Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

SAIR... PROPOR... CONFIAR!

1.jpg

 

Com as iniciativas que as instâncias próprias acharem por bem levar a cabo, vamos viver, de 11 a 18 deste mês de novembro, a Semana Nacional dos Seminários, sob o lema “Formar discípulos missionários”. Ao longo da história, sempre houve gente livre, disponível e pronta para continuar a obra de Jesus, com entusiasmo feliz e empenhado. Por isso mesmo, nunca faltou à evangelização a capacidade de contornar as dificuldades, os solavancos e os caprichos de cada tempo. Os tempos e as circunstâncias mudam, é verdade, mas a juventude também é fruto de cada tempo e das suas circunstâncias. Sempre houve e haverá gente com muita garra, com muita genica e generosa dedicação à primeira das principais causas do bem comum. Nem sempre, mas regra geral, o primeiro passo para abraçar o gosto pela evangelização dá-se no seio das famílias, dos movimentos, das instituições, das comunidades, dos serviços e dos grupos de ação cristã. Sim, é aí, onde existe uma intensa vida fraterna, onde há caminhos exigentes de espiritualidade e oração, de valorização da Palavra de Deus, de dinâmica sacramental, de experiências de serviço sobretudo aos pobres e de estímulo ao protagonismo juvenil, é aí que se encontram as grandes oportunidades para fazer um caminho mais forte de aproximação à fé e às necessidades da Igreja e do mundo. Se verdadeiramente acompanhados, muitos jovens direcionam melhor as antenas para captar as ondas do Espírito e as surpresas de Deus, interpretam com outra sabedoria os sinais dos tempos e os da própria vida e decidem marcar a diferença fazendo opções de maior exigência. A pastoral vocacional, de braço dado com a pastoral juvenil, é a alma de qualquer evangelização e de qualquer pastoral. As diferentes vocações eclesiais são expressões por meio das quais a vocação batismal se torna um verdadeiro sinal do Evangelho no seio das comunidades, são formas de seguir e testemunhar Jesus, fazem parte da natureza missionária da Igreja.
Quando existe a cultura da oração pessoal e comunitária, quando se vive verdadeiramente inserido na comunidade cristã ou noutros ambientes de fé, quando há uma pastoral vocacional de qualidade, mais facilmente alguém perceberá o Senhor a tocar-lhe no ombro e a segredar-lhe, com ternura, aos ouvidos do coração: - Escuta... Eu estou à porta e bato… vem... segue-Me! - Este convite de Jesus, se é dirigido a todos e a cada um dos batizados, sempre há, como sempre houve, quem o ouça e deseje viver de uma forma mais radical no ministério ordenado ou na vida consagrada. Os jovens, que são a paz em movimento, continuam a ser “revolucionários”, criativos e generosos como sempre o foram. E se são imprescindíveis para o rejuvenescimento dos dinamismos sociais, não o são menos para rejuvenescer o rosto belo da Igreja. Ora, como cireneus desta caminhada de formação dos que aceitam este desafio do Senhor, estão, de facto, os Seminários, não os edifícios, claro, embora também façam falta, mas as comunidades educativas. Nesta Semana dos Seminários, temos muito presente quem neles dedica a sua vida à formação dos alunos, os alunos que os frequentam, as suas famílias, os colaboradores, as comunidades paroquiais, e os benfeitores que rezam, estimulam e partilham os seus bens com os custos inerentes à formação de quem se prepara. 
Sem insinuar visões redutoras ou erradas sobre o ministério ordenado, todo o processo educativo para o sacerdócio ministerial procura acompanhar e ajudar os candidatos a que, em total liberdade, possam reconhecer o amor gratuito de Deus e formar o próprio coração à imagem do coração de Cristo, o Bom Pastor. Ele não veio para ser servido, mas para servir, comoveu-se diante das necessidades humanas, foi à procura das ovelhas perdidas, ofereceu a Sua vida por elas. Neste delicado processo formativo, processo que há de continuar presente em toda a vida dos sacerdotes quer na obediência apostólica profundamente inserida na unidade do presbitério e disponível para as necessidades e exigências do povo de Deus, quer na pobreza evangélica em vida simples e austera, quer em castidade no celibato como dom de si em Cristo e com Cristo à Sua Igreja (cf. PdV28-30), neste delicado processo formativo, dizia eu, há, pelo menos, quatro dimensões que interagem simultaneamente: a dimensão humana, que representa a base necessária e dinâmica de toda a vida sacerdotal; a dimensão espiritual, que contribui para caraterizar a qualidade do ministério sacerdotal; a dimensão intelectual, que oferece os necessários instrumentos para compreender os valores próprios do que é ser-se pastor; a dimensão pastoral, que habilita a um serviço eclesial responsável e profícuo (cf. RFIS89). Para que tudo resulte bem neste período transitório mas decisivo para o futuro, não é tempo de acentuar muito aquilo que, mais tarde, se virá a fazer, isto é, a tarefa evangelizadora, embora seja critério de qualidade a ter em conta que haja entusiasmo por ela como pessoas enamoradas por Cristo. Este tempo, o tempo do Seminário, deve ser sentido e vivido sobretudo como um tempo de sério e verdadeiro crescimento pessoal, a todos os níveis da formação integral, para, depois, enfrentar a vida e a missão com responsabilidade e protagonismo saudável e contagiante, gerando vida e esperança. O mundo é exigente, competitivo e complexo, exige humildade e saber dialogar com a cultura e a diversidade de forma competente e aberta, exige coerência de vida e tantas vezes saber perder para ganhar. Só «evangelizadores com espírito» testemunharão, na alegria do Evangelho, a santidade e a misericórdia de Deus.
Embora sabendo que “o principal agente da formação sacerdotal é a Santíssima Trindade, que plasma cada seminarista segundo o desígnio do Pai, seja através da presença de Cristo na sua Palavra, nos sacramentos e nos irmãos da comunidade, seja através da multiforme ação do Espírito Santo” (RFIS125), sabendo isso, não podemos terminar sem deixar uma palavra de muita gratidão e da maior estima para toda a comunidade académica, sim, mas sobretudo para a Equipa de Formadores de cada um dos Seminários de Portugal que colaboram e testemunham os valores próprios do ministério nesta delicada missão da formação sacerdotal.

Antonino Dias 
09-11-2018

Mais sobre mim

foto do autor

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D