Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Animus Semper

Animus Semper

Palavra do Sr. Bispo

ACREDITES OU NÃO, TAMBÉM MORREU POR TI!...

1.jpg

 

Nascido numa família humana, saudável e cheio de vitalidade, cresceu em sabedoria, estatura e graça. Trabalhou de carpinteiro e tinha um grande projeto a realizar: o projeto do Seu Pai para a salvação dos homens. Como qualquer ser humano, porém, Jesus sentia fome, sono, sede, cansaço, era sensível perante o sofrimento e a morte alheia, chorou por Lázaro, chorou sobre Jerusalém. De olhar penetrante, bondoso e delicado, dia após dia e noite após noite, nas margens do lago, no cimo dum monte ou onde quer que fosse, Ele fascinava, cativava, edificava as multidões que o procuravam e Lhe pediam que as não deixasse. A Sua maneira simples de ensinar as coisas mais complexas deixava qualquer sábio pedagogo boquiaberto. A expressão do Seu olhar manifestava força e determinação, firmeza de vontade, equilíbrio de emoções, alegria e paz. Aqueles que O ouviam, ficavam maravilhados com a Sua inteligência e nunca conseguiram apanhá-l’O em qualquer laço que lhe armadilhassem. Tinha como amigos os simples, os humildes de coração, os pequeninos, os pobres em espírito. Os inimigos foram os ambiciosos, os hipócritas, os duros de coração, os que se julgavam justos, bons e sabedores. Seguido e acarinhado pelas multidões, a elite mais incomodada com a Sua pessoa faziam correr as opiniões mais díspares sobre quem é que Ele seria e o destino a dar-Lhe.
E que fazer-Lhe se tanta mossa estava a causar a instalados no poder e na injustiça, a sábios de leis e costumes inúteis, a religiosos de piedade fingida e rotineira, Ele que dizia conhecer as Escrituras, que as Escrituras davam testemunho d’Ele e que até já existia antes de Abraão? 
Que fazer a este homem que congregava os injustiçados, absolvia os pecadores, curava os doentes, dava vista aos cegos, o andar aos leprosos, a vida aos mortos, ordenava ao mar, repreendia o vento, abalava as estruturas do tempo, chamava hipócritas aos que se julgavam justos porque falsos e fingidos, mandava dar a Deus o que é de Deus e a César o que é de César e até disse que edificaria o Templo em três dias? 
Que fazer a quem reunia multidões que até se esqueciam de comer, expulsava os vendilhões do Templo, falava como quem tem autoridade, mandava até nos espíritos maus, expulsava demónios, desobedecia à lei do sábado e do jejum, oponha-se ao divórcio, ensinava que a autoridade é serviço, que quem quisesse ser o maior se tornasse o mais pequenino de todos, que era preciso nascer de novo, que desviava para si a atenção do povo, dos jovens e das crianças, que lavava os pés aos discípulos e se manifestava tão subversivo na serenidade e tão pacificamente revolucionário?
Que fazer a este homem que multiplicou os pães e os peixes, que fez abundar a pesca e transformou a água em vinho, que passava noites inteiras em oração e apreciava a natureza, a noite, as montanhas, o mar, que chamava a atenção para a beleza dos lírios dos campos que nem trabalham nem fiam, e para os passarinhos que não semeiam, não colhem, nem juntam em armazéns e Deus cuida de uns e outros, Se servia de imagens da natureza para comunicar e ensinar, em pequeninas histórias, a beleza da Sua mensagem?
Que fazer quando os Seus próprios parentes diziam que Ele “tinha ficado louco”, os doutores da lei afirmavam que Ele estava possuído por Belzebu, que era um blasfemo e uma espécie de formiga branca na sociedade, um terrorista social indesejável?
Que fazer a este homem que à Samaritana Se apresenta como o Messias que havia de vir ao mundo, no Seu Batismo e na Transfiguração o Pai Se manifesta dizendo que Ele é o Seu filho muito amado, Natanael professa que Ele é o Filho de Deus e Rei de Israel, Marta afirma que Ele é o Cristo, o Filho de Deus que haveria de vir ao mundo, os Apóstolos pescadores reafirmam que verdadeiramente Ele é o Filho de Deus, e Ele próprio afirmava que Deus era seu Pai, dizia-se igual a Deus, que Ele e o Pai eram a mesma coisa, e mesmo diante do Pontífice afirma ser o Messias, o Filho de Deus, que era rei mas que o seu reino não era deste mundo, e até os anjos O vieram servir no deserto?
