Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Homenagem ao Joaquim Alves Filipe

Andamos há muito a pensar neste texto. Valia a pena publicá-lo, destacando um dos nossos nas suas qualidades de trabalho, honestidade e serviço genuino à comunidade. Chegou hoje o dia. Espero que outros amigos falem dele, numa homenagem evocativa de um grande homem. Ao J. Alves Dias, um obrigado por nos ceder o seu texto. AH Joaquim Al Filipe1.png

            

EVOCAÇÃO E HOMENAGEM 

AO JOAQUIM ALVES FILIPE

 

  

Palavras proferidas no almoço realizado no Convento das Irmãs Franciscanas, em LINDA-A-PASTORA em 31 de Janeiro de 2015

1 – Muito Boa Tarde, minhas senhoras e meus senhores, caros amigos.

2 - Bem-vindos a este almoço-convívio da Associação dos antigos alunos dos seminários da diocese de Portalegre e Castelo Branco, cuja tradição- iniciada há anos na Buraca - foi, felizmente, retomada.

Joaquim Al Filipe.png

 3 – Após a exibição do filme sobre a visita de antigos alunos ao Padre Horácio Nogueira, na qual o Joaquim Filipe teceu os melhores elogios ao seu antigo professor, bem como do filme sobre o homem extraordinário que foi o Padre Álvaro, proponho-me fazer uma singela evocação e proferir algumas palavras de sentida homenagem ao nosso grande amigo e companheiro JOAQUIM ALVES FILIPE que foi chamado por Deus em 20 de Dezembro do ano transacto, aos 85 anos de idade. Era natural do lugar e freguesia de Amieira, onde nasceu em 7 de Maio de 1929, localidade perdida na serra, entre os pinheiros então frondosos, do concelho de Oleiros, distrito de Castelo Branco, localidade esta que, naquela altura, não tinha telefone, não tinha estrada de ligação à sede do concelho nem a qualquer outro centro populacional de relevo,  nem tinha água canalizada. A vida decorria ali como se estivéssemos separados do mundo, quase como na chamada Idade Média. Mas deve referir-se que existia já uma Escola Primária e uma Igreja Paroquial com o respectivo Pároco.

 O Joaquim era filho de JOÃO ALVES FILIPE e de MARIA DE JESUS, pessoas que tambémrecordo com saudade.

 4 – Este meu propósito deve-se ao facto eu sentir uma certa responsabilidade moral na evocação deste amigo, dado que o Joaquim Filipe era meu conterrâneo, meu parente e amigo de há muitos anos, a que acresce o facto, que se me afigura não despiciendo, de a sua família ter tido sempre as melhores relações de amizade com a minha família, amizade que vem já do tempo dos nossos pais e dos nossos avós.

 Além de tudo isso, não posso esquecer – e o mesmo sucede com os meus antigos colegas de escola - que o Joaquim Filipe, pelo seu aprumo, pela sua figura vestida a rigor com fato e gravata e também pela sua natural  simpatia, era uma espécie de modelo (passe a expressão) para nós, juvenis alunos da 4ª. Classe e com as ilusões próprias dos nossos 11/12 anos

5 – Ora, como é do conhecimento da maior parte dos presentes, senhoras e senhores, caros amigos, o Joaquim Filipe frequentou os seminários da Diocese de Portalegre (Gavião e Alcains) durante cerca de 6/7 anos, sempre com o melhor aproveitamento.    Após esses proveitosos anos de estudo, e por motivos que só ele conhecia, mas que familiares e amigos compreenderam e respeitaram, por serem do seu foro intimo, resolveu interromper a sua preparação para o Sacerdócio e, consequentemente, deixar o seminário. Contudo, deve sublinhar-se que não renegou esses tempos - de sério estudo e certamente de profunda reflexão - nem os ensinamentos e conhecimentos que ali lhe foram ministrados, antes pelo contrário;

6 – Com efeito, após a saída do seminário, continuou a prestar a melhor colaboração em inúmeras actividades religiosas, quer na sua terra Natal (Amieira), quer nos locais onde prestou serviço, como funcionário judicial, nomeadamente na Pampilhosa da Serra, Sertã, Oeiras e Lisboa. Especialmente nos últimos tempos, após a passagem à reforma por limite de idade e a perda da Esposa CARMINDA DIAS FILIPE (com a qual formava um casal verdadeiramente exemplar) prestou relevantes serviços na Paróquia de Santo Amaro de Oeiras, onde residia. Antes deste sério golpe, já o Joaquim e a Esposa haviam sofrido um outro rude golpe com a  morte do filho mais novo.

