Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Animus Semper

Animus Semper

Prestem atenção...

Estamos quase na última hora e no limite das inscrições. Na quinta-feira de manhã tenho de comunicar à Superiora das Irmãs Franciscanas de Linda-a-Pastora o número final de colegas que se inscreveram. Elas têm o encargo dos abastecimentos, para ninguém passar fome nem sobrar muita comida. 

Nesta última noite de Janeiro, com a lua sangrenta, já contamos com 65 nomes, pois o Zé Pedro acaba de se inscrever, o que nos alegra naturalmente. Ainda estamos à espera de mais dois ou três... Será que adivinhamos? Nunca se tinham inscrito tantos. Oxalá que a doença não retenha ninguém...

 

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Depois de acertar horários com a responsável da casa, vamos ter:

11,00 h - Chegada dos convivas e recepção, com hipótese de um ensaio de cânticos;

12,00 h - Eucaristia;

13,00 h - Almoço (não nos podemos atrasar...)

15,00 h - Sessão da tarde no Auditório com o programa anunciado.

17h30 – Café e chá com bolos, no bar.

18H00 – Encerramento.

 

E boa-viagem a todos. AH

 

 

 

Mais um aniversário

Tiago Pio.jpeg

Aqui estamos a saudar os 36 anos do nosso amigo Tiago Pio, que nasceu em 1982.

Um jovem, muito jovem, com espírito lutador...

Pelo Facebook, sabemos que é bombeiro de profissão no agrupamento de Castelo Branco.

Continua a estudar...

PARABÉNS, TIAGO! Muita saúde, que é uma preocupação tua! Muitas felicidades, muitos amigos...

E que consigas escalar todos os teus objectivos. Abraço deste grupo.

Contacto: tel. 964 522 404

Números quase definitivos...

Avatar nosso.PNG

 ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DOS SEMINÁRIOS DA DIOCESE DE

 PORTALEGRE E CASTELO BRANCO

   COMISSÃO ANTIGOS ALUNOS SPCB

(comasalpcb@gmail.com)

(asal.mail@sapo.pt)

 

ENCONTRO - CONVÍVIO DE 03 DE FEVEREIRO DE 2018

 (SÁBADO)

 

Local do Encontro: Congregação das Irmãs Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, Rua Madre Maria Clara, 1- Linda - a - Pastora



INSCRIÇÕES PROVISÓRIAS

 

Abílio Cruz Martins (2)

Alberto Duque (2)

Alexandre Nunes (2)

António Colaço (2)

António Eduardo (2)

António Henriques (2)

António Martins Cardoso (1)

António Pequito Cravo (1)

António Reis (1)

António Rodrigues Lopes (2)

Armindo Dias (1)

Armindo Luís (2)

Augusto Rei (2)

Eduardo Calção (1)

Ernesto Jana (2)

Florentino Beirão (1)

Francisco Cardosa (1)

Francisco Correia (2)

Francisco Cristóvão (1)

João Chambel (1)

João Correia Neves (1)

João Oliveira Lopes (2)

João Pires Antunes (1)

João Torres Heitor (2)

Joaquim Dias Nogueira (2)

Joaquim Mendeiros (2)

José Andrade (2)

José Castiço (1)

José Centeio (1)

José Duque (1)

José Figueira (1)

José Lourenço (2)

José da Luz Carvalho (2)

José Manteigas Martins (2)

José Maria Lopes (1)

José Maria Martins (1)

José Ventura Domingos (1)

Lúcio Alves Nunes (1)

Lúcio Lobato (1)

Manuel Bugalho (2)

Manuel Inácio (2)

Manuel Pereira (1)

Manuel Pires Antunes (1)

Total : 64

Inscrições, até 01-02-2018, por e-mail, facebook ou para qualquer dos seguintes elementos da comissão: Heitor 967 421 096 –Nogueira 919 482 371-Pires Antunes 919 414 179 - A. Henriques -917 831 904- Mendeiros 969 015 114.

