Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Os fogos - estamos todos preocupados!

22.07.19 | asal

São horas a fio que nos deixam presos às imagens... 

fogos5.jpg

E o que vemos? Uma repetição de acontecimentos, as mesmas críticas e nunca mais chegam as verdadeiras soluções...

Admiramos o zelo de muitos combatentes, sem dúvida! Mas começamos a dizer que é sempre um David contra Golias, que não se conseguem eliminar as tragédias e a destruição de extensas áreas de floresta...

Estou a sentir a mesma preocupação que muitos amigos da zona centro, que diretamente estão em risco de perder seus haveres. Tenho acompanhado as reportagens do António Manuel Silva, que dos Vales anda a correr toda aquela zona a dar conta da evolução do fogo, que já atinge quatro concelhos: Sertã, Vila de Rei, Mação e agora Proença-a-Nova.

São dele as previsões para hoje:

«RISCOS PARA HOJE (22/07)
Informa a PROTECÇÃO CIVIL que, apesar dos esforços para controlar e delimitar o incêndio que ontem consumiu a parte norte da freguesia de Cardigos (Casas da Ribeira, zona da Praia Fluvial...), existe a possibilidade de o mesmo avançar, na parte da tarde, em direcção aos Casais de S. Bento, Chaveirinha e Chaveira, na freguesia de Cardigos, e Vergão, já em Proença a Nova.
Diz-me a experiência e o conhecimento do território que podemos acrescentar Carrascal e Vales (Cardigos) e Cimadas e Montinho (Proença a Nova) que, apesar de terem sido afectados em 2017, ainda possuem alguma zonas verdes. E será que a vegetação que já se regenerou e os inertes que permanecem no terreno não voltam a arder?»

Deixo o meu pensar de ignorante: se Mação é um concelho em que tudo se tem feito para defender a floresta e continua, mesmo assim, a ser fortemente atingido, que faltará fazer?

Ouvi falar de ordenamento da floresta como a solução definitiva. É o mais difícil, com tantos pequenos proprietários desconhecidos, mas começo a pensar que as leis têm de facilitar o trabalho das autarquias para organizar o terreno no sentido de todos poderem ganhar e ninguém volte a perder. Dê-se prioridade aos estudos florestais que recomponham e ordenem o campo de modo a vivermos todos mais descansados e mais contentes com a fruição da natureza. 

AH

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.