7 – Profissionalmente pode dizer-se que fez uma carreira brilhante, começando na Pampilhosa, passando depois à Sertã, seguidamente a Oeiras e finalmente a Lisboa, sempre com as mais altas classificações no que respeita a desempenho, saberqualidades de chefia, relações de trabalho, quer com colegas e superiores, quer com advogados e público que a ele recorriam para resolver questões relacionados com os processos que lhe estavam confiados;

8 – Atingiu o último escalão da carreira que escolheu – sempre com as maiores classificações e as melhores referências pelo que, face ao seu elevado grau de profissionalismo, conhecimentos e competência foi nomeado Director do Centro de Oficiais de Justiça e, depois, escolhido para assessor de um Secretário de Estado da Justiça (Dr. Borges Soeiro); Trata-se, segundo me foi dado  testemunhar, de caso único na carreira que escolheu e desempenhou até à reforma.

9 – Foi um bom filho, um marido exemplar e um pai extremoso para os seus 3 filhos, um dos quais, infelizmente, já falecido como antes já referido,

10 – A par da sua actividade profissional e do apurado desempenho dos seus deveres familiares, não descurou o nosso querido amigo JOAQUIM FILIPE o seu papel como elemento da chamada “Sociedade Civil” em que estava integrado, tendo participado, entre outras, nas seguintes actividades:-

  1. Na comissão “ad hoc (que incluía o meu saudoso pai DAVID DIAS) constituída para obter, junto das autoridades competentes, melhoramentos para a sua terra natal, nomeadamente o telefone, fornecimento de água e a construção de uma estrada de acesso à sede do concelho (Oleiros) de que carecia aquela freguesia;
  2. Associado fundador da LAFA – LIGA DOS AMIGOS DA FREGUESIA DE AMIEIRA (associação regionalística, tendo participado várias vezes nos seus Corpos Sociais ) ;
  3. Associado fundador desta nossa associação dos antigos alunos dos seminários da Diocese de Portalegre;
  4. Associado fundador da LAFI – Liga dos Amigos da Freguesia da Isna, onde passou alguns anos na companhia do seu tio – pároco da Isna.
  5. Participou nos órgãos sociais da CASA DA COMARCA DA SERTÃ (associação regionalística) durante vários mandatos e até muito recentemente, onde prestou colaboração de relevo, como é testemunhado pelos próprios dirigentes desta associação;
  6. Elemento da Assembleia Municipal da Câmara de Oleiros

11 – Era também um homem naturalmente integro, de uma honestidade a toda a prova, frontal, lidando com as pessoas de forma aberta, sem cinismos nem reserva mental;

12 - Muito mais havia a dizer sobre o nosso querido amigo e companheiro JOAQUIM FILIPE – que era, sem dúvida alguma, pessoa de uma grande dimensão humana, portadora do mais elevado sentido de “bem servir” - mas não vou alongar-me mais, agradecendo a atenção que vos dignastes prestar a esta minha singela evocação e modesta homenagem e espero – e desejo - que a ela se tenham associado;

13 – Para terminar, gostaria de referir ainda que o nosso amigo e companheiro Joaquim Filipe era pessoa afável, de bom trato, respeitador de superiores e subordinados e muito estimado por todos eles. Em suma, um homem bom.

14 - Por tudo isto, e o mais que fica por dizer, e que poderá ser acrescentado por cada um de vós, peço-vos que guardemos um minuto de silêncio por este nosso irmão e amigo que foi chamado por Deus e Alves Dias.jpgque, estou certo, estava preparado para partir, embora não sabendo o dia nem a hora a que seria chamado, como consta do Evagelho.

15 - Este meu pedido é extensivo a dois outros irmãos, já falecidos:- o Padre José Antão (em 2010), também natural da Amieira e o Padre Álvaro que nos deixou recentemente e que acaba de ser  homenageado por todos os presentes e, em especial, pela brilhante intervenção do nosso caro amigo e colega António Henriques.

Muito obrigado a todos e desculpem-me se demorei demasiado, abusando inadvertidamente, da vossa paciência.

Linda-a-Pastora, 31 de Janeiro de 2015 

J. Alves Dias

 

 

Mais uma foto, com o nosso amigo bem acompanhado: o seu sobrinho - Joaquim Silvério e o Joaquim Nogueira, também indelevelmente ligado à história da nossa associação.

Joaquim Al Filipe2.png

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

PORQUÊ

VAMOS COMEÇAR

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Links

  •  
  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D