 

Saudações Associativas

Lisboa, 30 de janeiro de 2018

P’A Comissão

Joaquim Mendeiros

 

Mais um tema para sábado

IMG_20180130_170401.jpg
No próximo sábado, outro tema que vai ocupar as nossas atenções durante o Encontro de Linda-a-Pastora é a reflexão que o João Lopes fará acerca do recente livro publicado pelo Florentino Beirão - "Salazar e a Escola Primária - Concelho de Castelo Branco". Para aguçar o apetite, publica-se esta pequena notícia saída num jornal da região. AH 
 
 
Florentino Beirão apresenta "Salazar e a Escola Primária"
 

«Salazar e a Escola Primária – No Concelho de Castelo Branco é o título do livro da autoria de Florentino Beirão, que foi apresentado sábado em Alcains.
Na apresentação da obra, o autor recordou que o principal objetivo do livro “foi revisitar parte da minha infância, nos anos em que frequenteis a escola primária em Alcains, na Escola da Pedreira, entre 1951 e 1955”.
Florentino Beirão relembrou, por isso, alguns episódios da sua vida enquanto criança, para adiantar que no livro, “através das suas páginas, poderemos tentar compreender que cidadão o Estado Novo tentou socializar, para se integrar na sociedade idealizada pelo regime Salazarista. Tudo o queFlorentino.jpg se programa para a escola, de modo totalmente centralizado, com o mesmo figurino, devia contribuir para que a criança fosse educada para viver num estado com características autoritárias a exigir obediência cega aos superiores, detentores da verdade absoluta”.

Acrescentou que “através deste livro, poderemos auscultar o modo de como o Estado Novo tentou construir o seu Homem Novo, por oposição ao velho modelo do cidadão republicano, supostamente, antipatriótico, anticlerical e liberal”.
Florentino Beirão adiantou também que “ver-se-á ainda de como a Igreja, sobretudo através da sua hierarquia, muito se colou ao Estado novo, no desenvolvimento das suas políticas autoritárias, católicas, imperialistas e censórias”».

In «Gazeta do Interior» - 7/06/2017

Um pedido muito especial

Será que a tarefa é exagerada para os tarefeiros disponíveis? Mas não seremos capazes de escrever uma palavra sobre os nossos professores? Ninguém nos pede uma biografia. Podemos referir apenas uma característica, um caso, uma graça que a memória nos conserva... Se dois se juntarem a falar de um professor, logo virão as achegas... AH

 

Avatar nosso.PNG

 

ENCONTRO DE 19 DE MAIO DE 2018 EM PORTALEGRE

 HOMENAGEM AOS NOSSOS PROFESSORES JÁ FALECIDOS

LIVRINHO “PROFESSORES III”

RELAÇÃO DOS PROFESSORES CONHECIDOS

 

 

 

Caros Amigos,

Precisamos do vosso testemunho sobre os professores falecidos que iremos incluir no livrinho de homenagem “PROFESSORES III” a apresentar no Encontro de Portalegre, em 19 de maio de 2018. Como já foi divulgado, além de cada autor poder escrever um texto único sobre um professor, ou sobre vários professores, poderão também vários autores escrever, em parceria, sobre o mesmo professor, concertadamente ou não (neste caso, com testemunhos mais sintéticos, fazendo nós a coordenação, tendo em conta o espaço disponível de cada página, em formato A5).

Aqui reiteramos o CONVITE àqueles que, de boa vontade, quiserem colaborar, indicando-nos o nome do professor sobre o qual pretendam escrever, devendo o texto ser-nos remetido até 28 de fevereiro de 2018.

Neste momento, já temos autores comprometidos para escrever sobre alguns professores, como se indica na relação que abaixo publicamos, aguardando-se a escolha dos voluntários pelos e-mails da Comissão, pelo facebook, pelo meu e-mail (jmendeirospedro@gmail,com) ou pelo meu telm 969 015 114.

 

I - Professores no Gavião

Pe Alberto Dias Tavares

Pe Albino Alves Nunes 

Pe Álvaro Pereira de Jesus

Pe Aníbal Dias Branco

Pe António Lobato Novo – António Lopes

Pe António Lopes Marujo

Pe David Dias Rosa: Cardigos

Pe Domingos da Conceição Pires e Moura – Florentino Beirão

Pe Emílio Ramiro de Andrade Salgueiro

Pe Francisco Gonçalves Justo.

Pe João Rosa Velez

Pe José dos Santos Eusébio

Pe Manuel Baltazar Martins  

Pe Sebastião Marques Fernandes 

 

II – Professores em Alcaíns

(Pe) Agostinho Pires Beato

Pe (Cónego) Anacleto Pires da Silva Martins

Pe António Lopes.

