Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

A vida mentirosa dos adultos

19.11.20 | asal

Novo livro de Elena Ferrante

 

Elena Ferrante.jpg

Desta vez, após ter lido elogios à riqueza literária de Elena Ferrante, decidi-me ir atrás das modas e adquirir “A vida mentirosa dos adultos”, uma novidade desta autora, que há vinte anos tem entusiasmado leitores e críticos com a sua escrita desenvolta a perscrutar o íntimo das suas personagens, preferentemente mulheres.

Sinceramente, este romance ocupou-me com agrado durante este mês de pandemia, em que a casa passou a ser o único lugar para todos os devaneios. As suas 300 páginas foram lidas quase à pressa, tal não era o gosto e a vontade de ver como se iriam desenvolver os dias desta adolescente napolitana, Giovanna, que corporiza o centro da ação como narradora participante a viver uma história cheia de ligações frágeis a outras personagens, também elas carregadas de vivências pessoais que enriquecem sobremaneira estas páginas.

Elena Ferrante é um pseudónimo de mulher ou homem italiano, de Nápoles, que ninguém conhece verdadeiramente, mas que desde 1991 tem produzido obras de ficção cheias de histórias que parecem reais. Em entrevistas escritas, a autora defende o seu anonimato como um meio para usufruir de inteira liberdade criativa e não fazer autocensura, escrevendo sem constrangimento pessoal as vivências mais íntimas ou mais cruas das personagens.

Em resumo, para não retirar novidade aos futuros leitores, a história acompanha a passagem de Giovanna - a protagonista - da adolescência para a vida adulta. Ao escutar os pais sem o conhecimento destes, ouve dizer que ela está a ficar feia como uma tia não falada em casa. Isto perturba-a a ponto de começar a olhar mais para o espelho e a querer saber da tal tia Vitória.

As amigas e o ambiente tranquilo da infância deixam de contar e surge a descoberta de um mundo novo com outras figuras do mundo suburbano, pobre e industrial de Nápoles, onde mora a tal tia Vitória, renegada pelo pai e que fora apagada das fotos de família (classe média-alta de professores).  

Abre-se à protagonista um mundo diferente, de relações promíscuas, pouco recomendáveis, mas acompanhadas de sentimentos humanos profundos. E ouve outras histórias que a levam a olhar para os pais com desapontamento, pois eles não eram assim tão puros e perfeitos.

Surgem assim experiências confusas, onde se debatem os comportamentos numa tensão entre o bom ou o mau, permitido ou inconveniente na sociedade, igual aos outros ou diferente. Descobre-se que a mentira mascara muitas vidas, o que leva a protagonista a buscar a sua verdade, usando também a mentira, tentando experimentar novas relações para construir a sua personalidade. Mas, no meio destas descobertas, há um desmoronar de convicções que levam ao desapontamento.

Que comentários posso fazer?

- Já li e aceito que nesta obra domina o mundo feminino, em que a mulher se mostra forte, corta a direito, rompe relações e domina os ambientes. Mas também se nota entre elas a concorrência, a luta, o domínio, o ciúme, ou a amizade e a colaboração desinteressada. E até sentimos a história envolvida em elementos físicos mágicos, como sejam certos espaços de encontro, as casas, as roupas, e ainda uma pulseira, capaz de exalar beleza e arrastar maldição para a sua utente.

- As personagens surgem tão reais que nos cativam a atenção, ora pela nobreza ora pela vileza de caráter, ora porque são solidárias ou porque se enchem de ódio, egoísmo, ciúmes; ao fim e ao cabo, todos estão manchados!

- O fim da adolescência é mesmo tormentoso. O carinho dos pais já não enche o coração da filha, pois ela descobre falsidades, vida tortuosa nos seus adultos e começa a isolar-se, a autonomizar-se, assumindo posturas imprevisíveis, desde o desleixo pessoal ao desprezo pela escola ou mesmo vida sem regras, em busca de um ideal de mulher muito pessoal.

- Atenção: cada página é uma mistura de narração, descrição e diálogo interior em que Giovanna se discute a si mesma de uma forma perfeita. Admiramos o texto, mas temos de ver a criatividade da autora por detrás de cada palavra, que uma adolescente não consegue falar e escrever assim…

20150517_112539 (2).jpg

- Esta “história” está marcada de atualidade. Casais que se descasam e continuam amigos uns dos outros, mulheres que acham normal que o amor que sentem por um homem casado é razão para o tirarem à vizinha, mas que, após a morte do homem, são capazes de se juntarem as duas para tratar dos filhos de uma…

- Finalmente, a protagonista vai-se desprendendo de pessoas, da família, dos amigos e de espaços e, no final, até da cidade se desprende. À procura de uma libertação? É o que todos queremos!

Últimas palavras do livro: «… prometemos uma à outra tornarmo-nos adultas como nunca acontecera com nenhuma».

António Henriques

2 comentários

  • Imagem de perfil

    asal

    20.11.20

    Meu caro João Lopes, eu bem tento dar o exemplo, a ver se outros colegas e amigos para aqui trazem a reflexão sobre as leituras que fazem. Sim, que leitores há muitos no nosso meio, felizmente! Mas parece que o teclado do computador (que o lápis e a caneta estão em desuso!!) pica ou faz estremecer a mão...
    Estamos apenas numa onda de boa vontade. Ninguém força ninguém! Oxalá que estes comentários espevitem alguém. A tua presença atenta aos discursos que por aqui passam são também um bom incentivo à colaboração. Vamos andando... Estamos vivos, graças a Deus. Abraço do
    António Henriques
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.