Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

1.jpg

NUNCA ELE JOGOU A TOALHA AO CHÃO!...

 

O Papa de há cem anos, Bento XV, com a Carta Apostólica “Maximum Illud”, de 30 de novembro de 1919, quis recordar que a missão de evangelizar é de todos os batizados, de todos, sem exceção. O Concílio Vaticano II veio reiterar e acentuar esse princípio. O magistério da Igreja não se tem cansado de o reafirmar como verdadeiro desafio para todos e cada um. E tantos e tantas que ao longo da história, com alegria, entusiasmo e coragem, foram incansáveis em levar o Evangelho às pessoas porque, na verdade, entenderam que “Jesus Cristo, é o anúncio essencial, o mais belo, mais importante, mais atraente e, ao mesmo tempo, o mais necessário” (EG 127).

Hoje, refere o Papa Francisco, há quem se console em dizer que essa tarefa é mais difícil. Logo recorda, porém, que o contexto do Império romano também não era favorável ao anúncio do Evangelho, nem à luta pela justiça, nem à defesa da dignidade humana. “Em cada momento da história, estão presentes a fraqueza humana, a busca doentia de si mesmo, a comodidade egoísta e, enfim, a concupiscência que nos arrasta a todos. Isto está sempre presente, sob uma roupagem ou outra; deriva mais da limitação humana que das circunstâncias. Por isso, não digamos que hoje é mais difícil; é diferente. Em vez disso, aprendamos com os santos que nos precederam e enfrentaram as dificuldades próprias do seu tempo” (EG263). 
Mas o que é certo é que nem todos enfrentamos a vida de igual forma mesmo que os tempos sejam os mesmos. Somos diferentes, diferentes nas circunstâncias e nas motivações, no ser e agir. Se é verdade que encontramos muitos cristãos com o entusiasmo feliz e contagiante da primeira hora, humildes e persistentes, mesmo com o sacrifício da própria vida, também é certo que há outros que logo ficam desiludidos com a realidade, com as instituições, com os outros, consigo próprios. Deixam-se cair num certo “pragmatismo cinzento da vida quotidiana” onde tudo parece correr dentro da normalidade, mas não corre: “a fé vai-se deteriorando e degenerando na mesquinhez”. Desenvolve-se “a psicologia do túmulo, que pouco a pouco transforma os cristãos em múmias de museu” (cf. EG83). Acentua-se “o individualismo, uma crise de identidade e um declínio de fervor” (cf. EG78). Deixam transparecer que perderam, esmoreceu ou nunca tiveram um verdadeiro sentido “de pertença cordial à Igreja”. Não se colocam em saída, não frequentam, não falam, não educam, não testemunham, não se envolvem, criticam quem o faz, tornam-se pessoas sem entusiasmo, queixosas, ressentidas e, não raro, transformam-se em “profetas da desgraça”, avinagradas, azedas, reclamando sempre exceções e todos os direitos sem se obrigarem a quaisquer deveres. Quando falam da Igreja, falam como se elas o não fossem. Excluindo-se, arvoram-se em juízes tendenciosos que só olham fragilidades. Julgando-se impecáveis, passam o tempo a condenar e a distribuir culpas pelo que acontece de menos bom. Amuados numa espécie de “tristeza melosa”, quando não fingida, esquecem-se que a história é um acontecimento de liberdade e que, por isso mesmo, é que ela é bonita e desafiadora. É urgente, sem dúvida, uma nova cultura eclesial. Não uniformizada, mas unida na esperança e na extraordinária riqueza da sua diversidade. Uma cultura eclesial que não dispense a formação humana que tantas vezes falta, mas se apoie sobretudo na força do Evangelho, no encontro pessoal com a pessoa de Jesus Cristo e, n’Ele, com Ele e como Ele, com os outros. Apesar de sabermos que a tarefa da evangelização “implica movimento e comunicação, requer tempo, formação, inteligência, entranhas, mãos e coração” (CEP, CP, Como Eu…, 2010, 3), só ela será capaz de fazer “superar a tentação frequente que se esconde por detrás de cada introversão eclesial, de todo o fechamento autorreferencial nas próprias fronteiras seguras, de qualquer forma de pessimismo pastoral, de toda a estéril nostalgia do passado, para, em vez disso, nos abrirmos à jubilosa novidade do Evangelho”. 
Para comemorar o centenário da referida Carta Apostólica, o Papa Francisco proclamou, para toda a Igreja, o mês de outubro de 2019 como um “Mês Missionário Extraordinário”. O objetivo principal é despertar uma maior consciência da missão ad gentes e dar novo impulso missionário à vida de cada cristão e das comunidades e à própria pastoral. Evangelizar constitui a graça e a vocação própria da Igreja, a sua identidade, a sua primeira tarefa, a primeira de todas as suas causas, o seu primeiro serviço a prestar ao homem e à humanidade. E a Igreja somos nós. Cada um de nós, pelo Batismo, é Igreja, é missão.
A Conferência Episcopal Portuguesa, numa Nota Pastoral sob o título “Todos, Tudo e Sempre em Missão”, datada de maio passado, acolhe com alegria esta proposta do Santo Padre e propõe que esse Mês Missionário Extraordinário seja celebrado como etapa final de um Ano Missionário com início neste mês de outubro que já estamos a viver. No centro desta iniciativa, estão a oração, o testemunho e a reflexão sobre a centralidade da missão como estado permanente do ir “por todo o mundo”, “a todas as gentes”, com eficácia nos “sinais” que a acompanham. Esta missão, porém, realiza-se a partir da experiência do Ressuscitado e pela ação do Seu Espírito: Ele confia em nós, Ele está connosco, Ele vai à nossa frente nesta missão que “parte do coração”, dirige-se ao coração, são “os corações os verdadeiros destinatários da atividade missionária”. São João Paulo II afirmava que esta missão de Cristo confiada à Igreja, “está ainda longe do seu pleno cumprimento (…) está ainda no começo” (RM1-2). Por isso, é necessário “conservar o fervor do espírito e a suave e reconfortante alegria de evangelizar, mesmo quando for preciso semear com lágrimas…” (EN80). Só pela força do Evangelho se mudarão “os critérios de julgar, os valores que contam, os centros de interesse, as linhas de pensamento, as fontes inspiradoras e os modelos de vida da humanidade que se apresentam em contraste com a Palavra de Deus e com o desígnio da salvação” (Id.19).
Assim, a todos e a cada um de nós os batizados, sejam quais forem as suas circunstâncias existenciais, o Papa Francisco deixa-nos um feliz desafio na sua Mensagem para o Dia Mundial das Missões a celebrar no dia 21 deste mês. A nível diocesano, celebrá-lo-emos no dia 20, sábado, com concentração na vila do Sardoal, com programa já anunciado e aberto a quem queira participar. Diz-nos ele, o Papa Francisco, a mim e a ti: “Na escola dos santos, que nos abrem para os vastos horizontes de Deus, convido-vos a perguntar a vós mesmos em cada circunstância: “Que faria Cristo no meu lugar?”.

Antonino Dias
Portalegre, 05-10-2018

Mais sobre mim

foto do autor

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D