Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Palavra do Sr. Bispo

E um dos temas são os recasados...1.jpg

 

RESPONDER E CRESCER COM ALEGRIA E ESPERANÇA

 

Após a III Assembleia Extraordinária, em outubro de 2014, e a XIV Assembleia Geral Ordinária, em outubro de 2015, do Sínodo convocado pelo Papa Francisco para tratar das situações que hoje afetam a família e desafiam a evangelização, fomos presenteados com a Exortação Apostólica Amoris Laetitia. Sem a pôr de parte, este Documento não trata tanto da doutrina sobre o matrimónio e a família. Propõe-se, isso sim, tratar de quatro pontos considerados urgentes na missão pastoral da Igreja, tendo sempre presente que a família não é um ideal abstrato, mas uma tarefa artesanal. É uma mensagem de fé e de esperança num tempo em que se tornou algo complexo comprometer-se na vida familiar. Os quatro pontos aí apontados são: a preparação para o matrimónio, o acompanhamento dos casais jovens, o apoio à família na transmissão da fé e a maior integração eclesial dos divorciados a viver em nova união. Ao falar sobre este último ponto, isto é, sobre a necessidade de uma maior integração eclesial dos divorciados a viverem em segunda união, o capítulo VIII trata, todo ele, da necessidade de acolher, acompanhar, discernir e integrar estas pessoas. Chama a atenção para o dever que os pastores têm de acompanhar as pessoas interessadas em fazer este caminho, o caminho do discernimento segundo a doutrina da Igreja, as orientações do Bispo diocesano e a Palavra de Deus como companheira de viagem. É, pois, dentro desta determinação que acabo de apresentar à Diocese uma Carta Pastoral com uma proposta de atuação, um método a seguir e algumas metas a atingir, à qual dei o título de “A bem da família”. Apresenta alguns passos positivos, passos a desenvolver no tempo, sem respostas rápidas, não há receitas simples e imediatas. Oferece orientações que terão sempre de ser adaptadas a cada situação e a cada pessoa, tendo presente o percurso histórico de cada pessoa e não apenas um momento da sua vida. E não há casos iguais. Neste percurso, olha-se para os critérios que a Exortação nos oferece para diferenciar as diversas situações e dão-se pistas para acompanhar os interessados em ordem ao discernimento da sua história, da sua situação. Realça a importância de um elemento externo ao casal ou à pessoa, pois o confronto com essa pessoa, em encontros regulares, é essencial, ajudará a desbloquear processos internos pessoais e a libertar-se de outras feridas que anulem a realidade. A missão de quem acompanha, como sabemos, não é julgar nem decidir, não é ser controlador, é, sim, escutar e ajudar a que as pessoas tomem consciência da sua situação e consigam tomar uma decisão que as aproxime de Deus e da Sua Palavra, confiando n’Ele e aproximando-se dos irmãos na vivência da fé, descobrindo a beleza da novidade cristã. Se não é possível mudar uma situação, é sempre possível percorrer um caminho de maior integração eclesial e descobrir cada vez mais e melhor que o amor de Deus não desiste de ninguém.
E não se trata de adequar a pastoral à doutrina, trata-se sim, de não arrancar à doutrina o selo pastoral que lhe é original e constitutivo, sem esquecer que a linguagem da misericórdia incarna na vida e que o matrimónio é um caminho dinâmico de crescimento e realização, como nos afirma a Exortação. O diálogo em busca da verdade ajudará à formação de um juízo correto sobre aquilo que dificulta a possibilidade de uma participação mais plena na vida da Igreja e sobre os passos que a podem favorecer e fazer crescer nesse sentido, sem rigorismos nem laxismos.
Este caminho exige empenho e verdade, tanto aos pastores como aos fiéis. Assim nos diz o Papa Francisco: “Convido os fiéis que vivem situações complexas a aproximar-se com confiança para falar com os seus pastores ou com leigos que vivem entregues ao Senhor (...). E convido os pastores a escutar, com carinho e serenidade, com o desejo sincero de entrar no coração do drama das pessoas e compreender o seu ponto de vista, para ajudá-las a viver melhor e reconhecer o seu lugar na Igreja” (AL, 312). A estes casais que sinceramente querem viver cristãmente, como membros da Igreja, convidamos, pois, a fazer este itinerário com coragem e alegria, em busca da paz interior e da construção da sua felicidade”.
Depois de abordada a situação e não havendo qualquer fundamento para introduzir a causa de declaração de nulidade do matrimónio, então, a quem deseja viver a fé cristã em Igreja é-lhes pedido um itinerário de responsável discernimento pessoal e pastoral, de forma a que possam chegar à melhor meta possível, sem gerar angústia pela mera insistência em questões doutrinais, mas sentindo a proximidade compassiva de quem as quer ajudar a fazer caminho caminhando. Não se trata de procurar que Deus faça a vontade de quem está a discernir, mas que quem está a discernir possa ir descobrindo e aceite aquilo que verdadeiramente vai percebendo ser o melhor. Claro que não se trata de querer exceções, privilégios ou dupla moral. Não se trata de garantir uma certa “ética da situação”, nem tampouco satisfazer um certo individualismo que remete todo o critério ético à consciência individual, ciosamente cerrada em si mesma, tornada árbitro absoluto das suas determinações. O fazer memória e reconciliar-se interiormente com tudo o que foi vivido no matrimónio sacramental, a avaliação dos fatores atenuantes ou agravantes relativos à responsabilidade, culpabilidade e imputabilidade da situação, bem como a avaliação da relação atual, suas forças e fraquezas, perigos e potencialidades, levará a uma tomada de decisão e à melhor maneira de a pôr em prática, nomeadamente em relação ao acesso aos sacramentos. Se a integração é sempre possível, a decisão em relação ao acesso aos sacramentos pode ser “sim”, pode ser “não”, ou pode ser “para já não, porque reconhecemos que há passos ainda a dar”, voltando, neste caso, a discernir mais tarde, pois o processo de discernimento é dinâmico e deve permanecer aberto para novas etapas (cf. AL, 303). 
Não compete ao orientador espiritual tomar a decisão. Compete-lhe assegurar que todo o processo decorra como deve, compete-lhe manifestar a todos a bondade e a misericórdia de Deus que não abandona ninguém, compete-lhe reconhecer o papel da consciência das pessoas, já que “somos chamados a formar as consciências, não a pretender substituí-las (cf. AL37). As próprias pessoas é que, após um percurso sério em busca da verdade, pois só a verdade nos libertará, tomarão a decisão sincera e justa, procurando encontrar “os caminhos possíveis de resposta a Deus e de crescimento no meio dos limites”, como refere a Exortação em causa.

Antonino Dias
Oleiros, 08-06-2018