Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Há cinco anos...

21.07.20 | asal

Andei a repescar notícias de há cinco anos. Nunca mais chegam as de agora. Nem um textozinho nem uma foto dos vossos pequenos passeios...

UM LIVRO: Pois há cinco anos, no mês de Julho, andávamos atarefados com a publicação do livro do Joaquim Nogueira "Memórias de um beirão da zona do Pinhal", que juntou umas boas dezenas de amigos e familiares no restaurante "A Parreirinha de Carnide". Desse relato extraio um parágrafo:

Nogueira.jpeg

«3 – O terceiro momento serviu para a intervenção de muitos presentes, em especial os familiares que o incentivaram a contar a sua história e aqueles que de perto colaboraram na sua edição, nomeadamente a sua irmã, Luísa Nogueira, que escreveu o prefácio. Foi ela que falou do estilo fluente do irmão, com um discurso próximo da oralidade, a chamar o leitor para a conversa. A capa é de seu cunhado Humberto. Lembro-me também de ouvir as duas filhas sentirem-se felizes e orgulhosas pelo pai que têm. Também o Joaquim Mendeiros e o Joaquim Silvério felicitaram o seu homónimo, o primeiro “alentejano da terra dos sobreiros a saudar o amigo beirão da terra dos pinheiros” e o J. Silvério a saborear no livro o “cheiro da resina e os serões familiares à beira da lareira”. Dedicou-lhe depois um belo poema sobre a amizade.»

UMA VISITA: Também serviu de notícia no blogue

UMA VISITA AO AMIGO
Hoje foi assim, como estas fotos dizem!
Tudo bem explicado, almoçámos juntos, falámos do livro do Joaquim Nogueira, que já está esgotado, falámos dos nossos colegas e também veio à baila o grande amigo P. Horácio, de quem o João Heitor é visita frequente.
E logo ali veio à baila uma visita em grupo para criar mais animação ao amigo. 
Ele mostra-se contente com a visita e nós também alegramos a consciência. No fim, rezámos em conjunto e o Heitor até pediu uma bênção ao P. Horácio, mas acho que ele não entendeu bem o que lhe pedimos e lá viemos sem bênção.
Ou não?

António Henriques

P. Horácio1.jpeg

NR
A maior benção, António, foi a vossa visita, para além dessa benção outra de ainda termos o Pe Horácio entre nós.
Evoco, com alguma emoção, a derradeira conversa que com ele mantive ainda com a memória a surpreender-nos aos poucos nas esquinas de uma grande e intensa vida.
Parabéns, rapazes!
"Estava doente e visitastes-me, com Alzeimer e não desististes de mim...."
antónio colaço
Nota: Eu gostava de vos ver hoje e não posso... AH