Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

1.jpg

 BACAMARTES CARABINAS DRAGAS OBUSES MÍSSEIS…

 

A Sagrada Escritura fala muitas vezes da necessidade da oração. E há muitas formas de oração, pessoal e comunitária: oração de bênção, de adoração, de súplica, de intercessão, de ação de graças, de contemplação, de louvor... Jesus rezava e aconselhou a rezar. Contou-nos parábolas sobre o dever de rezar sem desfalecer. Apresentou-nos a fé, a humildade, a persistência e a confiança filial como caraterísticas essenciais da oração. Ao ensinar-nos o Pai-Nosso, apontou-nos como primeira preocupação a ter na oração a de rezar para que o nome do nosso Pai do Céu seja santificado, o Seu Reino venha a nós e a Sua vontade se faça. Ensinou-nos a pedir, em seguida, o Pão nosso de cada dia, a perdoar para que sejamos perdoados, a pedir-Lhe que não nos deixe cair em tentação e nos livre do mal. 
Mais: Jesus rezou por nós! Sim, rezou por nós. Rezou por Pedro, para que a sua fé não desfalecesse. Rezou por todos quantos haviam de acreditar n’Ele através da Sua Palavra. Rezou para que todos permanecêssemos unidos como um só, como Ele e o Pai são um só. Rezou e manifestou o Seu amor dando a vida, oferecendo-se por todos, quer acreditem ou não, quer nunca O tenham conhecido ou nem sequer tenham ouvido falar d’Ele. Tenham esta ou aquela fé, esta ou aquela religião, quer vivam, em consciência, apoiados na sua crença ou não, sejam sábios ou ignorantes, pertençam à raça a que pertencerem e seja qual for a sua cultura ou língua. Ele morreu por todos: “Não existe outro nome dado aos homens pelo qual possamos ser salvos” (At 4, 12). “Quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor” (Rom 14,8), “n’Ele vivemos, nos movemos e existimos” (At 17, 27-28).
Jesus, que rezou por nós, também nos disse: “se pedirdes alguma coisa a Meu Pai em Meu nome, Ele vo-la concederá. Até agora não pedistes nada em Meu nome: pedi e recebereis, para que a vossa alegria seja completa” (Jo 16, 23-24).
Na verdade, Jesus nunca se fez rogado. Foi muitas vezes abordado por gente que lhe vinha pedir ajuda em favor deles mesmos ou de outros. Nunca disse um não a quem quer que fosse que d’Ele se abeirasse com esses propósitos: mães, pais, irmãos, patrões, amigos … a todos acolhe e atende. E foi-nos claro: “Eu vos digo: pedi e ser-vos-á dado! Procurai e encontrareis! Batei e abrir-se-vos-á a porta! Pois, todo aquele que pede, recebe; quem procura, acha; e a quem bate, a porta será aberta. Será que alguém de vós que é pai, se o filho lhe pede um peixe lhe dá uma cobra? Ou ainda: se pede um ovo, será que lhe vai dar um escorpião? Se vós que sois maus, sabeis dar coisas boas aos filhos, quanto mais o Pai do Céu! Ele dará o Espírito Santo àqueles que Lh’O pedirem” (Lc 11, 9-13).
Dirá alguém: ora ora, eu que tanto rezo, nunca sou ouvido!... Será que sim?.... 
Nós, que somos maus, não damos uma cobra a quem nos pede peixe. Não damos um escorpião a quem nos pede um ovo. Nem uma faca ou uma pistola a uma criança que a vê em cima da mesa. Não, não fazemos isso, mesmo que a criança chore todo dia e se pendure em nós. Porquê? Porque amamos a criança. Sabemos que se lhe dermos isso, ela pode aleijar-se ou matar-se! Se nós, que somos maus, não fazemos isso, quanto mais o Pai do Céu que nos ama e é infinitamente bom! 
Não será que Deus não nos atende porque passamos a vida a pedir-Lhe facas, pistolas, carabinas, mísseis, euromilhões, exceções, privilégios…? Coisas que se Deus no-las desse seriam – quem sabe? -, para nossa ruína ou ruína dos outros? … Jesus acentuou: “Buscai, em primeiro lugar, o Reino de Deus e a Sua justiça e tudo o mais vos será dado por acréscimo” (cf. Mt 6,33). Sim, a boa oração não é egoísta, não é autorreferencial, não tem como prioridade os acréscimos. Procura a glória de Deus, a conversão própria e alheia. Compromete-nos na construção da santidade sobre o alicerce firme ou pedra angular que é Cristo, no meio de alegrias e tristezas, de êxitos e fracassos. Não se começa uma casa pelo telhado…
Naquela noite em que Judas vinha ao seu encontro para O entregar, Jesus, numa angústia tal que chegou a suar sangue, pediu ao Pai, ao Pai que sempre O ouvia (cf. Jo 11, 42), que o livrasse daquela hora. Ia ser traído, preso, torturado, condenado à morte. Mas logo acrescenta: No entanto, ó Pai, não se faça a Minha vontade, mas a Tua (cf. Lc 22, 42).
Pedir o que devemos pedir como Jesus nos ensinou, com humildade, confiança e persistência, não encaprichar quando nos parece que não somos ouvidos e estar abertos à vontade de Deus, é a verdadeira atitude da pessoa crente e orante, identificada com Cristo. Os planos de Deus não são os nossos planos, a Sua lógica não é a nossa lógica.

Antonino Dias 
Portalegre, 29-06-2018.

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D