Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

Afeganistão: Casa de bravos-3

22.10.21 | asal

Meu Bom Amigo, tenho o texto a congelar no computador já faz algum tempo. Queria respeitar o luto que todos devemos à memória do nosso querido P. Alberto Jorge que hoje vai a sepultar. Mas, depois, pensei: sei que ele gostava de História. Por que não aproveitar este dia para o publicar em sua homenagem, acompanhado pelas nossas orações? Faz como entenderes melhor. 

 Como se vê, o Afeganistão foi sempre uma encruzilhada de povos e culturas. É esta realidade geopolítica que hoje pretendo evidenciar, sabendo que, nas curvas e contra-curvas da História, muito se esconde e extravia. E há fontes que me são inacessíveis.   Escrevo fundamentado no que li e pensei. Não sou especialista nestas matérias, apenas um curioso que gosta de entender o que se passa numa parcela do nosso mundo. 
 Na entrevista do final do livro O Fim do  Homem Soviético de SVETLANA  ALEKSIEVITCH ( que tu conheces muito bem)  refere-se a existência de um género de "Romance Documental" (p.467). Os livros do escritor afegão Khaled Hosseini inscrevem-se nesse género. 
Um abraço do João Lopes
 
Caro amigo, só hoje me foi possível publicar mais uma pérola saída do teu cálamo. Obrigado e parabéns! AH
 

 Casa de Bravos III                                 

Afeg.jpg

“ Nunca um país terá merecido tanto o seu sobrenome “cemitério de impérios”. Depois de ter expulsado os mongóis e os persas, o Afeganistão pôs fora do seu território o Reino Unido no Séc. XIX, a União Soviética no séc. XX e os Estados Unidos no séc. XXI” ( Le Monde Diplomatique, Setembro/ 2021)

   O leitor comum fica admirado com esta asserção de significado épico, pelo menos na aparência, e naturalmente vai à procura das raízes da identidade de um povo que sempre teve forças para sacudir o jugo de um invasor estrangeiro.

Antiguidade: Província do Império Persa dos Aqueménidas, a Satrapia da Bactriana, nome sob o qual se esconde, em parte, o Afeganistão de hoje, foi uma das conquistas de Ciro, o Grande, ( 556-530) , o mesmo que o profeta Isaías exalta como o libertador do Povo Hebreu em 538, quando derrotou os Babilónios.

  Em 229 a.C, Alexandre Magno (356-323) conquistou a Pérsia. Invadiu a Báctria, onde, em reconhecimento pela ajuda do governador persa, Oxiartes, casa com a sua filha Roxana, princesa persa ou melhor afegã. Depois de ter esmagado a revolta do sátrapa da Ária, fundou, no atual Afeganistão, mais três ou quatro Alexandrias, que ainda hoje preservam a memória do Rei dos Macedónios e Imperador dos Persas: Herat, a Oeste; Alexandria do Cáucaso na futura Cabul; na Aracósia, a Sul, Kandahar.

  Ao contrário dos Aqueménidas, Alexandre preconizava o casamento monogâmico que, na sua opinião, melhor assegurava os direitos das mulheres. Obrigou os militares macedónios a tomarem mulheres persas, como únicas e legítimas esposas. Por seu turno, conseguiu envolver os soldados indígenas no programa das suas campanhas de conquista e ocupação do Oriente asiático. A tolerância pelos costumes e poderes locais, o respeito pela diversidade cultural foi o segredo da rapidez da sua vitória política e militar desde o Mediterrâneo Oriental ao Índico, passando pela Pérsia. O nosso herói morreu aos 33 anos, talvez por envenenamento (Lê-se com muito proveito o livro de Claude Mossé Alexandre, o Destino de um Mito. Ed. Europa-América, 2005).

   Os Selêucidas, seus sucessores, mantêm-se senhores da região até 250 a.C. Segue-se um período de lutas intestinas e a Bactriana, centro geográfico do futuro Afeganistão, torna-se independente.

