Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

1.jpg

 “PORTUGAL, CONVOCO-TE PARA A MISSÃO”

 

Neste Ano Missionário, sabe bem recordar o desafio que o saudoso Papa São João Paulo II, em 10 de maio de 1991, na cerimónia das boas-vindas no aeroporto da Portela, a todos nos lançou. Depois de ter manifestado a sua alegria por poder visitar outras regiões do país, sobretudo as regiões autónomas, “descobertas e povoadas pelo génio dos navegadores portugueses que levaram consigo a Luz do Evangelho que iluminou os sonhos, as experiências e as iniciativas das gerações passadas”, depois de ter afirmado que, de facto, “é no trabalho, na solidariedade, na fidelidade às leis do sangue e da graça, que os Povos avançam e tanto mais se desenvolverão na harmonia e na paz, quanto mais cultivarem os grandes valores em que foram educados”, depois disso, São João Paulo II, com aquela energia e entusiasmo que lhe eram tão próprios, a todos desafiou: “Portugal, convoco-te para a missão”. E disse porquê: “Portugal nasceu cristão! As sucessivas gerações dos vossos maiores buscaram no Evangelho a inspiração para as suas vidas e legaram-vos esta cultura constantemente enriquecida pelo cruzamento da fé cristã com as várias populações que fizeram a história da Europa e do Mundo. Queira Deus que (…) a vossa existência pessoal, familiar e social se deixe renovar pela força da Verdade e dos ideais superiores que tornam ilustre uma Nação”. E continuou: “Um dia, Portugal foi púlpito da Boa Nova de Jesus Cristo para o mundo, levada para longe em frágeis caravelas por arautos impelidos pelo sopro do Espírito. Hoje venho aqui para, da mesma tribuna, convocar todo o Povo de Deus à evangelização do mundo, tanto no sentido de se conformarem cada vez mais com o Senhor aqueles que já O conhecem, como também de levarem o Primeiro Anúncio às multidões inumeráveis de homens e mulheres que ainda desconhecem a salvação de Cristo (...) Se não podeis ser felizes longe de Deus, tão-pouco o sereis longe dos homens. Que cada um de vós se torne hoje testemunha audaz do Evangelho de Jesus Cristo, ao encontro de tantas vidas famintas de Deus! Portugal, convoco-te para a missão”
Muitos homens e mulheres, muitos jovens, rapazes e raparigas desta terra de Santa Maria, iluminados pelo cristianismo, encontraram e continuam a encontrar na fé o fundamento dos seus sonhos e a força para viver com alegria a própria responsabilidade pelo mundo sentindo-se atraídos e enviados a anunciar a Boa Nova, dando a todos razões da sua esperança, escrevendo páginas gloriosas da nossa história e ajudando a construir a história de tantos outros.
Quanto mais o homem busca a felicidade longe de Deus, tanto mais afastado dela fica e mais sede dela tem. As fontes que tantas vezes procura para matar essa sede, se, porventura, lhe dão momentos de alegria, êxito e glória, não o satisfazem plenamente, nada preenche o vazio de Deus, nada. Santo Agostinho dá-nos bem conta dessa tensão interior que ele próprio viveu: “Tarde Vos amei, ó beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei! Vós estáveis dentro de mim, mas eu estava fora, e fora de mim Vos procurava; com o meu espírito deformado, precipitava-me sobre as coisas formosas que criastes. Estáveis comigo e eu não estava convosco. Retinha-me longe de Vós aquilo que não existiria se não existisse em Vós. Chamastes, chamastes e rompestes a minha surdez. Brilhastes, resplandecestes e dissipastes a minha cegueira. Exalastes sobre mim o vosso perfume: aspirei-o profundamente e agora suspiro por vós. Saboreei-Vos e agora tenho fome e sede de Vós. Tocastes-me e agora desejo ardentemente a vossa paz”.
De facto, sem Deus não sabemos bem para onde ir nem o que somos. Ora, sendo a Boa Nova “o mais simples e o mais comovente anúncio de que a Igreja é devedora ao homem” (ChFL34), os cristãos não podem deixar de ser sal da terra e luz do mundo, fazendo com que a proposta do Evangelho se torne lugar de encontro com a pessoa e a obra de Jesus, é por Jesus que todos esperam. Bento XVI recordava-nos, em Fátima, em 2010, que os tempos que vivemos exigem um novo vigor missionário dos cristãos, exige “um laicado maduro, identificado com a Igreja, solidário com a complexa transformação do mundo”, pois há necessidade de “verdadeiras testemunhas de Jesus Cristo, sobretudo nos meios humanos onde o silêncio da fé é mais amplo e profundo (…). Em tais âmbitos, não faltam crentes envergonhados que dão as mãos ao secularismo, construtor de barreiras à inspiração cristã”. E aos cultores do Pensamento, da Ciência e da Arte, também Bento XVI fez um confiante apelo: “Vós, obreiros da cultura em todas as suas formas, fazedores do pensamento e da opinião, tendes, graças ao vosso talento, a possibilidade de falar ao coração da humanidade, de tocar a sensibilidade individual e coletiva, de suscitar sonhos e esperanças, de ampliar os horizontes do conhecimento e do empenho humano (…) não tenhais medo de vos confrontar com a fonte primeira e última da beleza, de dialogar com os crentes, com quem, como vós, se sente peregrino no mundo e na história rumo à Beleza infinita”.
Ainda a cantar a glória e a felicidade de Todos os Santos que “gozam em Deus a serenidade da vida imortal”, ainda a viver o Dia dos Fiéis Defuntos que vivem na purificação a preparar-se para a visão de Deus, damos graças a Deus por todos eles e lembramos, de uma forma muito especial, todos quantos nos transmitiram a fé e todos aqueles e aquelas que em Portugal, através dos tempos, se sentiram convocados para a missão, aceitaram o desafio de ir e ensinar, deixaram tudo e partiram por esse mundo fora, com alegria e esperança, lançando-se nesta feliz aventura de levar a Boa Nova às pessoas de boa vontade.

Antonino Dias

Mais sobre mim

foto do autor

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D