Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

NATAL EM PROENÇA

Tó Manel.jpg

O Florentino Beirão, nosso colega e amigo, também lá foi... Brevemente virão mais umas notas do evento. AH

 

"O NATAL DOS VELHOS" 


Foi ontem, dia 13/12, à tarde, pelas 17h,no Auditório Municipal que começou a FESTA DE NATAL da Universidade Sénior de Proença a Nova (USPN).
Ao Reitor e à Vice-Reitora ficaram destinados os papéis de mestres da cerimónia.
À abertura feita pelo Presidente da Câmara Municipal de PN, Eng. João Lobo, seguiram-se as intervenções dos convidados. O Professor Doutor Ricardo Pocinho falou do “NATAL dos VELHOS”. Entusiasmou e encantou a plateia. De uma conversa brilhante, com uma abordagem inovadora da “terceira idade”, ficaram as seguintes notas: “O Natal dos Velhos é igual ao Natal dos Novos. Cada um de nós vive o tempo em que está…” e “Quem sabe muito nunca chega a velho.” O Dr. Florentino Beirão viajou pelo Natal ao longo dos séculos desde o império romano passando pela idade média, pela reforma protestante, pelo barroco, pela modernidade… Acabou na contemporaneidade do “nosso” natal consumista e consumidor.
Alunos e professores da USPN, de Proença e da Sobreira, apresentaram várias actividades cénicas, musicais e literárias. A turma de Teatro da Professora Felícia, do Pólo da Sobreira, apresentoProen5.jpgu a cena “Sensibilidades Natalícias”. A turma de Música do Professor Paulo Felício, trouxe uma canção de Natal “Dá-me o teu Menino” com acompanhamento instrumental da aluna Leonor. Um grupo de alunos da turma de Literatura leu quadras natalícias “Perenidades” e “O Madeiro e o Menino”, da autoria do Professor António Gil. 
A tarde terminou com a subida ao palco de um “Auto de Natal” pelos alunos da disciplina Expressão e Movimento com encenação da Professora Assunção. 
O jantar foi degustado, logo de imediato, num conhecido restaurante da vila de Proença.
Já escrevia o grande CAMÕES: “Melhor é experimentar que julgar, mas julgue quem não pode experimentar.” Isso mesmo! Quem não pode estar, nem sabe o que perdeu.
UM FELIZ E SANTO NATAL!

António Manuel Silva