Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

O Sr. Bispo agradece

EM CASO DE DÚVIDA… MELHOR É ACREDITAR!...

D. Antonino.jpgDavid de Jesus Mourão Ferreira, escritor e poeta muito reconhecido e admirado nos palcos da cultura, já falecido, sentia-se apaixonado pela vida: “O que acho cada vez mais extraordinário é a vida, a maravilha de estarmos vivos”. Mas também sentiu - e quem o não sente?! -, também sentiu momentos de interrogações existenciais. No entanto, seduzido também pela fé, testemunhou: “Em caso de dúvida, o melhor é acreditar sempre”. 

Também acho que o dom da vida é um dom extraordinário a reconhecer e a agradecer. Sabemos que esta mania incorrigível de fazer anos nos atira cada vez mais para mais longe de quem nasce. Aproxima-nos do porto de embarque para os novos céus e a nova terra. Enquanto peregrinamos por este mundo, sabemos quanto os familiares e amigos nos ajudam a dar sentido e sabor à vida. Por isso, venho deixar o meu muito obrigado a todos quantos me apresentaram os seus cumprimentos no dia do meu aniversário. E, já agora, agradeço também a todos quantos têm tido aquela admirável persistência de ler, comentar e partilhar os meus textos aqui publicados, semana a semana. 
A todos desejo um Santo e Feliz Natal. N’Ele, a família cristã reúne-se para festejar o Natal de Jesus: revê-se e recorda, festeja e convive, contempla e louva, agradece e reafirma-se na comunhão, quem está longe, torna-se unido e próximo. Todos, unidos na mesma fé e na mesma alegria, esperam as bênçãos do Deus Menino para as curvas e contracurvas da vida: é Natal. Feliz Natal para todos, crentes ou não crentes, mas, como dizia David Mourão Ferreira, “Em caso de dúvida, o melhor é acreditar sempre”! Acredita-se acreditando, afirmou Bento XVI.
No seu “Cancioneiro de Natal”, David Mourão Ferreira tem um poema intitulado “Ladainha dos Póstumos Natais”, em que, com várias figuras de estilo, fala sobre um Natal diferente que há de surgir: o primeiro Natal com o seu lugar vazio, sem ele à mesa, sem ninguém vivo que ele conheça. 
Embora quem tiver pressa que vá andando, como costuma dizer-se, aqui deixo esse poema:

“LADAINHA DOS PÓSTUMOS NATAIS

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito”.

.......
Antonino Dias
Portalegre-Castelo Branco, 17-12-2018.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2018
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2017
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2016
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D