Que fazer a este homem a quem até o vento e o mar lhe obedecem, o povo se extasia porque nunca ouviu ninguém falar como esse homem, nunca viu nem ouviu coisa assim, que presenciou e viu, na verdade, fazer coisas tão estranhas? 
Isto era coisa demais para aquelas cabecinhas muito seguras de si e donas da verdade. Eles pensavam ter o monopólio de falar sobre o Messias que haveria de vir. Sim, até pensariam que Ele, o Messias, ao chegar, até haveria de ir ao encontro deles para os saudar com mesuras e salamaleques e lhes perguntar o que é que havia a fazer e se lhe permitiam fazê-lo! 
Mas Jesus não deu o braço a torcer, era livre demais, sabia o que queria e era obediente ao Pai. Veio para os pecadores e para os doentes que precisavam de médico. Mas a coisa foi-se tornando insustentável, foi-se agudizando cada vez mais, tornou-se mais incómoda, mais tensa, sem saberem muito bem o que Lhe haviam de fazer. É verdade que alguns daqueles que ouviam as palavras de Jesus diziam: De onde Lhe vem esta sabedoria e estes milagres? Este homem não é filho do carpinteiro? A Sua Mãe não se chama Maria e Seus parentes não são fulano e fulano …? Então de onde Lhe vem tudo isto?. E escandalizavam-se por causa de Jesus. Outros diziam que Ele era João Batista; outros, Elias; outros ainda, que era Jeremias ou algum dos profetas. Outros, por sua vez, diziam: «Ele é realmente o Profeta». Outros afirmavam: «É o Messias». Outros, porém, diziam: «Poderá o Messias vir da Galileia? Não diz a Escritura que o Messias será da linhagem de David e virá de Belém, a cidade de David?». Outros, casquilhavam: “É um profeta como os profetas antigos”. Herodes, porém, disse: “Ele é João Batista. Eu mandei-o decapitar, mas ele ressuscitou”. E vós quem dizeis que Eu sou?, perguntou Cristo a Pedro e Pedro respondeu: “Tu és o Messias”, “o Filho de Deus vivo”.
Até que a medida transbordou. Chegada a hora, pelo silêncio da noite, lá veio uma multidão, armada de espadas, paus e varapaus ao encontro de Jesus e Judas entrega-O com um beijo! Aquele que passou pelo mundo fazendo o bem, estava numa angústia de morte, suou sangue, foi preso, traído pelos amigos, abandonado pelas multidões, levado de Anás para Caifás, de Caifás para Pilatos, de Pilatos para Herodes, de Herodes para Pilatos, esbofeteado, cuspido, flagelado, vilipendiado, zombado, escarnecido, coroado de espinhos. E Pilatos disse: “não encontro nenhum crime n’Ele” e “Herodes também não encontrou”. E a mulher de Pilatos mandou dizer-lhe: “não te envolvas com esse justo”. Mas eles gritaram: “Mata esse homem! Solta-nos Barrabás”, “Crucifica-O, crucifica-O”. “Mas que mal fez Ele?”, “Crucifica-O”. Pilatos, porém, para agradar à multidão, dizendo que não era responsável pela morte desse homem, lavou as mãos, mandou flagelar Jesus e entregou-O para ser crucificado. Pregaram-n’O na cruz, deram-Lhe vinagre a beber, sortearam as Suas vestes, insultaram-n’O, ironizaram, espetaram-Lhe uma lança no peito, mataram-no, injustiçado, sem dó nem piedade, e confirmaram a Sua morte. O oficial do exército, porém, que estava em frente da cruz, ao ver como Jesus tinha expirado e os fenómenos que se associaram a este momento, exclamou: “Verdadeiramente, este homem era o Filho de Deus!”. Infelizmente, este reconhecimento veio tarde demais para Jesus, mas, por certo, foi momento de graça para esse centurião. No entanto, a morte de Jesus continua a ser escândalo para uns e loucura para outros, mas poder e amor de Deus para todos, quer se queira e se acredite quer não se acredite nem se queira.

