Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Auschwitz: nos 75 anos

10.02.20 | asal
Caríssimo Henriques
Desta vez, uma breve reflexão sobre o o mais bárbaro acontecimento do século XX - o hediondo Holocausto, "vergonha de nós todos", na voz de um  um poeta. Se juntarmos a este acontecimento a bomba atómica no Japão, podemos hoje fazer uma ideia de como o inferno tomou conta da humanidade. Para que a memória não seja curta, estejamos alerta para que as causas que lhes deram origem, jamais medrem entre nós. Gostei de saber notícias frescas do último encontro. Ao Animus devo essa graça. Embora ausente,  se me tornou presente. Um  Bem Haja a todos os que o tornaram possível.
Fico a aguardar os vossos testemunhos, relativos à casa que nos acolheu na nossa juventude. O agradável e/ou o desagradável, tudo interessa a todos.
Com um extensivo abraço

Florentino2.jpg

F. Beirão
 

 

Uma visão do inferno

 

 O campo da morte de Auschwitz foi libertado há 75 anos. Alguns sobreviventes do holocausto ainda nos puderam narrar o que lá sofreram, antes de serem libertados pelos militares soviéticos, em 27 de janeiro de 1945. Tratou-se de um indiscritível inferno, um lugar onde toda a esperança morria ao nele se entrar. Onde cada uma das vítimas foi reduzida a um número, tatuado no braço. Dizia-se então, quando se entrava através de um portão com a frase “o trabalho liberta”, só de lá se podia sair através do fumo de uma chaminé. Testemunhos arrepiantes e imagens sinistras, que nos últimos dias nos têm confrontado com o horror que lá se vivia, colocando a maldade humana abaixo do comportamento dos animais selvagens. Planeada, racional, metódica, executada pelos seguidores de Adolfo Hitler, faz-nos imaginar até onde o “lobo” homem pode descer, quando se torna um fanático, um racista, um xenófobo, um embriagado pelo poder absoluto.

Dos tempos da cristandade europeia, já conhecíamos as imagens terríficas, colocadas nas portas da entrada das belas catedrais góticas. Como sabemos, trata-se de figuras horríveis cuja finalidade pedagógica e catequética, era mostrar macabras imagens demoníacas, a lançarem os condenados nas chamas infernais, após terem sido julgados no Juízo Final. Pretendia-se assim mostrar aos fiéis que alguns comportamentos humanos eram merecedores de eternos e dolorosos castigos, dentro de fornalhas ardentes, que jamais se apagariam.

Porém, nos campos de concentração de Auschwitz - Birkenau, as pessoas eram condenadas e assassinadas, apenas por terem nascido numa família judaica ou cigana. Ou por serem homossexuais ou adversários políticos, sobretudo comunistas, deficientes físicos ou psíquicos. Podiam ser condenados ainda por serem religiosas ou pessoas “associais” ou ainda prisioneiros de guerra, soviéticos.

A arbitrariedade era tal que qualquer pessoa, pertencente a qualquer destas categorias sociais, podia ser denunciada e enviada, metida dentro de comboios nauseabundos, para um dos muitos campos de concentração, onde milhões de pessoas eram gazeadas para posteriormente, serem queimadas nos fornos.

As montanhas de objetos pessoais guardados, de algumas das vítimas, ainda hoje se podem ver no museu de Auschwitz, na Polónia, onde se encontram expostas algumas das latas do gaz mortífero – zyklon B – utilizadas para assassinar os condenados.

Passemos agora aos números. Os que já foram apurados referem-se a judeus que viviam nos países conquistados pelas tropas nazis. Dos 2.600.000 judeus deportados, terão morrido no Holocausto quase 90%. Um verdadeiro genocídio, supostamente ignorado, pelas pessoas que viviam junto aos campos de concentração e que outros países disseram desconhecer.

A perseguição aos judeus iniciou-se logo em 1938, com a subida de Hitler ao poder. Começou por os proibir de exerce certas profissões. Posteriormente, mandou expropriá-los dos seus bens. Mais tarde, foram encerrados em guetos. Finalmente, na segunda metade de 1941, os judeus foram enviados em comboios para os campos de concentração onde a maior parte encontrou a morte.

Quando os judeus começaram a ser perseguidos, nos países sob controlo alemão, muitos optaram por sair, procurando um lugar que lhes proporcionasse alguma tranquilidade e segurança. Foi o que aconteceu com os judeus que procuraram refúgio em Portugal, um país neutral na 2.ª Grande Guerra para, a partir daqui, emigrarem para outros países, sobretudo para os Estados Undos da América e para a América Latina.

Com Salazar no poder, os vistos concedidos aos judeus que optaram por vir para Portugal, segundo as ordens determinantes do ditador, tornaram-se cada vez mais difíceis de conceder. Perante tal limitação, o nosso cônsul em Bordéus - França, Aristides de Sousa Mendes, decidiu não acatar as orientações de Salazar, começando a passar vistos a milhares de judeus fugitivos que os solicitavam, sobretudo a partir da invasão de França, pelas tropas chefiadas pelo general alemão Webrmacht, em 1940. Segundo a Comunidade Israelita de Lisboa, Aristides, entre junho de 1940 e maio de 1941, possibilitou a entrada de cerca de 42.000 refugiados judeus em Portugal.

Só que esta desobediência acabaria por ficar muito cara ao cônsul. Perseguido e com muitos filhos, viu-se forçado a uma aposentação não remunerada. Impossibilitado de trabalhar, ficou arruinado, morrendo em 1954. Mais tarde, com a democracia, seria reabilitado. Com olhos nestes acontecimentos de há 75 anos, torna-se hoje urgente mantermos viva a memória, para que jamais se torne possível esta realidade infernal regressar à terra. Fiquemos alerta, porque os nazis já estão por aí.

florentinobeirao@hotmail.com