  No séc. II a.C., os Kusana, vindos da China, estabelecem-se no vale do Oxos, o nome antigo do Amudária. À sombra dos reis gregos da Bactriana, fundam um império cosmopolita que, estendendo-se até à Índia, se tornou um cadinho de culturas indiana, chinesa, centro-asiática e greco-romana. É no seio deste império que, no séc. II d.C., emerge o Budismo. Não sabemos quando, mas, justamente no vale de Bamyian, sopé do InduCuche, já temos sinais da sua presença a partir, pelo menos, do séc. V. Os monges escavaram mosteiros nas grutas, e a região depressa se tornou num santuário de peregrinações. ( Ver Mil Sóis Resplandecentes de K. Hosseini, pp. 117-118)  Aqui se ergueram, no séc. VI, as duas estátuas monumentais de Budas, destruídas pela fúria religiosa dos talibãs em 2001. Os Kusana ficam na região de Cabul até à invasão dos Hunos no séc. V, sobrevivendo, no entanto, na região centro dos mosteiros até à invasão árabe, no séc. IX. Na região oeste, na fronteira com o Irão, vivem os Sassânidas, persas zoroastristas desde o séc. II até ao séc. VII da nossa era.

   A invasão árabe, essa vasta jihad, alastrou, como um tsunami, a oriente e ocidente, em meados no séc. VII. No Afeganistão, porém, teve de retardar a marcha pois só no séc. XII se deu por concluída, e mesmo assim não completamente! A princípio, o islão teve de coexistir com outras religiões da Pérsia e do Centro asiático: zoroastrismo, budismo, judaísmo, cristianismo e hinduísmo. Os zoroastrianos refugiaram-se nas montanhas, recusando a islamização. Com o avançar dos anos, o Islão, adaptando-se bem às culturas locais, ganhou terreno e acabou por se impor como confissão preponderante.      

  Em meados do séc. VII, o mundo muçulmano dividiu-se em duas grandes correntes. O sunismo (expressão derivada de sunna ou doutrina de Maomé, (570-632) profeta de Deus, foi adotado pela maioria de muçulmanos (90%) e , no Afeganistão, conquistou  a  da tribo dos pastunes, a maioritária;  o xiismo, a versão islâmica minoritária, fundado por  Xiat Ali (Xiat: xiismo), primo e genro do Profeta, casado com a sua filha Fátima.  Só mais tarde, já no séc. XIII, é  que o xiismo se impôs na tribo dos Hazara, descendentes dos Mongóis de Gengis Khan que devastaram o país em 1221-1222.  Por isso, os Hazara, tribo sempre odiada, (ver  pp. iniciais do Menino de Cabul)  tiveram de contar com a proteção do Irão, igualmente xiita.

   Em 1380, vem, em marcha infrene, a cavalaria do terrível Tamerlão, a cujos sucessores se deve o renascimento de Herat, cidade de poetas, a oeste, perto do Irão, no séc. XV.

  O Império Mogol: A leste da Pérsia, estendia-se o Império dos Grão-Mogóis, fundado no Norte da Índia, no séc. XVI por Babur, descendente de Tamerlão e de Genghis Khan.  Babur tinha uma especial predileção por Cabul, que transformou numa bela cidade, escolhendo-a para sua sepultura. Ainda hoje se pode visitar o seu mausoléu, uma espécie de centro de peregrinação.