Pe António Miguel Ferreira – Joaquim Nogueira

Pe Francisco Rodrigues Chaves – António Gil (Em parceria)

Pe (Monsenhor) João José Álvares de Moura – Joaquim Mendeiros

Pe João Rodrigues Vermelho

Pe (Cónego) Joaquim Maria Marques Falcão

Pe (Monsenhor) José Maria Félix

Pe José Ribeiro Rei

 Pe José Rolo Dias

Pe. Manuel Heitor 

Pe Victor José Gonçalves Beirão

 

III – Professores em Marvão e/ou Portalegre

Pe (D) António Baltazar Marcelino

Pe António da Silva Pires – António Henriques

Pe Augusto Dias Lopes

Pe. Elias Lopes

Pe. Francisco António Rosado Belo

Pe (Cónego) Henrique Pires Marques

Pe. João José Saraiva Diogo

Pe. Joaquim Cabral

Pe (Cónego) José Brás Jorge

Pe José Dias Heitor Patrão. - António Henriques

Pe José Lourenço Pinheiro

Pe (Cónego) Manuel Lopes de Sousa Ferreira – João Lopes

Pe Manuel Martins Pinheiro – António Gil (Em parceria)

Pe Manuel Rodrigues Martins – António Henriques

 

Em 29 de janeiro de 2018

Saudações associativas,

Joaquim Mendeiros

Parabéns!

Abílio Delgado.jpg

Mais um proencense a fazer anos.

 

É o Abílio Delgado, do Vergão Fundeiro, um bancário assumido na reforma e a viver com todo o gosto e muita alegria ali ao lado, na turística Ericeira. 

Ele, que nasceu em 1949, desta vez está envolvido em dobradas contorções, o que não impede que seja mais um dia cheio de boas recordações e felizes celebrações.

Por isso, estamos contigo, Abílio, com os nosso PARABÉNS e votos de muita alegria e saúde por muitos anos.

Contacto: tel. 936 273 580

Um grito impressionante...

muhammad-yunus.jpg

Texto final do discurso de Muhammad Yunus quando recebeu o Prémio Nobel da Paz. Impressionante a clareza do seu pensamento. AH

 

CRIAMOS O QUE QUEREMOS

 

«Nós aceitamos o que queremos ou o que não recusamos. Aceitamos o facto de que haverá sempre pobres à nossa volta, que a pobreza faz parte do destino humano. É precisamente por isso que continuamos a ter pobres à nossa volta. Se acreditássemos firmemente que a pobreza é inaceitável, que não deve ter lugar numa sociedade civilizada, teríamos criado instituições e politicas que constituíssem um mundo livre de pobreza.  

 

Queríamos ir à lua e fomos. Nós conseguimos o que queremos conseguir. Se não estamos a conseguir nada é porque não nos empenhamos o suficiente. Nós criamos o que queremos.

O que queremos e o que conseguimos atingir depende da nossa atitude mental. É extremamente difícil alterar mentalidades quando estão formadas. Criamos o Mundo de acordo com a nossa mentalidade. Temos de inventar maneiras de, continuamente, mudar a nossa perspectiva e, rapidamente, alterar a nossa mentalidade, à medida que surgem novos conhecimentos. É possível reconfigurar o mundo, se reconfigurarmos as nossas mentalidades.

 

PODEMOS PÔR A POBREZA EM MUSEUS

 

Acredito que podemos criar um mundo livre de pobreza porque a pobreza não é criada por pobres. Foi criada e é sustentada por um sistema social e económico que desenhámos para nós próprios; as instituições e conceitos que formam esse sistema; as políticas que seguimos.

 

A pobreza existe porque construímos um enquadramento teórico baseado em premissas que desvalorizam a capacidades do ser humano, criamos conceitos que são demasiado limitados (como o conceitos de negócio, solvência, empreendedorismo, emprego) e instituições incompletas (como instituições financeiras que deixam os pobres de fora). A pobreza é causada mais por uma falha a nível conceptual do que por incapacidade das pessoas.

 

Acredito convictamente que podemos criar um mundo livre de pobreza se todos acreditarmos em conjunto. Num mundo livre de pobreza o único sítio onde será possível ver pobreza será nos museus. Quando as crianças em idade escolar fizerem visitas aos museus da pobreza ficarão escandalizadas com a miséria e a indignidade que alguns seres humanos tiveram de sofrer. Culparão os seus antepassados por terem tolerado esta condição desumana que durante tanto tempo existiu para tanta gente.

 

O ser humano nasce neste mundo que tem capacidades, não só para cuidar de si próprio mas para contribuir para o melhoramento do bem-estar do mundo inteiro. Alguns têm a oportunidade de, de alguma forma, explorar esse potencial, mas muitos outros nunca chegam a ter oportunidade, durante a toda sua a vida, de desembrulhar esse maravilhoso presente com que nasceram. Morrem sem que as suas capacidades alguma vez tenham sido exploradas e o mundo fica privado da sua criatividade e contribuição.

