Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Almoços

6-04.JPGChegou hoje a prova!

 

Depois da paragem da Semana Santa, voltaram os almoços da Parreirinha, em Carnide.

Sempre um espaço de encontro, onde encontramos amigos para confraternizar um pouco.

Cada um escolhe os espaços e os grupos que frequenta. Mas não é uma decisão sem consequências. Somos moldados por tantas pessoas... Mesmo quando reclamamos a nossa independência e autonomia, não é bem assim. Ora vejam o que dizem os investigadores.

É mais um texto pequeno que vos deixo:

 

Para reflexão 

4 - «…Tomamos muitas decisões a pensar na impressão que queremos causar nos que nos rodeiam, na faceta de nós próprios que nos convém salientar num determinado contexto – quer dizer, fazemo-nos em função dos outros. Mas a nossa identidade está dependente dos outros por diversas outras razões.

A primeira é que levamos muito a sério o que os outros dizem sobre nós. Crescemos a ouvir os pais e professores dizerem que somos de determinada maneira. {…} Mais tarde, ouvimos descrições nossas pela boca de amigos, colegas, cônjuges, filhos que, em conversas ou discussões, partilham connosco como nos veem.{…­} Como se fôssemos o reflexo das imagens dos que nos rodeiam têm de nós. {…}

E deste modo construímos uma imagem de nós que é um pouco uma manta de retalhos porque corresponde a imagens muito diferentes: somos queridos e bondosos para uns, egoístas e preguiçosos para outros, divertidos e sociáveis nuns grupos e trabalhadores incansáveis noutros contextos.».

In “Nós e os  Outros”, de Maria Luísa Pedroso de Lima, Fundação Francisco Manuel dos Santos, págs. 20/21

1 comentário

Comentar post