Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Animus Semper

A PALAVRA DO SR. BISPO

Uma rica lição de Geografia e História, em que subjaz a preocupação pelo futuro da Igreja e seus servidores. AH

1.jpg

 

SOBRE NÓS E AS NOSSAS CIRCUNSTÂNCIAS

 

Sim, somos nós e as nossas circunstâncias, lá diria o filósofo. Somos a Diocese de Portalegre-Castelo Branco cujas Visitas Pastorais às Paróquias do arciprestado de Castelo Branco começaram em janeiro e prolongaram-se até 2 de julho, com festa de encerramento na Senhora do Almortão, em Idanha-a-Nova, onde não faltaram os cantares ao som de adufes. Pelo meio, muitas visitas, encontros, celebrações, reuniões, convívios, partilha de projetos e preocupações, expressões culturais, festa sadia...

Este arciprestado de Castelo Branco inclui território do concelho de Castelo Branco, Vila Velha de Ródão e Idanha-a-Nova. A Diocese tem mais quatro arciprestados. Eram mais, foram unificados em cinco. Assim, temos mais o arciprestado da Sertã, com os concelhos de Sertã, Proença-a-Nova, Oleiros e Vila de Rei. O arciprestado de Abrantes, com os concelhos de Abrantes, Sardoal, Constância e Mação. O arciprestado de Ponte de Sor, com os concelhos de Ponte de Sor, Gavião, Nisa, Crato, Alter do Chão e uma paróquia do concelho de Fronteira, Cabeço de Vide. E o arciprestado de Portalegre, com os concelhos de Portalegre, Castelo de Vide, Marvão, Arronches e uma paróquia do concelho de Campo Maior, Degolados.

A Diocese engloba, pois, território do Alto Alentejo, da Beira Baixa e do Ribatejo, distritos de Portalegre, Castelo Branco e Santarém. Confina com as Dioceses da Guarda, de Coimbra, de Santarém, de Évora, e as Dioceses espanholas de Cória-Cáceres e Badajoz. Tem cento e sessenta e uma paróquias, algumas que já deixaram de ser freguesias. Desmembrada da Diocese da Guarda, foi criada em 1549.

A Diocese de Castelo Branco, também desmembrada da Diocese da Guarda, foi criada em 1771, mas só durou cerca de cem anos. Em 1881 foi extinta, só teve três Bispos. Os seus territórios foram integrados na Diocese de Portalegre, continuando a Diocese de Portalegre, agora com maior território, a chamar-se igualmente, e só, Diocese de Portalegre, a terceira maior do país em território. Foi apenas em 1956 que o Bispo da Diocese, Dom Agostinho de Moura, pediu a Roma para se juntar ao nome da Diocese de Portalegre também o nome de Castelo Branco: Portalegre-Castelo Branco, não Portalegre e Castelo Branco. A Diocese é só uma, Portalegre-Castelo Branco.

A população da Diocese está em acelerada diminuição. Tem cerca de 223 mil habitantes, mais coisa menos coisa. Desde o senso de 2001 ao de 2011, perdeu cerca de 13/14 mil pessoas. O próximo senso, em 2021, irá ser muito mais drástico em questão de números. Trabalham nela quatro Comunidades religiosas masculinas, todas com serviço paroquial: os Redentoristas, na cidade de Castelo Branco; os Padres do Verbo Divino, com comunidade na Vila de Nisa; os Missionários da Boa Nova, em Cernache do Bonjardim, e os Padres do Preciosíssimo Sangue, na Vila de Proença-a-Nova. As Comunidades de Vida Consagrada feminina, na Diocese, são várias, mas desde que cá estou já encerraram 10. Mantêm-se os Institutos da Apresentação de Maria, das Filhas de Maria Auxiliadora, das Franciscanas Missionárias da Mãe do Divino Pastor, das Franciscanas Missionárias de Maria, das Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora, da Ordem de Santa Clara, das Pequenas Missionárias de Maria Imaculada, das Franciscanas Hospitaleiras da Imaculada Conceição, da Companhia de Santa Teresa, das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo, das Irmãs Franciscanas de Nossa Senhora das Vitórias, das Irmãs de S. José de Cluny, das Missionárias Reparadoras do Sagrado Coração de Jesus, das Irmãs Carmelitas do Sagrado Coração de Jesus, do Instituto Secular Cooperadoras da Família, do Instituto Secular “Domus Mundi”, da Ordem das Virgens, da Caritas Christi, das Auxiliares do Apostolado, do Instituto Cristo Betânia, uma Associação de Fiéis de Vida Consagrada e vários membros de vida consagrada ligados a movimentos de apostolado e espiritualidade.

Há muitos leigos empenhados no serviço da Ação Social da Igreja, nos Secretariados e Comissões, como Ministros Extraordinários da Comunhão, Ministros Extraordinários da Celebração da Palavra na ausência do Presbítero, Ministros que orientam os funerais católicos, Conselhos Económicos Paroquiais, Conselhos Pastorais, Catequistas, Leitores, Acólitos, Grupos Corais, Movimentos de Apostolado, Corpo Nacional de Escutas, Irmandades… E vivemos com a esperança de que todos os diocesanos não deixem de ser cristãos na política, nos sindicatos, nas empresas, nos escritórios, na cultura, nas artes e ofícios, na família, no campo…É com eles que, na diversidade de ações e ambientes, se constrói a unidade bela da Igreja.
Entre os Santuários, poucos e pequenos, mas com alguma devoção e possibilidade de concentração, enumero apenas o da Senhora de Almurtão, em Idanha-a-Nova, o de Nossa Senhora de Mércoles, nos arredores da cidade de Castelo Branco, o de Nossa Senhora dos Remédios e Nossa Senhora da Confiança, na zona da Sertã, e o do Senhor dos Aflitos, em Fortios, Portalegre.
Temos 40 Misericórdias em atividade, três com esperança de renovação, 1 Centro Social Diocesano, 17 centros Sociais Paroquiais, 7 Centros Sociais ligados aos Institutos de Vida Consagrada.
Seminaristas, temos três, a estudar em Lisboa. Um pré-seminário vai trabalhando, na Diocese, com alegria e esperança, promovendo, juntamente com o Secretariado da Juventude e Vocações, a cultura vocacional. Desde fins do ano 2008 até hoje, foi ordenado um Presbítero e faleceram trinta e cinco. Presentemente, temos 78 Padres, sendo 14 de Institutos Religiosos ou de outras Dioceses e 4 residem fora da Diocese. Os Párocos são 49, alguns já com direito ao descanso, sobrecarregados e com grandes distâncias a percorrer. Os Diáconos Permanentes são treze e há um grupo de quatro em formação. O Senhor Dom Augusto César Alves Ferreira da Silva, de Fervença, Celorico de Basto, Braga, a residir em Fátima, é o Bispo Emérito da Diocese. O atual Bispo é de Longos Vales, Monção, Viana do Castelo.

Antonino Dias
07-07-2017

1 comentário

Comentar post