Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Aniversário

20.12.18 | asal

Ao contrário do que é habitual, hoje é o próprio aniversariante a falar. É assim que ele se apresentou em 18 de Outubro de 2018 (vide ANIMUS SEMPER):

António Man Lopes Alves Martins.jpeg

 

«O meu nome: António Manuel Lopes Alves Martins. Data de nascimento: 20-12-1954. Sou do Concelho da Sertã, da aldeia de Felgaria, da antiga freguesia de Nesperal, com residência em Braga. N.º telemóvel: 968 196 473.

Abraço do António Martins, que em Dezembro completará 64 anos de idade. Sou dos mais novos, mas é com gosto que tenho estado nos encontros anuais, desde Alcains e que espero estar na Sertã, no próximo encontro, pois as idades de cada um de nós são pormenores, nas nossas vivências em comum, nos seminários.»

É a este corajoso e voluntarioso colega que hoje saudamos, com um forte abraço de PARABÉNS, desejando que a sua vida lhe sorria por muitos anos, na companhia da família e dos amigos. 

E para que a surpresa seja maior, apresento uma foto do António Martins em Abrantes e o excerto de uma carta dele publicada no Animus60, como um forte apelo à amizade e ao nosso encontro. Apenas alterei a data de 16 para 18:

«Para todos os meus amigos de antanho, lá estarei em 18 de Maio, sem contudo abraçar muitos daqueles que também me fizeram como eu sou e por isso tinham a responsabilidade de também me encontrarem neste tempo, do aqui e agora. Cheira-me a traição, passe o exagero.

Acredito que muitos de nós nem sabem do nosso encontro/desencontro. Outros que não possam estar no local próprio e à hora marcada. Outros que pura e simplesmente não querem estar, mas que todos, em especial os meus companheiros de jornada, dos tempos idos, tenham ainda um vislumbre dos anos “heroicos” da nossa juventude e dos nossos sonhos.

A 18 de Maio lá estaremos, nem que seja, apenas, para dar um abraço ao Assis Cardoso, dos tempos de Gavião, e ao Arménio da Silva Duque, um dos companheiros dessa fantástica jornada e só por isso já vale a pena.

De António Manuel Lopes Alves Martins, com amizade

(Em outros tempos: Tó Manel de Cernache).»