Antonino Dias
Castelo Branco, 29-03-2018

Outro aniversariante

É a vez do Paulo Alves!

Paulo Alves.jpg

 

Nasceu em 30-03-1973 e hoje vive no Carregado. Casado com a Maria José Costa, com dois rebentos muito felizes pelos pais que têm, do Paulo não sabemos mais. 

Assim, aqui deixo ao Paulo os PARABÉNS deste grupo com raízes nos seminários de Portalegre e Castelo Branco, desejando-lhe as maiores felicidades por uma longa vida.

E não esqueças, Paulo, que melhor que as relações virtuais são os encontros reais com os outros que viveram as mesmas experiências. Pensa ir até Portalegre em 19 de Maio.

Contacto: tel. 966 080 422

As tentações e o Diabo

Anselmo B.jpg

E não digam que não têm pecado!... AH

 

1 - Também por influência do Papa Francisco, está-se a rever, em várias línguas, a tradução do "Pai Nosso". A tradução portuguesa, pedindo a Deus: "Não nos deixeis cair em tentação", está de acordo com a mudança que o Papa quer fazer. Noutras línguas - alemão: "führe uns nicht in Versuchung", inglês: "lead us not into temptation", francês: "ne nous soumets pas à la tentation" -, está o pressuposto erróneo de que Deus é responsável pelas tentações que levam ao pecado, pois seria ele que nos conduz ou submete à tentação. Ora, se Deus é amor, não tenta as pessoas. Na Carta de São Tiago lê-se: "Ninguém diga, quando for tentado para o mal: "É Deus que me tenta." Porque Deus não é tentado pelo mal, nem tenta ninguém. Cada um é tentado pela sua própria concupiscência, que o atrai e seduz." Deus nada tem que ver com o mal, pois é o Bem e o Anti-Mal.

2 - Fica a pergunta: é o diabo que nos tenta? O Papa Francisco disse recentemente que "Satã é uma pessoa, e muito manhosa, que entra com os seus modos sedutores". Ele tenta, pois é o seu ofício.

Penso que, aqui, é I. Kant que tem razão, ao colocar na boca de um catequizando iroquês a pergunta: Porque é que Deus não acabou com o diabo? E: Se os diabos nos tentam, quem tentou os anjos, para, de anjos bons, se tornarem maus e demónios? Colocar o diabo ao lado de Deus, no quadro de um dualismo maniqueu, é uma contradição. O diabo não faz parte do Credo. O diabo não explica nada. O mal é inevitável por causa da finitude. Não é preciso o diabo para explicar as tentações. O ser humano, dada a sua natureza finita, carente, tensional, será sempre tentado, isto é, seduzido pelas "vantagens" aparentes do mal e pode cair na tentação e praticar o mal e o pecado. E o que é o pecado? Aquilo que, pelo mau uso da liberdade, nos faz mal, a nós e aos outros.

Exemplos de tentações. Não há a tentação de comer e beber de modo irracional, prejudicando a saúde? E a tentação da preguiça, que leva jovens a não estudar convenientemente? E os pais que dão coisas, imensas coisas, aos filhos, mas lhes não dão o mais importante, decisivo: o seu tempo? E a tentação do prazer desregrado, usando outros e envenenando a própria vida? A tentação da corrupção activa e passiva, sufocante, que corrói a sociedade. A tentação da fuga aos impostos. A tentação da mentira com a máscara da verdade. A tentação do ódio, da vingança e da loucura. A tentação de nadar no egoísmo e na negligência nas diferentes profissões, que levam a prejudicar estudantes, doentes, empresas, o bem público. E a tentação da calúnia e da destruição do bom nome de alguém, em proveito próprio ou do partido ou da empresa? A tentação da arrogância e da ostentação, que humilham. A tentação de exercer o poder político em conluio com interesses outros que não o bem comum, por exemplo, interesses partidários. A tentação da gestão de notícias segundo o timing das eleições. A tentação de legislação manhosa, enganadora (gestação de substituição, cannabis...). A tentação da indiferença, de não estar para isso, quando uma palavra ou um gesto poderiam ser redentores de alguém perdido. A tentação de condução na estrada, com desprezo pelas regras de trânsito, a velocidades loucas, colocando em risco a vida própria e a dos outros. E a tentação do luxo e da ganância, que conduzem à idolatria do dinheiro, levando ao roubo descarado e tantos à miséria e à desgraça sem fim? E a incompetência na gestão e o suborno e a vaidade? A tentação da falta de compaixão activa. A tentação de palavras agrestes para alguém que não nos é simpático. A tentação de controlo dos meios de comunicação social, a favor de interesses próprios, familiares, partidários. E a tentação de engenharias financeiras, para encobrir a real situação da economia e levar a ilusões? E a tentação de legislar em proveito próprio, sem esclarecimento público? A tentação de impor um laicismo agressivo, contra a sã convivência e um futuro melhor, com sentido e sentido último. A tentação da luxúria, que pode levar ao abuso e exploração de menores e inocentes. A tentação da injusta distribuição dos bens e recursos. A tentação do contágio pela ignorância podre. A tentação da infidelidade e do atropelo da lealdade. A tentação da falta de atenção à natureza, à mãe Terra. A tentação do menosprezo pelos mais débeis. A tentação de arruinar o tempo em coisas e programas mesquinhos e idiotas, sem ficar tempo para o mais importante e até essencial: a família, a beleza, a música, a leitura de obras fundamentais da literatura, a oração, Deus...

