Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

PADRE EM GREVE - IGREJA FECHADA

1.jpg

Na Revista IHU on-line da página web do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, vem publicado, em 7 deste mês de dezembro, um artigo sob o título: Paróquia italiana anuncia que fechará no Natal: ''Jesus, migrante dos migrantes, foi rejeitado na nossa fronteira''. Aí se dá conta que o Pároco da Igreja de San Torpete, em Gênova, Itália, por “objeção de consciência”, irá fechar as portas da igreja desde o dia 24 de dezembro a 5 de janeiro de 2019. Para além da conivência dos cristãos num Natal sem Cristo, a causa última que lhe fez saltar a tampa foi o decreto do ministro do Interior italiano, sobre a questão migratória. O Pe. Paolo Farinella faz “greve” porque o governo e o Parlamento italianos, “no silêncio total dos católicos e dos cristãos, às vésperas do Natal, expulsa da Itália aquele Jesus de Nazaré do qual se gostaria de celebrar o nascimento”.

Depois de fazer o enquadramento histórico da paróquia, Farinella refere a paróquia de San Torpete como “um lugar de espiritualidade, de poesia, de cultura, de música e de política com o seu foco na Eucaristia dominical, frequentada por pessoas de outros bairros da cidade e de fora de Gênova”. Como “paróquia sem paroquianos”, San Torpete “tornou-se a paróquia da diáspora dos peregrinos nómadas”. E mais refere: “O Natal não é mais o Natal cristão: não é mais “memória” do nascimento de Jesus, mas um cínico fato comercial, misturado com ritos e liturgias repetitivos, “mercadorias à venda” no pagão “espírito de Natal”, sequestrado pelo mercado neocapitalista. Os católicos, de fato, não acreditam que o Natal seja a consciência da “proximidade de Deus” para construir uma nova humanidade universal. Eles se contentam, culpavelmente, com a fabulazinha inócua do presépio, que, entre gansos, animais, artesanatos, bonecos e mecanismos de engenharia hidráulica, faz do “mistério fundamental da fé cristã”, a Encarnação do Lógos-Verbum-Palavra, um instrumento de alienação em benefício de crianças e adultos infantis, que, embora batizados, só entram em uma igreja nessa ocasião. Turistas do religioso folclórico. O “clima de bondade” domina o tempo natalício, entre papais-noéis, bois, burros, bruxas e gaitas de foles, tanto que os jornais (como Il Secolo XIX do sábado, 1º de dezembro), falam de “espírito de Natal”, referindo-se às perspetivas de comércio e de vendas. O “mistério do Deus que vem” se reduz a uma religião civil e pagã, ocasião de circunstância da qual Deus é excluído e expulso. As luzes das ruas indicam as “lojas” como grutas de Belém, com os anjos adorando a mercadoria exposta à venda, marcada por uma estrela piscante. Os cristãos são cúmplices da degradação do Natal, porque a memória do nascimento de Jesus não tem nada a ver com esse Natal, transformado em saga camponesa de montanhas de presentes e presépios, enquanto, ao lado, “os pobres Cristos” morrem de fome e de frio no mar, nos bordéis da Líbia, pagos pela Itália, que fomenta as guerras com o imundo comércio de armas, do qual obtém lucros ilícitos. A comida é jogada fora, enquanto, nas mesmas ruas, “Jesus, o migrante dos migrantes”, morre de fome e de frio ao canto de “Tu scendi dalle stelle al freddo e al gelo” [Tu desces das estrelas ao frio e ao gelo”].
Em 2018, não se pode celebrar o Natal também por “objeção de consciência” ao Decreto-Lei n. 113/2018, despudoradamente conhecido como “decreto de segurança”, embora seja um decreto de insegurança máxima e de afronta aos valores e aos sentimentos mais profundos da Democracia e do Direito. Por trás de palavras bombásticas, confusas e imorais, esconde-se a vontade determinada de atacar “os Migrantes”, justamente às vésperas daquele Natal que celebra o nascimento de Jesus, migrante perseguido pela polícia de Herodes, que fugiu da perseguição, que foi acolhido no Egito e que voltou a se estabelecer em Nazaré, depois de uma viagem alucinante e perigosa através do deserto de Neguev. Tudo isso ocorre no silêncio cúmplice de um mundo católico que exalta um ministro que balança um presépio de plástico, que sacode um evangelho falso e ilude com o terço nas mãos, sem provocar um regurgito de vômito dos chamados católicos de salão. O Papa Francisco os chama de “cristãos de pastelaria”. Neste ano de 2018, se Jesus, com Maria e José, se apresentasse entre nós para celebrar o seu nascimento, com o decreto imundo de Salvini, ele seria detido na fronteira e enviado de volta por ser um migrante económico, por não ter uma permissão de residência e porque na Palestina há uma guerra “velha” desde 1948. Exaltando Salvini, homem inculto, sem qualquer senso do Estado e do Direito, os católicos são cúmplices de crimes de lesa humanidade e de “deicídio”, porque, cada vez que se comete um erro no plano do Direito contra a pessoa do pobre, faz-se isso diretamente contra Jesus na carne viva dos migrantes.
Com que direito cristãos podem pretender celebrar o Natal daquele Jesus que o seu país, sem qualquer resistência ou protesto deles, expulsa o Homem no Filho de Deus?
A poucos dias da aprovação dessa lei com o voto positivo do senhor [Luigi] Di Maio [vice-primeiro-ministro italiano], que se deixa fotografar ao beijar o sangue de São Januário (pobre dele!), como é possível abrir as igrejas e se entreter com canções de ninar, “Tu scendi dalle stelle”, cantos gregorianos, presépios infames, quando, do lado de fora, o verdadeiro Cristo é ofendido, torturado, estuprado, vilipendiado, vendido, esbofeteado, morto, como o “Homem das Dores” do profeta Isaías? (Is 53).
O “decreto Salvini” é inconstitucional, e “primeiro os italianos” é um opróbrio jurídico que rasga séculos de conquistas da civilização jurídica. Enquanto esperamos a decisão da Suprema Corte que não chegará antes de dois anos, o Direito definha, a Democracia está ferida, a Constituição, dilacerada, e os cristãos... não têm vergonha de assistir e de ser coniventes com esse massacre contra cada “homem que vem a este mundo”. Só nos resta assumir o único gesto de dignidade que sobrou: a nossa consciência oposta como bastião de objeção total com ato público, radical, disruptivo e inequívoco: a Igreja de San Torpete em Gênova ficará fechada, porque um Natal sem Cristo, um Natal sem Deus é um Natal sem Homem.
Que a igreja, fechada por fracasso, possa estimular o pensamento e a reflexão dos fiéis e daqueles que têm consciência de que o Natal é “Deus-connosco-Emmanuel”. As celebrações serão retomadas com a Epifania (6 de janeiro de 2019), a “manifestação do Senhor aos povos do mundo”, festa de universalidade sem fronteiras, realizada por “uma grande multidão, que ninguém podia contar: gente de todas as nações, tribos, povos e línguas” (Ap 7, 9). Não celebrem o meu nascimento – diz Jesus – porque Eu-sou desde sempre. Em vez disso, celebrem o renascimento de vocês como criaturas novas: convertam-se e voltem ao Evangelho (Mc 1, 15)”.
……
Esta atitude sacode-nos, convida-nos a acordar. Também nós precisamos de nos centralizar no que é importante, tornando-nos mais fraternos e solidários. Não podemos ser coniventes na degradação do Natal do Senhor e na banalização das suas consequências, tanto na vida pessoal e familiar, como na vida profissional e social!...

Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 14-12-2018.

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D