo, porque estou nu, e escondi-me”. Deus continuou: “E quem te disse que estavas nu? Acaso comeste da árvore da qual Eu te tinha proibido comer?” O homem respondeu: “A mulher que me deste por companheira deu-me o fruto, e eu comi”. Deus disse à mulher: “Que fizeste?” A mulher respondeu: “A serpente enganou-me, e eu comi” (Gn 3, 9-13). Infelizmente continua a ser assim. Confiante em si próprio, o homem quase sempre se embandeira e, cheio de nove horas, age mal, transgride, envergonha-se, esconde-se, desculpa-se, culpa os outros, não assume as suas responsabilidades, gera a instabilidade nesta Casa Comum da qual até há quem se julgue dono e senhor, por egoísmo e coisas mais do mesmo saco. Buscando tantas razões sem razão, o homem acaba por sentir “passos” pesados na sua consciência. Com certeza que ao serem expulsos daquele jardim belo e aprazível como cada um o queira imaginar, e sabendo que teriam de aceitar as consequências da sua aventura, com certeza que - embora não conste lá no Livro! -, com certeza que teriam sido os primeiros a dizer um ao outro, de lágrimas nos olhos e a toque da espada flamejante: “Eh, pá!... como a vida está difícil, pá!...”. Se a vida ficou difícil para eles, também não ficou fácil para nós. Também nós vamos penando as passas do Algarve, mesmo que ande por aí gente a dizer que nunca nada esteve tão bem como agora!... Muita coisa melhorou, sim, parabéns por isso e que Deus ajude quem faz o bem sem olhar a quem. Tais melhorias, porém, fazem-nos esticar os olhos e os ouvidos até às periferias que são muitas e diversas e não deixam de continuar a colocar-nos a pergunta: onde está o teu irmão? O que é que lhe fizeste ou deixaste de fazer? (cf. Mt 25, 31-46). Onde está o teu irmão que caluniaste, humilhaste e destruíste, o que abandonaste no lar, no hospital ou na cadeia, o que não tem emprego, nem casa, nem pão, nem dinheiro para pagar a água, a eletricidade, a saúde, a roupa, a educação dos filhos e tudo o mais cuja míngua o conduz à morte lenta e sofrida? “Onde está o teu irmão?” Alguns também responderão: “Não sei. Sou, porventura, o guarda do meu irmão?” Mas Deus insiste: “Que fizeste? Ouço o sangue de teu irmão, clamando da terra por mim...” (Gn 4, 9-10). O homem sem coração, fazendo de conta que nada tem a ver com o outro, fecha-se no seu casulo ou exige só para si, cultiva a inveja e a dor-de-cotovelo, fomenta guerras, constrói muros, sequestra, viola, tortura, trafica, vende pessoas, assalta, explora, escraviza, trafulha, suborna, corrompe, instrumentaliza, sente-se dono, ignora os gritos de migrantes e refugiados, mata em família por indiferença e abandono, por violência, aborto e eutanásia, faz das crianças reféns ou moeda de negócio para satisfazer caprichos de pais ressentidos em acordos de separação... E está tudo bem? Nunca nada como agora? Sim, se nos fizermos surdos ou indiferentes. Mas Deus continua a perguntar-nos: “Onde é que tu estás?” “Por onde é que tu andas?” “O que fizeste?”. E insiste que ouve os gritos dos nossos irmãos a quem até chama pelo nome: “Onde está o teu irmão Abel?”. De facto, os outros incomodam muita gente. Fazem ouvir “passos” pesados naquelas consciências que de jardins belos e floridos já nada têm. Porque acham que a culpa é só e toda dos pobres e miseráveis, dos excluídos e até dos governos, porque se julgam superiores e assumem que isso nunca lhes acontecerá, essa gente sente-se incomodada por aqueles que gritam e reclamam justiça. Mesmo assim, muitos, e sem emenda, esquecendo a economia social e que os outros também são gente, continuam a agir como donos, não desistem de fazer valer e impor a “economia que mata”: diminuem as medidas, aumentam os pesos, viciam as balanças, compram os fracos por dinheiro e os necessitados por um par de sandálias, fazem do direito um veneno e do fruto da justiça um amargor, aceitam subornos e enganam os necessitados (cf. Amós, 5.8). Mas também os que teimam em remar contra essa maré incomodam muito e muita gente, a mesma gente. Já o Livro da Sabedoria aponta este pensar e agir: “Armemos ciladas ao justo, porque nos incomoda e se opõe às nossas obras. Censura-nos as transgressões da Lei e repreende-nos as faltas de educação. Declara ter o conhecimento de Deus e chama-se a si mesmo filho do Senhor. Tornou-se uma censura viva dos nossos pensamentos e até a sua vista nos é insuportável. A sua vida não é como a dos outros e os seus caminhos são muito diferentes. (...) Provemo-lo com ultrajes e torturas, para conhecermos a sua mansidão e apreciemos a sua paciência. Condenemo-lo à morte infame...” (Sab2). 
A história do mundo vai-se desenvolvendo assim, conjugando o poder de Deus, o bem e a maldade dos homens. No entanto, mesmo que o homem perca as estribeiras e se torne lobo do outro homem, Deus não se ressente nem o abandona. Rico em misericórdia, até enviou o Seu Filho para que o homem se direcione de novo e prossiga em paz nos caminhos do bem e da fraternidade. Nesta caminhada, porém, Jesus também nos faz perguntas, muitas perguntas, perguntas claras e diretas. Às portas da Semana Santa em que celebramos a Sua Paixão, Morte e Ressurreição, e na qual muitos irão, por certo, participar, apenas recordo, para mim e para ti que me lês, três dessas perguntas de Jesus que vão ao encontro de saber se verdadeiramente O conhecemos, amamos e Lhe agradecemos: “Quem dizeis que Eu sou?” (Lc 9, 20); “Tu amas-Me?” (Jo 21, 16); “Não foram dez os curados? E os outros nove, onde estão?” (Lc 17, 17-18).

 

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 12-04-2019.

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D