Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

O Seminário Maior em Marvão

 COM LAIVOS PICARESCOS E TUDO!

19-05-2012 PORTALEGRE 134.jpg

 

Mais uma rica colaboração do Fernando Cardoso Leitão, a aguçar-nos o apetite para o encontro de 20 de Maio em Marvão. As inscrições decorrem em bom ritmo, sim, senhor! AH

 

“Dar respostas do passado a perguntas do presente”

 igreja espírito Santo.jpg

D. António Ferreira Gomes adquirira, em Portalegre, o terreno (Tapada de D. Fernando), onde projectava construir o Seminário. Até lá, era urgente a instalação provisória dos Cursos de Filosofia e Teologia. Foi o presidente da Câmara de Marvão, Manuel Berenguel Vivas, que, na altura, disponibilizou imóveis para esse efeito, cedendo o prédio anexo à Igreja do Espírito Santo para duas salas de aula/estudo, sala de convívio, refeitório, cozinha e quartos dos professores. A camarata dos filósofos foi preparada na capela de Santa Maria, de estrutura gótica modificada, hoje Museu Municipal e a dos teólogos num salão, no piso superior dos CTT.

Se a memória me não falha, o Corpo Docente era constituído por: Cónego José Brás Jorge, Vice-Reitor; Cónego Manuel Sousa Ferreira, diretor espiritual; Dr. Manuel Rodrigues Martins, prefeito dos teólogos; Pe. Augusto Dias Lopes, prefeito dos filósofos; Dr. António Pires e Pe. Manuel Martins Pinheiro.

A camarata dos filósofos estava disposta em duas alas de camas na nave central e algumas na capela-mor e ao fundo, junto à porta principal, uma vez que o acesso se fazia pela lateral. Recordo que o António Rito tinha a sua cama ao fundo e o Duarte Luís na capela-mor.  Uma noite, daquelas em que vem à mente fazer partidas, deu-me na cabeça de pregar um susto ao Duarte Luís, de saudosa memória, que, entretanto, havia ido à casa de banho que funcionava numa divisão anexa, sendo a oposta o quarto do Prefeito, Pe. Augusto Lopes. Escondendo-me na sua cama, pensava eu que o amedrontava, quando afinal fui eu que tive de gritar por socorro porque, ao descobrir-me como intruso nos seus domínios, não parou de me apertar o pescoço. O Prefeito apareceu querendo saber do autor de todo aquele alarido. E, acendendo a luz, deu de caras com o

infractor que, cabisbaixo, assumiu a responsabilidade, vindo de imediato a recriminação: ”É assim que o Leitão se prepara para receber as ordens menores?” Não sei se me tinha candidatado à tonsura ou às restantes: ostiário, leitor, exorcista, acólito, mas o que retenho é que o Conselho decisório me concedeu voto favorável. Antes de nos deitarmos, tínhamos sessões de ginástica orientadas por este Prefeito que muitas vezes facultava o seu quarto para ouvirmos os relatos de futebol pela voz de Artur Agostinho. Foi ainda pioneiro na organização, nas férias grandes, de acampamentos, recordando as peripécias neles vividas no Tramagal, Martinchel e Castelo Novo (Alpedrinha). 

 A limpeza dos quartos dos professores era feita pelos seminaristas mediante uma escala estabelecida. Essa tarefa coube-me, por altura dos exames. Procedia à limpeza do escritório do Pe. Augusto, quando descubro na sua secretária o enunciado da prova escrita de Grego. Deu para fixar a fábula de Esopo e o questionário gramatical. Apliquei-me no estudo e tirei a maior nota, 15 valores na altura, dispensando da prova oral. Este episódio fez despertar em mim uma preferência por esta disciplina, em detrimento do latim que, mais tarde, se evidenciou Igreja S. Maria.jpgao fazer o estágio de Clássicas no Liceu de Abrantes.

  Com a entrada do D. Agostinho de Moura na Diocese, de imediato visitou Marvão e aí nasceu toda uma campanha mobilizadora para a construção do novo Seminário, tendo reunido as verbas necessárias à sua conclusão, urgência que este Prelado sentira, considerando indesejáveis as instalações em que funcionava o Seminário. Três anos depois, em Outubro de 1955, era a sua inauguração, iniciando-se o ano letivo com 62 alunos de filosofia (7º e 8º anos) e teologia(9º a 12º).

 

Fernando Cardoso Leitão Miranda                                                                                                                                                                                                                  Igreja de Santa Maria

1 comentário

Comentar post