Afinal, a arte da existência boa e digna, capaz de realizar adequada e plenamente a pessoa humana, depende também, se é que não sobretudo, do saber viver com os três impulsos fundamentais: prazer, ter, poder, em cujo campo se encontram as fontes das tentações.

3 - O que é que se pede a Deus? Que não nos deixe sucumbir à tentação, portanto, que não pratiquemos o mal. Ao rezar, o crente toma consciência de que Deus é Pai e Mãe, Amor e Anti-Mal, que nos criou por amor e cujo único interesse é que todos os seres humanos se possam realizar plenamente. Deus é Força infinita de criar, infinitamente presente à criação, de tal modo que, se ele se retirasse, tudo voltaria ao "donde" veio, o nada. Portanto, quando se reza, não se está a pedir a Deus que intervenha, pois ele já está presente, infinitamente presente, fazendo tudo para que o bem se realize, de tal modo que não faz sentido, por exemplo, pedir-lhe para que chova. Quando se reza, estamos a exprimir as nossas fragilidades e dores diante de Deus e a pedir a nós, se houver uma correcta compreensão da fé no Deus criador ex nihilo e ex amore, a partir do nada e por amor, que tomemos consciência do que temos que fazer: realizar o bem com todas as nossas forças, não cedendo às tentações.

Anselmo Borges, in "Diário de Notícias" (com a devida vénia)

Aniversário

VIVA O CIPRIANO!

Cipriano Pires.jpg

 É bom fazeres parte deste grupo, daqueles para quem o Gavião foi marcante nas nossas vidas, como também tu reconheces na tua página do Facebook!

Reformado de motorista nos "Horários do Funchal", o Cipriano Pires vive agora em Castelo Branco. Da idade não falo, pois não sei quuantos anos tem, mas pela foto está bem conservado.

Meu amigo, PARABÉNS por mais um, com votos de longa vida cheia de felicidade. Vê lá quando te juntas ao grupo. Conviver na realidade é melhor que olhar para uma foto, não concordas?

Contacto: tel. 966 273 574

Mais um aniversariante

PARABÉNS, EUGÉNIO!

Eugénio Branco.jpg

 

Pois é, há mais um aniversariante neste dia. Vale mais tarde que nunca....

Nascido em 28-03-49, temos o Eugénio Branco, que vive em Castelo Branco e de quem não temos muitas informações. Pode ser que com o tempo saibamos mais sobre ele. Mas parece que a música é o seu primeiro entretenimento...

Amigo, queremos dar-te os PARABÉNS por mais uma primavera. E que tenhas saúde e felicidade por muitos anos. 

Espero encontrarmo-nos brevemente. Em 19 de Maio, em Portalegre?

Contacto: tel. 966 433 955

Aniversário

José Duque.jpg

MAIS UM ANIVERSARIANTE!

 

Desta vez, é o José Duque que celebra a festa com a sua família.

Vindo das calendas de 28-03-48, aqui está ele cheio de força e capaz de viver mais uns bons aninhos.Ainda vai nos 70...

Parabéns, amigo! Sê muito feliz e cheio de saúde por muitos anos, com esposa e restante família.

E não esqueças: gostamos mesmo de te ver por aqui. Um abraço.

 Contacto: tel. 917 546 327

Há gente na luta

NEM TODOS ESTAMOS REFORMADOS! HÁ GENTE NA LUTA...

Trago hoje para aqui um texto de um nosso colega bombeiro. Que força, que arreganho em tudo o que faz! AH

 

...III Firefighter Competition...Tiago Pio.jpeg

Equipa excelente, Staff ao mais alto nível, apoio de quem foi e preparou a refeição, quem apoiou não podendo ir...vocês são grandes - é este o verdadeiro espírito da Beira.

Somos uma Equipa de desafios, sem medos, de luta. Demonstramos que estamos à altura de grandes desafios e, se isso incomoda, então vamos incomodar ainda mais com a nossa humildade, com o nosso espírito de Equipa, com o nosso trabalho diário. 
Resultado injusto? Sem dúvida que sim. 
Mas saímos de lá com consciência tranquila, empenho e sabemos do nosso potencial.
Obrigado a todos por tudo, sem esquecer ninguém. 
"Rijos como o granito" somos grandes.

Tiago Pio (Castelo Branco)

As melhoras do Colaço

QUE BOM TER-TE DE VOLTA...

Colaço1.jpg

Uma recuperação total é o que todos desejamos. AH

 

Finalmente, só para dizer que estou vivo após uma semana de internamento no hospital de Abrantes. 
Agradeço à minha família e amigos a atenção que têm tido comigo.
Darei mais noticias, já em casa sobre a minha recuperação.

António Colaço

 

Colaço2.jpg

 

Pág. 1/5