Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

Associação dos Antigos Alunos dos Seminários da Diocese de Portalegre e Castelo Branco

A sociedade e os idosos

18.02.21 | asal
Olá, meu caro António:
Tocado pelo apelo que tens feito, para todos colaborarem no nosso ANIMUS SEMPER, aí envio mais umas letrinhas para meditação dos que nos acompanham habitualmente. O problema da velhice no nosso país penso que irá ser um dos mais urgentes e complexos que vai sobrar para os governos e cidadãos tentarem resolver, com Justiça e humanismo, após esta tão cansativa pandemia. Quem conhece de perto esta realidade, direta ou indiretamente, sabe bem do que estou a falar. Uma realidade a exigir uma grande urgência de tratamento.
Para novos e mais velhos da nossa associação aí deixo uma dicas, para princípio de conversa. Abraço a todos, na Alegria e Amizade que nos une.
 
PS:  O nosso livro do Seminário S. José já foi metido no forno. Temos que ter Esperança em melhores dias....
Florentino Beirão.

Florentino4.jpg

 

Mortes vivas

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos, muito se tem falado dos idosos que vivem nas residências para idosos. Antes do covid.19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos, parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado. Esta realidade tão diversificada, geralmente escondida da sociedade, para muitos, seria completamente ignorada. Menos ainda se sabia como eram ali tratados os seus utentes a viver em residências com falta de espaço, de higiene, de cuidados de saúde e até à míngua de alimentação. Os idosos, ali “descartados” pelas suas famílias, lá permaneciam encerrados, muitas vezes entregues à sua imensa solidão, no mais puro desconforto afetivo, até que a morte os viesse chamar e os libertasse do seu sofrimento. O povo, referindo-se a estes idosos, costuma usar a expressão de pessoas que são como “mortas vivas”. Hoje, com as televisões a revelar-nos quase diariamente muitos casos de puro abandono ou de até de maus tratos aos idosos, salta-nos ao espírito a seguinte interrogação: como é possível acontecer no nosso país situações tão desumanas?

Num dos canais de televisão, na passada semana, foi mostrada uma dolorosa situação de profunda desumanidade num dos lares do distrito da Guarda, em que um dos membros do casal se encontrava a residir no mesmo lar, mas em andar diferente. Perante esta situação, o marido queixava-se à jornalista que vivia doente e prostrado na sua enorme tristeza, pelo facto de nem sequer poder ver a sua esposa. Esta realidade, em alguns lares de idosos, chega mesmo a atingir níveis de profunda insensibilidade. Felizmente, esta situação poderá não ser a norma geral.

O que importa agora, passada a pandemia, com melhor conhecimento dos problemas sociais, relativos aos idosos, é prestar redobrada atenção aos lares de idosos, uma vez que hoje já não podemos ignorar as suas gritantes deficiências. São problemas endémicos cujo acompanhamento a Inspeção da Segurança Social não pode olvidar.

As debilidades neste setor, expostas agora com tanta crueza, jamais as poderemos ignorar, como se não existissem. Não podemos ficar indiferentes a tanta incúria, praticada em algumas instituições, cujo fim não pode ser apenas o lucro fácil.

Os idosos que tanto trabalharam para nos criar e para desenvolver o país, merecem mais e melhor. Como os números revelam, esta geração de idosos é muito numerosa e tende a crescer ainda mais. Segundo a Pordata, entre 2000 e 2019, existiam mais de 596.822 residentes em Portugal, com 65 ou mais anos. E, do total de agregados domésticos unipessoais, em 2019, era de 934,1, sendo 513,2 pessoas do mesmo escalão etário. Segundo notícia da revista “dinheiro vivo”, em 2019, existiam 729 lares privados, com capacidade para cerca de 2200 idosos, representando um negócio de 330 milhões de euros.

Pelo que temos sabido ao longo de um ano da covid.19, em muitas residências para idosos, o lucro egoísta tem-se sobreposto ao cuidar das suas necessidades.

Para lidarmos com esta nova realidade, temos que nos preparar para um novo paradigma societal em que os mais velhos vão superar os mais novos. Os problemas daqui decorrentes têm a ver com o futuro da Segurança Social e do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Como é sabido, o modo como uma sociedade trata a sua população mais idosa, revela bem o grau do seu desenvolvimento civilizacional.

Quanto a nós, o ser velho não devia ser igual a estar condenado a esperar pela sua morte, mas ser considerado e tratado como uma pessoa, com direito a viver os seus últimos dias com a maior dignidade possível. Se bem pensarmos, nenhum de nós teria nascido e aprendido a viver, sem os que hoje são chamados os velhos. Os muçulmanos e os chineses, quando, a este respeito, se referem à civilização ocidental, consideram abjeta a forma como nós tratamos os nossos velhos, descartando-os quando podiam ainda permanecer nas suas casas, com o apoio social, devido a cada situação. Rematamos, chamando a atenção para a nossa problemática situação demográfica. Hoje, em Portugal nascem muito poucas crianças e, uma boa parte dos idosos acaba por morrer sozinho nos lares ou em suas casas, considerados como “mortos vivos”. Temos de virar a página.

florentinobirao@hotmail.com

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.