Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Animus Semper

FELICIDADE E CRISTIANISMO

PISSARRA.jpg

 

Perante a falta de textos disponíveis para alimentar diariamente o nosso blogue, fui dar uma volta pelas chamadas redes sociais, concretamente o Facebook, para dele recolher algo de interessante. Topei com a citação de Albert Jacquard e seguinte comentário do Mário Pissarra, que agora ofereço especialmente aos que não usam o Facebook. Ainda há dias um senhor muito importante desculpava os seus dislates referindo o calvinismo como explicação.

Obrigado, Mário Pissarra!

AH

 

Felicidade e cristianismo

"Com a noção de pecado, o cristianismo procurou desqualificar a felicidade. Como interpreta o facto?

"Foi o catolicismo, não o cristianismo, que condenou a felicidade. O cristianismo original era mais uma religião do amor do próximo, da partilha, do pôr em comum, da procura, pois, de uma harmonia nas relações entre humanos que tornasse possível a felicidade. As Igrejas, como qualquer estrutura humana, tiveram em mente, não a difusão de uma «boa nova», mas a extensão dos seus poderes. Basearam, muitas vezes, esse poder sobre o medo que insuflaram nos espíritos, servindo-se nomeadamente das noções de pecado e de danação eterna.
Não só não há que ter vergonha de ser feliz, como deveria ser motivo de brio. Temos o dever de manifestar a felicidade que sentimos; ser feliz, e mostrá-lo abertamente, dá aos outros a prova de que a felicidade é possível."

Albert Jacquard (1997) Pequeno Manual de Filosofia para Uso dos Não-Filósofos, p. 57.

 
 COMENTÁRIO
 
Sem discutir a questão da felicidade e o cristianismo, analisada neste fragmento de modo muito superficial, embora não deixe de ter razão na criação de uma vivência religiosa tormentosa (a tónica é mais colocada no pecado que na graça/dom) e de uma visão que se centra mais na força e no poder da instituição do que na boa nova, gostaria de chamar a atenção para a mensagem final. Não devemos ter vergonha de ser e de afirmar a nossa felicidade. Queremos e temos o dever de ser felizes. Se não for por nós que seja pelos outros. Quem exprime a sua felicidade contribui para a felicidade daqueles com quem contacta e vive.
 
Mário Pissarra