 

O Grameen deu-me uma inabalável fé na criatividade do ser humano e fez-me acreditar que o ser humano não nasceu para sofrer a miséria da fome e da pobreza.

 

Para mim os pobres são com as árvores bonsai. Quando se semeia a melhor semente da árvore mais alta, num vaso, obtém-se uma réplica da árvore mais alta, mas só com uns centímetros de altura. Não há nada de errado com a semente que se semeou, apenas o solo onde foi plantada é que não é adequado. Os pobres são como bonsais. Não existe nada de errado com as suas sementes. A sociedade é que não lhes proporcionou as bases para crescerem. Tudo o que é preciso para tirar os pobres da pobreza é criarmos um ambiente que lhes seja favorável. Uma vez que eles consigam libertar a sua energia e criatividade a pobreza desaparecerá muito rapidamente.

 

Juntemos as mãos para que todos os seres humanos tenham a justa oportunidade de libertarem a sua energia e criatividade.

 

Minhas Senhoras e meus Senhores,

 

Gostaria de concluir expressando a mais profunda gratidão ao Comité Nobel Norueguês por reconhecer que as pessoas pobres, e em especial as mulheres pobres, tem o potencial e o direito a uma vida decente e que o microcrédito ajuda a libertar esse potencial. 

 

Acredito que esta homenagem que nos fizeram inspirará por esse mundo fora, muitas outras iniciativas ousadas, capazes de proporcionarem um avanço histórico no processo de erradicação da pobreza global.

 Muito obrigado.»

 

NOTA: José Centeio, vamos gostar de te ouvir falar desta problemática no próximo sábado. 

Parabéns, Celestino!

Desta é que é de vez...

Celestino.jpg

Por erro na listagem que usamos para anunciar os aniversários, o Celestino constava no dia 26/01. Só depois reparei que o mesmo Celestino também era nomeado no dia 28. Mas, depois de publicar a notícia, eu podia corrigir o texto no blogue, mas não no Facebook, em que há automatismos inultrapassáveis. Pedi desculpa ao Celestino e pronto...

Isto faz-me lembrar o Sr. Cón. Assunção (foi depois para a Venezuela...) quando na Sé Catedral insistia com as crianças: «digam todos "Parabéns, Menino Jesus"», mas a coisa não saía bem e então bradava:

- Esta não valeu. Foi só ensaio... Digam outra vez, todos juntinhos: Parabéns, ......

 

É o que estamos a fazer agora: PARABÉNS, CELESTINO!Celestino.jpg

Muitas felicidades e muita saúde junto dos familiares e amigos.

 

Celestino Pinheiro, do Vale da Mua, nascido em 28-01-55 e contactável pelo n.º 967934495, frequentou as Universidades do Porto e Católica, leccionou na Secundária de S. João da Madeira, onde vive, e presentemente goza a sua jubilação, sem ter parado ainda. 

Vejam este bigodes a leccionar Português na Universidade Sénior da sua terra, com os alunos mais interessados do mundo. Bonita vida. Sim, eu bem o sei...

 

Parabéns!

MAIS UM ANIVERSARIANTE, O LUÍS COSTAluis.jpg

 

Aqui registamos o evento: O Luís Costa, de Castelo Branco, faz hoje 67 primaveras. Deixamos um abraço de PARABÉNS e votos de muita saúde e felicidade por muitos anos. 

Olha lá, como estão as nossas dívidas (debita nostra)? Não me digas que ainda não estão saldadas, com tanto esforço que temos feito...

É tempo de falar de créditos: créditos de amizade, de presença, de encontro, e, porque não, de colaboração no nosso ANIMUS SEMPER. 

Estamos à espera... Um abraço. AH

Da Parreirinha, sempre novidades

AS ÚLTIMAS001.JPG

 

Pois, porque é que não fui a Carnide? Sempre via uns amigos que hÁ muito não apareciam...

E que amigos!... Trazem máquina fotográfica e tudo para registar o momento...

Eu, que fiquei em casa a celebrar a amizade num almoço com mais 40 colegas aposentados da Paulo da Gama e a bater palmas às 25 universidades que vieram ao Seixal participar no concurso "O saber não tem idade", tenho ricas razões para ter faltado, mas gostava de também lá estar... Podia ter combinado com o Tó Manel uma ida à sua casa dos Vales.

E quem ganhou? Desta vez, ganhou a Universidade Sénior de Odivelas e o Seixal ficou em segundo lugar. Parabéns!

O vídeo é pequenino, mas é a prenda que vos ofereço. AH

 

 

 

 

Pág. 1/6