  Época moderna: Monarquia “ Os reis pastunes governaram este país durante quase duzentos e cinquenta anos, e os tajiques, uns meros nove meses, em 1929.” (  Mil Sóis Resplandecentes, o.cit. p.105)   O tempo referido da monarquia vai de 1747 a 1973. De facto, em 1747, o chefe tribal Ahmad Khan Durrani fundou um Estado monárquico com a capital em Kandahar, sendo, por isso, considerado o pai da nação, o que, de alguma forma, veio atenuar o tribalismo, pela via da centralização do Poder. Em 1776, ocorre a transferência da capital para Cabul, mais a centro, cidade de gloriosas tradições, protegida pela fortaleza montanhosa do HinduCuche.  Em 1838, o chefe do clã pastune, Barakzay, toma conta do poder, conseguindo reunir as tribos para enfrentar as pressões da Rússia czarista e os britânicos da Índia, que teimavam em apoderar-se da Passagem de Khyber, um corredor  de 50 Km que, por entre montanhas, fazia a ligação entre o Afeganistão e a antiga Índia, já sob o domínio britânico.  Duros e valentes combates se travaram em 1838-1842 e 1878 em que os afegãos, recorrendo às imbatíveis táticas de guerrilha, conseguem escorraçar o exército de Sua Majestade. São as tão afamadas guerras afegãs, que ficaram na memória coletiva, como sinal e emblema da honra e orgulho do povo afegão, que se supera a si mesmo quando logra vencer o isolamento tribal. Razão tem o professor, saneado pelo regime comunista em 1978, “Toda esta conversa de eu sou tajique e tu és pastune, e ele é hazara e ela é usbeque.  Somos todos afegãos, e apenas isto devia interessar” ( o.cit. p.105)

 E chegamos a 1919 quando um homem de grande energia, de perfil reformador, o emir Amanullah Khan reúne as forças tribais e invade a Índia com o propósito de levar os Britânicos a reconhecer a plena independência política do Afeganistão. Em 1926, intitulou-se REI, empreendendo uma série de reformas que visavam mudar a face de uma sociedade atrasada, tribalista e feudal, sob o domínio religioso e opressivo dos Mullah.  Propunha o fim do uso obrigatório do véu, da burqa; o fim da poligamia; alteração das leis sobre o casamento, em que uma jovenzinha de 9 a 10 anos era forçada a casar com um velho de 50 ou 60; e educação escolar para todas as mulheres.

 E qual a reação dos chefes tribais e dos mullahs?  Declararam a djihad contra o rei. “  Um tsunami de barbudos revoltados abateu-se sobre ele.  Prendem-no, arrastam-no para as costas da Índia, depois Itália e Suíça, onde morreu como um velho desiludido e exilado”  (K. Hosseini, E as Montanhas Ecoaram, p.177)

   Em 1933,  Zadir Shah sobe ao trono como rei de uma monarquia constitucional, governando, sem sobressaltos, um país ferido por profundas desigualdades sociais. As classes dominantes, aristocracia e burguesia comercial, com as suas viagens à Europa e os seus negócios florescentes, davam a Cabul um ar de modernidade. O povo trabalhava no artesanato ou no campo. O pior eram as secas e a fome que flagelavam ciclicamente os pobres camponeses. Na parte dos costumes, nada se alterou: poligamia, casamentos infantis, menoridade feminina, discriminação étnica e tribal… e uma chusma de pedintes pelas cidades. E o rei lá esteve, durante 40 anos, até 1973, ano em que o seu primo, o príncipe Daoud Khan o destronou, sem violência, proclamando a República.

  E lá em cima, nos vizinhos do Norte, no Uzbequistão e Tajiquistão, o Kremlin impunha, à força, a socialização da economia, com a revolta inútil dos camponeses que tiveram de ceder as suas terras para os grandes planos da monocultura do algodão.

João Lopes1.jpeg

   Na montanha de Pamir, no Tajiquistão, precisamente na fronteira com a terra afegã, a nordeste, levanta-se um pico de 7495 m, rebatizado pelos soviéticos de pico Comunismo.  O partido comunista afegão, extensão do poder soviético, formou-se nos tempos da monarquia. É de crer que, no labirinto dos corredores do Kremlin, se gizassem planos de conquista rápida e total. O Pico lá estava como desafio e sinal de ambição. Os deuses enlouquecem aqueles que querem perder! É o que veremos. (Continua) João Lopes

1 comentário

Comentar post