Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

Leituras de férias - 2

"A Metamorfose"

KAFKA.jpg

Franz Kafka

Cardume Editores, Lda

 

«Um dia de manhã, ao acordar dos seus sonhos inquietos, Gregor Samsa deu por si em cima da cama, transformado num insecto monstruoso».

 

É fácil ler as 78 páginas da “Metamorfose”, de Kafka. Até se pode ler como um conto fantasioso para encher os tempos mortos. Mas, para mim foi uma surpresa a substância psico-sociológica que nesta historieta se pode encontrar.

De rompante, a história começa com as duas linhas que encimam este texto. Sem explicações, sem qualquer nexo de causalidade («porquê, meu Deus?»). Apenas o espanto: «O que é que me aconteceu?».

Depois deste choque inicial, inicia-se uma história de leitura fácil, que até as crianças compreendem.

Aquele bicho (barata, escaravelho?) humano, com memória, pensamento e coração, recorda a sua vida de caixeiro-viajante, cujo ordenado sustenta a família (pais e irmã). Mas, de um momento para o outro, tudo se altera com esta tão catastrófica metamorfose.

O corpo transforma-se numa enorme carapaça, rodeada de muitas pernas que não sabe controlar. Ao sair da cama, este corpo descontrolado cai no chão em grande estrondo, de onde não mais sairá, a não ser para uma rara incursão pelas paredes do quarto, que passa a ser a sua prisão. A família, ao dar pelo caso, arrepia-se, incrédula, afasta-se com receio e nojo e tenta esconder o novo habitante da casa. O pai até o pontapeia... A mãe não consegue aproximar-se e só a irmã mostra alguma compaixão, pensando que o bicho é seu irmão, da sua família, e leva-lhe umas malgas de leite como alimento. Ainda lhe limpa o quarto no princípio, mas até ela, pouco a pouco, se distancia.

Nota-se a dificuldade de as pessoas lidarem com este abstruso evento. Inicia-se mesmo um crescendo de insensibilidade no relacionamento com aquele familiar de formas estranhas, embora se reconheça que «apesar da sua forma actual, triste e repugnante, não deixava de ser um membro da família». Cresce ainda a vontade forte de esconder o caso, não dizer nada, numa absoluta reserva.

Da parte de Gregor Samsa, notamos o fundo desejo de se aproximar da família, ver a sala iluminada e os familiares à mesa ou a irmã a tocar música, arrastando uns passos para fora do quarto e chegar-se à cena..

Mas cresce o desconforto dentro de casa e de todos os que nela entram... Endurece o coração e muda a perspectiva e o relacionamento: «eu nego-me a pronunciar o nome do meu irmão diante deste monstro... temos de arranjar maneira de nos livrarmos dele» ... É a repulsa e o ódio...

O bicho sente-o e retira-se para o quarto, inanimado e triste, morrendo.

É a mulher a dias, resoluta e fria, que finalmente põe fim a esta tragédia. E a família até dá graças a Deus por esta história ter um fim.

Assim, a família que não saía de casa, vai passear para o campo e a rapariga rejuvenesce na «frescura jovem do seu corpo», palavras finais do texto.

 

E a consciência ficará tranquila?

 

António Henriques

 

NOTA: E quem quer encher estas folhas? Tanta gente que lê!...