Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

JOAQUIM NOGUEIRA ESCREVE

FELICIDADE

Joaquim Nogueira1.jpg

  

É comum considerar que FELICIDADE “ é um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico, em que o sofrimento e a inquietude são transformados em emoções ou sentimentos que vão desde o contentamento até à alegria intensa ou júbilo.”

O homem sempre procurou a felicidade, sendo difícil definir, rigorosamente, a sua medida. Pode proceder-se ao estudo da felicidade pela filosofia, pela religião ou pela psicologia.

Urge definir que tipo de comportamento ou estilo de vida leva à felicidade plena. Neste sentido, vou descrever o que foi pensado e escrito, ao longo dos tempos, considerando aspetos filosóficos, religiosos e psicológicos por grandes pensadores, socorrendo-me de estudos contidos na enciclopédia livre - Wikipédia.

 

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DAS REFLEXÕES SOBRE A FELICIDADE

 

ZOROASTRO, filósofo iraniano do século 15 a. C. , teria criado uma doutrina religiosa que se baseava numa luta permanente entre o BEM e o MAL.  Zoroastro, ao perguntar, à divindade do bem, sobre o que seria a felicidade na terra, a resposta teria sido: “um lugar ao abrigo do fogo e dos animais ferozes”; “ a existência da mulher”; “dos filhos”; e “possuir rebanhos de gado”.

CONFÚCIO defendia que, para ter uma existência feliz, se deviam “cumprir os deveres”; “ser cortês”; “ser sábio“ e “ser generoso”.

A felicidade é o tema central do BUDISMO, doutrina religiosa criada na India por Sidarta Gautama por volta do século VI   a. C. , sendo que um dos grandes mestres contemporâneos do budismo, o dalai lama Tenzin Gyalso, diz que felicidade é uma questão mental, no sentido de ser necessário , em primeiro lugar, identificar “os fatores que causam a nossa infelicidade e os fatores que causam a nossa felicidade”.

Identificados esses fatores, bastaria extinguir os primeiros e estimular os segundos para se atingir a felicidade. Aliás, diz o mesmo filósofo, que “nada adianta a posse dos fatores que causam a felicidade, como RIQUEZA, AMIGOS, etc. , sem uma disposição mental adequada para a felicidade, a qual se baseia sobretudo na SERENIDADE”.

MAHVIRA ,filósofo indiano do século VI a.C., enfatizou a importância da “NÃO VIOLÊNCIA” como meio da atingir a felicidade, tendo a sua doutrina perdurado sob o nome de JAINISMO.

Para ARISTÓTELES, que viveu no século IV a. C., a felicidade é  “uma atividade de acordo com o que há de melhor no homem”, devendo ser realizada de acordo com a virtude. Aquele que organizar os seus desejos de acordo com um princípio racional será feliz.

A conceção aristotélica de felicidade é diferente da contemporânea que considera a felicidade como a  paz  de espirito ou um estado durável de emoções positivas. Para Aristóteles um homem feliz é um HOMEM VIRTUOSO.

EPICURO, que viveu nos séculos IV e III a. C., defendia que a melhor maneira de alcançar a felicidade é “ através da satisfação dos desejos de forma equilibrada, que não perturbe a tranquilidade do individuo”.

Os ESTÓICOS, escola filosófica do século IV a. C. advogava a ”TRANQUILIDADE como meio de alcançar a felicidade, devendo a tranquilidade ser atingida através do autocontrole e da aceitação do destino.”

JESUS CRISTO defendeu ”o AMOR como elemento fundamental para se atingir a HARMONIA em todos os níveis, inclusive no nível da felicidade individual.” Esta Sua doutrina ficou conhecida como C R I S T I A N I S M O. Após a morte de Jesus, o Cristianismo dividiu-se em vários ramos, sendo um deles o CATOLICISMO onde pontificaram muitos filósofos famosos, como S. TOMÁS DE AQUINO que descreveu “a Felicidade como sendo a visão beatífica, a visão da essência de Deus”.

MAOMÉ, no século VII,  “enfatizou a caridade e a esperança numa vida após a morte como elementos fundamentais para uma felicidade duradoura, eterna”.

ROUSSEAU, filósofo suíço, defendeu “que o ser humano era, originalmente, feliz, mas que a civilização havia destruído essa harmonia original. Para se recuperar a felicidade original, a educação do ser humano deveria ter como objetivo o retorno deste à sua simplicidade original”.

AUGUSTE COMTE, filósofo francês do século XIX, defendeu que “a felicidade seria baseada no altruísmo e na solidariedade entre todo o género humano, formando a chamada RELIGIÃO DA HUMANIDADE”.

KARL MARX, filósofo alemão do século XIX, defendeu “o estabelecimento de uma sociedade igualitária, sem classes, como elemento fundamental para se atingir a felicidade humana”.

 

SIGMUND FREUD, o criador da PSICANÁLISE defendia que “todo o ser humano é movido pela busca da felicidade, através do que ele denominou PRINCÍPIO DO PRAZER, acabando por entender que o máximo a que poderíamos aspirar seria a uma FELICIDADE PARCIAL”.

 

A PSICOLOGIA POSITIVA entende que “ o homem é responsável pela própria felicidade, sem depender dos outros ou de um deus, pelo que se deve condicionar por atitudes como ser positivo, ser grato, FAZER O BEM”.

Finalmente, a ECONOMIA DOBARCO.jpg EM ESTAR defende que “o nível público de felicidade deve ser usado como suplemento dos indicadores económicos mais  tradicionais , como o P.I.B. ( produto interno bruto ), a inflação, etc.”.

“Perdi-me” na descrição da evolução das reflexões históricas sobre a felicidade, não tendo  explanado  o  que  se  entende  por   FELICIDADE NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA, sendo certo que só então considerarei completas as reflexões que me propunha expor.  Fica a promessa de voltar ao assunto.

Um abraço para todas e todos!

Lisboa, 29 de Setembro de 2017        

 

J. NOGUEIRA.