Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Mais uma história

17.06.22 | asal

Olá António! Já que estamos em maré de histórias, aqui vai um relato de uma das minhas vivências recentes. Não sei se tem algum interesse para publicar no nosso blogue. Um abraço do Alcino Alves

Dendrofobia 

IMG_20220617_183333.jpg

Medrava no quintal da minha vizinha um imponente e lindíssimo cedro. Fora plantado em 1982, por ocasião de uma campanha de reflorestação de terrenos de pinhais ardidos, cujas novas árvores, doadas pelo Governo, ficaram conhecidas por “pinheiros do Balsemão”, alusão à iniciativa do primeiro-ministro de então.

Por várias vezes a vizinha – a D. Deolinda – exprimiu vontade de abater aquela árvore com receio de que ela viesse a cair, causando estragos na vizinhança, eventualidade pouco provável já que o pinheiro, como ela lhe chamava, tinha um aspeto bastante saudável e estava bem enraizado, considerando o tipo de solo em que se encontrava implantado. Sempre que ela aludia à sua intenção e eu lhe pedia que não cortasse a bonita árvore, ficava muito admirada porque, na opinião dela, os vizinhos nunca gostam de árvores nos quintais ao lado, por lhes fazerem sombra ou lhes sugarem os nutrientes. Não era o caso e nunca acreditei que o abate se viesse a concretizar.

Um dia destes, manhã bem cedo, ouvi o roncar de motosserras no quintal da D. Deolinda. Fiquei alarmado e fui de imediato ver o que se passava. Lá estavam dois carrascos empoleirados no magnífico cedro, num frenesim diabólico, a derrubar pernadas e ramos e a preparar o corte do eixo central.

Interroguei o Gabriel, filho da vizinha, que assistia imperturbável ao medonho espetáculo. Insensível, respondeu, laconicamente, que era esse o desejo da mãe.

Impotente, depois de manifestar o meu grande desgosto por tal ação, regressei a casa.

Ao fim da tarde, no amplo relvado do jardim, que mais parecia um teatro de operações de uma terrível batalha campal, jaziam os restos do que tinha sido um maravilhoso ser vivo. Como se isto não bastasse, fui dar com os obreiros e vizinhos a piquenicar em alegre contubérnio, como que a festejar o acontecimento.

Alcino R. Alves.jpeg

No dia seguinte, fui abordado pela D. Deolinda, que me perguntou com ar sorridente: “Então, vizinho, não acha que o quintal agora está mais alegre?” Era o cúmulo da insensibilidade pelas coisas belas da Natureza! Limitei-me a responder: “Acho que agora está mais triste. É pena que a paisagem tenha sido mutilada desta forma infame”.

Alcino Alves

NOTA: Alcino, mas este, o da foto, ainda cresce na minha rua!!!

2 comentários

Comentar post