Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

30.03.19 | asal

CAMPANHA ELEITORAL PARA QUÊ?...

1.jpg

Aproxima-se a campanha eleitoral, esse tempo tão necessário quão importante para apresentar programas, esclarecer dúvidas, debater ideias e projetos em prol do bem comum nacional e para espevitar as velas dormentes do castiçal europeu e mundial, o qual, para alumiar a todos, também exige esmero e qualidade, ideias e jeito. É possível que alguém venha por aí, e se estique, a prometer a Lua e os seus arredores, tentando fazer acreditar que a construção do maciço do Everest e de toda a cordilheira dos Himalaias a eles se deve!... A política, porém, no seu pluralismo e variedade legítima de opções, tem arte e nobreza, tem valores e leis próprias que se devem reconhecer, abraçar e respeitar. Participando nesse alegre e rezingado jogo com sentido de responsabilidade, que ganhem os melhores, é o que todos desejamos!

Tiramos o nosso chapéu a quem se dedica à causa pública, a quem aceita e serve dedicadamente a comunidade humana. Sabemos que não é pera doce, causa insónias e dissabores. Não é coisa que se possa abraçar apenas porque dá importância e enche o ego. Cristo, o maior e o mais importante líder de toda a humanidade e de todos os tempos, serviu sem peneiras e contestou quem as tinha. Sempre de pé diante dos homens, serviu com amor e honestidade, atento e sensível lavou os pés aos sofrimentos do mundo que são tantos e tão diversos. Assim como Eu vos fiz, fazei vós também, disse-nos Ele. A missão de bem servir implica humildade, competência e determinação. Exige cadastro limpo e capacidade de ouvir, de perceber o melhor e agir em prol do bem comum. Não se compadece com subserviências perante uns nem com pretensões de proprietários ricos a distribuir esmolas perante outros. As atitudes menos corretas, que sempre as há e saltam de onde menos se espera, provocam a sensação, injustamente generalizada, de que todos são iguais. Sabemos que não é assim, sabemos que essa é uma pequena minoria mesmo que os seus estragos e escândalos sejam de efeitos devastadores e ecoem de forma dolorosa no coração de todos. Embora o cuidado pela construção do bem comum seja da responsabilidade de todos e de cada um, ele fundamenta, de forma muito particular, a existência da comunidade política. É do bem comum que deriva o seu direito natural e próprio, é ele que a justifica e lhe dá significado e sentido (cf. GS75; ChFL42). É o bem comum que a leva a colocar-se ao serviço de todos os homens e do homem todo, da família e da sociedade, em verdadeiro espírito de missão. Só o espírito de serviço humilde é capaz de aliado à necessária competência, tornar transparente e eficaz a atividade de quem se dedica à política. É um poder delegado, um poder exercido à luz dos critérios da justiça e da ética e não na base da força eleitoral ou de interesses pessoais ou de grupos ou de ideologias redutoras da condição humana. 
Quando, porventura, surge o recurso à deslealdade e à mentira, o desperdício dos dinheiros públicos, a corrupção, os jeitinhos e as clientelas, o nepotismo familiar, o uso de meios ambíguos ou ilícitos para, a todo o custo, conquistar, conservar ou aumentar o poder de forma “populista” e pouco ou nada popular, temos o caldo entornado e os bichanos nas filhoses! São tentações que debilitam a consciência e arrastam aos desvios próprios da natureza humana sempre tão frágil, tão ferida e contumaz! Além disso, gera-se a desconfiança, diminui o espírito cívico e participativo da população, não se educa para a cidadania, o povo sente-se prejudicado e desiludido, constata que o bem comum vale menos que os interesses particulares, mesquinhos e egoístas, facilmente percebe a ausência de uma equilibrada hierarquia de valores que tenha em atenção a correta compreensão da dignidade e dos direitos da pessoa, em sociedade (cf. CA47).
A responsabilidade por uma sociedade justa e solidária fundamenta-se na sociabilidade natural e na interdependência das relações sociais a que chamamos solidariedade. Mas a solidariedade não é um sentimento de vaga compaixão pelas pessoas que sofrem. É a determinação firme e perseverante que, de forma digna e justa, leva cada cidadão, cada grupo, cada instituição, cada sindicato ou partido a empenhar-se pelo bem de todos e de cada um, porque todos somos verdadeiramente responsáveis por todos (cf. SRS38). Por isso, ninguém deve abdicar da sua responsabilidade, seja qual for a razão que o possa levar à tentação de o querer fazer. Somos destinatários, sim, mas somos também protagonistas desse serviço à pessoa e à sociedade. E são inumeráveis os graus de participação em formas, níveis, funções, competências, responsabilidades, a começar pelo dever de votar. A tarefa da construção da sociedade tem sempre como principais critérios e objetivos a busca do bem comum, a defesa e a promoção da justiça, como tão bem e largamente nos fala a Doutrina Social da Igreja (cf. ChFL42). 
Bento XVI afirmava que “Quando o empenho pelo bem comum é animado pela caridade, tem uma valência superior à do empenho simplesmente secular e político”. Na verdade, o serviço à causa pública entendido como “alta forma de caridade”, desdobra-se em serviço abnegado à comunidade humana, tem como ponto de honra a opção preferencial pelos mais pobres, procura agir com a maior participação dos cidadãos, busca um verdadeiro crescimento com equidade e inclusão, procura sempre reconstruir o tecido familiar e social com energias de fraternidade. A fraternidade que nos une em Cristo é muito mais do que o reconhecimento da igualdade e duma convivência cívica e solidária entre todos. Se assim não for, esta sociedade “cada vez mais globalizada torna-nos vizinhos, mas não nos faz irmãos” (cf. CV19.78).

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 29-03-2019.